Sábado, 18 de Novembro de 2017 ASSINE O DIÁRIO 15.3224.4123

Diário de Sorocaba

buscar

<< SOROCABA Estudantes protestam contra reajuste de tarifa de ônibus Promessa eleitoral de Crespo não está sendo cumprida, segundo manifestantes

Publicada em 02/03/2017 às 14:29
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR

(Foto: Germano Schonfelder)
O coletivo “Enfrente! Juventude em Movimento” liderou um protesto contra o aumento da tarifa de ônibus na tarde desta quarta-feira (1°), próximo ao Terminal Santo Antônio. Com confirmação de cerca de 150 pessoas em encontro criado em uma rede social, organizadores esperavam pelo menos 300 até o fim do ato, que consistiu em entrega de panfletos, chamada em megafone e toque de instrumentos de percussão após caminhada até a Praça da Bandeira.
 
Os manifestantes chegaram a interditar um trecho de entrada de ônibus na Rua Dr. Luiz Ferraz de Sampaio Júnior, para protesto e segurança dos participantes. “Temos o objetivo de chamar atenção da população e do poder público municipal e deixar bem claro que, na verdade, a redução da passagem era uma promessa de campanha do prefeito José Crespo”, explica Marco Aurélio, organizador do protesto.
 
Apesar de o ato ser às 17 horas, momento em que muitos usuários do transporte coletivo estão voltando para casa, os integrantes do coletivo acreditavam ter boa adesão popular. “Vamos causar uma comoção, pois nos opomos fortemente ao aumento”, afirma. “Pretendemos pressionar a Prefeitura de forma pacífica.”
 
Marco Aurélio aponta grande discrepância entre a promessa eleitoral de Crespo e o reajuste da tarifa. “Ele disse que ia baixar o custo do passe social para 70% do vale-transporte”, aponta. “O transporte coletivo tem uma série de problemas”, continua o organizador. “Os horários são insuficientes e a Prefeitura tem a ideia de que serve apenas para levar e trazer do trabalho, mas esquecem das atividades de lazer.”
 
O mesmo ponto é tocado pela vereadora Fernanda Garcia (PSOL), presente no protesto. “O acesso ao lazer é fundamental”, conta. Considerando a manifestação um ato político, Fernanda afirma que a população está cansada de ser enganada. “É estelionato eleitoral.”
 
A parlamentar diz participar porque considera a questão importante e espera que os usuários entendam e também se mobilizem. “O problema é que falta espaço de participação. O prefeito fecha todas as portas, mesmo com a população descontente”, explica. “O transporte é o direito de ir e vir, através do qual podemos ter acesso a outros direitos”, aponta. “Precisamos cobrar as promessas do período eleitoral e o prefeito, como servidor, deve ouvir a população.”
 
Alaíde Costa, 60 anos, ambulante, interrompeu as vendas para ajudar os manifestantes na distribuição de panfletos. “Eu queria dar uma força”, declara. “A gente de idade não tem como protestar porque tem medo de acontecer alguma coisa, mas eu gosto de ajudar.”
 
A ambulante considera o aumento um abuso. “O prefeito mal entrou e já está fazendo essa ‘cachorrada’”, esbraveja. “Na hora de pedir voto, eles mentem. Veio na rua, cumprimentou e abraçou. Até falou que ia providenciar uma credencial para nós, mas, agora, coloca a polícia para perseguir.”
 
Enquanto luta, ao seu modo, pelas causas nas quais acredita, Alaíde faz um apelo. “Eu quero é que o prefeito lembre-se de que ele tirou foto com uma senhora moreninha e fez promessas”, diz. “Isso é uma desonra!”
Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar