Terça-Feira, 21 de Novembro de 2017 ASSINE O DIÁRIO 15.3224.4123

Diário de Sorocaba

buscar

<< BRASIL Maia diz que vai trabalhar ‘com paciência’ para aprovar reforma da Previdência Para oposição, placar da aprovação da reforma trabalhista é “sinal péssimo” para a votação da previdenciária

Publicada em 27/04/2017 às 15:41
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR

(Foto: ABr)
Após a aprovação da proposta de reforma trabalhista no plenário da Câmara dos Deputados, o presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM), disse que agora vai trabalhar para conseguir os votos necessários para aprovar a reforma da Previdência.
 
Maia ressaltou que, nas últimas semanas, houve problemas na articulação das votações, principalmente na base de apoio do governo, mas ressaltou que, graças a uma reorganização, o Projeto de Lei que trata da reforma foi aprovado por 296 votos contra 177.
 
Questionado por jornalistas sobre o fato de o número de votos a favor da reforma trabalhista não ser suficiente para aprovar a reforma da Previdência, tema considerado prioritário pelo governo no Congresso e que tramita na forma de proposta de emenda à Constituição, Maia respondeu que ainda há tempo para atuar junto aos deputados em favor da aprovação. Projetos de lei exigem maioria simples para aprovação na Câmara; PECs, no entanto, precisam ser aprovadas por três quintos do total de deputados.
 
“Temos aí duas ou três semanas e, com muita paciência, vou trabalhar para que possamos chegar ao plenário com número para aprovar a reforma da Previdência. Precisamos avançar nessas reformas e entregar, em 2018, um Brasil reorganizado e reequilibrado”, disse Maia. “A favor da reforma trabalhista tivemos quase 300 votos; agora, nossa obrigação é mostrar a eles a importância que a reforma da Previdência tem”, acrescentou.
 
OPOSIÇÃO - O líder da minoria na Câmara, José Guimarães (PT), afirmou que o placar da aprovação da reforma trabalhista é um “sinal péssimo” para a votação da previdenciária. “A Previdência é muito mais sensível, porque mexe imediatamente com a vida. Portanto, duvido que os deputados que tiveram tanta ousadia em subir à tribuna e defender a reforma trabalhista tenham coragem de subir e defender o fim da aposentadoria rural, porque, na prática, é isso.”
Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar