Sexta-Feira, 15 de Novembro de 2019

Diário de Sorocaba





Leia a edição impressa na íntegra


Clique aqui para acessar a edição do dia
buscar

<< SOROCABA Bênção das Rosas leva milhares à igreja de Santa Rita Celebração reúne devotos da região e de diferentes partes do Estado

Publicada em 22/05/2017 às 17:24
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR

(Foto: Pastoral da Comunicação/José Juarez)
Mais de três mil fiéis, esse era o número estimado para a tradicional Bênção das Rosas em honra de Santa Rita de Cássia, que ocorreu nesta segunda-feira (22), ao meio-dia, na paróquia dedicada à santa, localizada na Vila Santana. Anualmente, além dos bancos e corredores internos da igreja, a celebração, que reúne devotos de várias cidades da região, também foi acompanhada pelo lado externo da igreja, onde se aglomeraram dezenas de pessoas em frente a um telão. 
 
Rosas de todas as cores, cantos e muita emoção marcaram a festa, que teve como tema “Santa Rita, Mãe que muito amou”, oficiada sob a presidência do pároco, padre Manoel César de Camargo Júnior. “Santa Rita é muito especial. As pessoas vêm ao encontro dela pelas causas difíceis que passam na vida, seja um problema familiar, uma enfermidade ou outras dificuldades. Muitos vêm para agradecer as graças que já alcançaram.”
 
O padre destacou, ainda, a presença dos jovens, que a cada dia estão mais presentes na vida cristã. “Acreditamos que Santa Rita é o modo de podermos atrair também os jovens para a fé. Triste, porque certamente buscam a solução naquilo que julgam impossível, como a questão do desemprego; muitos lutam por uma colocação no mercado de trabalho. Uma enfermidade e outras tantas situações também fazem com que eles se identifiquem com a pessoa de Santa Rita, com seu sofrimento, com sua vida. Sendo assim, automaticamente eles acabam encontrando o caminho de Cristo, e isso é importante, porque Santa Rita amou muito a Jesus. Então é o meio de levar as pessoas a encontrar o caminho de Cristo”, afirmou. 
 
Perseverante na fé, a devota Mayara Acquaviva, 17 anos, contou que estar ali é ter em quem confiar e saber que está sendo ouvida. “Santa Rita é tudo e significa muito para mim. Eu sei que posso contar com ela e pedir nos momentos mais difíceis. Sei que ela está aqui sempre nos ajudando”, disse emocionada.
 
Maria Margarida Micareli, 92 anos, disse frequentar a paróquia há 75 anos, buscando estar sempre presente. “Participo das missas semanais e, em todos os anos, venho à Bênção das Rosas. Santa Rita é como Nossa Senhora Aparecida, existe aqueles que têm uma fé tão grande nela; assim é a minha fé também em Santa Rita de Cássia, com qual tive o privilegio de alcançar várias graças.”
 
“Primeiramente Jesus e depois Santa Rita de Cássia”, assim classificou sua fé a fiel Tereza de Andrade Bocardi, 86 anos. “Frequento a igreja há mais de 50 anos e me sinto muito bem todas as vezes em que venho participar dessa celebração. É muito bom sentir essa energia e ver a igreja tão lotada. Não posso ver com os olhos, porque não tenho a visão, mas vejo com o coração”, afirmou a devota.
 
CAUSAS IMPOSSÍVEIS - Santa Rita de Cássia ou Santa dos Impossíveis, como é conhecida a grande advogada dos aflitos, nasceu em Rocca Porena, perto de Cássia, na Itália. O nascimento da santa foi precedido por sinais maravilhosos e visões celestiais que fizeram seus pais perceberem algo da futura e providencial missão de Rita, que seria colocada no mundo para instrumento da Misericórdia de Deus em favor da humanidade sofredora. 
 
“Santa Rita, quando estava em seu leito de morte, pediu a uma parente que buscasse dois figos e uma rosa no jardim, uma coisa que ninguém imaginaria que seria possível, pois era inverno em Cássia. A pedido, a irmã foi e encontrou exatamente o que Rita havia solicitado. Este é um dos motivos pelo qual é conhecida como santa das causas impossíveis”, explicou padre Manoel.
 
Outro fator que se assemelha à santa são as rosas. “Santa Rita passou anos com um dos espinhos da coroa de Cristo em sua fronte. A ferida exalava um odor muito ruim e as pessoas mal conseguiam ficar próximas dela, muitos se sentiam incomodados. Quando Rita veio a falecer, aquela ferida começou a exalar perfume de rosas, e por isso essa associação à flor”, pontuou. 
Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar