Segunda-Feira, 27 de Março de 2017 ASSINE O DIÁRIO 15.3224.4123

Diário de Sorocaba

buscar

<< BRASIL Brasil é quarto país no ranking global de casamento infantil

Publicada em 13/03/2017 às 14:59
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR

O casamento infantil responde por 30% da evasão escolar feminina no ensino secundário
Levantamento recente do Banco Mundial revela que o Brasil tem o maior número de casos de casamento infantil da América Latina e o quarto no mundo. No País, 36% da população feminina casam-se antes dos 18 anos.
 
O estudo "Fechando a Brecha: Melhorando as Leis de Proteção à Mulher contra a Violência" ressalta que a lei do Brasil estipula 18 anos como a idade legal para a união matrimonial e permite a anulação do casamento infantil. O problema é que há muitas brechas na legislação.
 
Se houver consentimento dos pais, por exemplo, as meninas podem se casar a partir dos 16 anos. A autora do estudo, Paula Tavares, fala sobre outras brechas na lei. “Um dispositivo ainda comum em todo o mundo é a permissão do casamento infantil – e em geral sem limite de idade – se a menina estiver grávida. Esse é o caso do Brasil.”
 
Segundo ela, o País também não prevê punição para quem permite que uma menina  case-se fora dos casos previstos em lei, nem para os maridos nesses casos. “Na América Latina, 24 países preveem pena a quem autorize o casamento precoce, mas o Brasil não está entre eles,” observou.
 
Segundo o documento do Banco Mundial, a cada ano, 15 milhões de meninas em todo o mundo casam-se antes dos 18 anos. Em muitas culturas, o casamento precoce, muitas vezes, é visto como uma solução para a pobreza, por famílias que acreditam que assim terão uma boca a menos para alimentar. No Brasil, os principais motivos incluem gravidez na adolescência e desejo de segurança financeira.
 
No entanto o estudo destaca que o casamento infantil responde por 30% da evasão escolar feminina no ensino secundário a nível mundial e faz com que as meninas estejam sujeitas a ter menor renda quando adultas. Também as coloca em maior risco de sofrer violência doméstica, estupro marital e mortalidade materna e infantil.
 
Por outro lado, o documento ressalta que eliminar o matrimônio infantil traz ganhos econômicos. Por isso, as recomendações para o Brasil e a América Latina são eliminar as brechas na legislação e adotar punições para a união não prevista em lei.
 
Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar