Quarta-Feira, 22 de Novembro de 2017 ASSINE O DIÁRIO 15.3224.4123

Diário de Sorocaba

buscar

<< CULTURA Escolas de samba não deixam o samba morrer Preparativos resgataram o passado e exigiram criatividade para desfile no Parque das Águas

Publicada em 25/02/2017 às 23:27
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR

(Foto: Arquivo/DS)
As dez escolas de samba de Sorocaba desfilam neste domingo (26), às 17 horas, no Parque das Águas. Com 30 minutos cada uma para atravessar os 500 metros da avenida, as escolas prometem oferecer o melhor que puderam preparar com a pouca verba de que dispunham.
 
No início deste mês, o DIÁRIO acompanhou os preparativos dos grupos participantes, que mostraram abraçar a oportunidade de estar na avenida novamente. Com simplicidade e muita garra, todos têm a intenção de perpetuar a festa popular na cidade.
 
A 28 de Setembro, tradicional campeã, homenageia a cantora Clara Nunes e espera que Sorocaba firme-se como polo carnavalesco na região. A escola conta sempre com dois planos para garantir a festa - um bom desfile custa por volta de R$ 60 mil.
 
João de Paulo Cuba, diretor de relações públicas, lamenta que a Cultura seja o setor que mais perde diante de uma crise econômica. “Se não tiver cultura, não tem educação e não tem condições de ir para frente”, avalia.
 
Os integrantes da Carinhosa do Nova Esperança passaram noites em claro para que tudo ficasse pronto a tempo. Sempre atentos à comunidade que a envolve, a escola não cobra por fantasias e acabou por reciclar materiais e tema dos anos anteriores. “O samba contagia”, afirma Daluze Conceição Gonçalves, presidente. “Carnaval é cultura e a gente luta pelo que faz bem para a cidade.”
 
Para driblar a falta de verba, a Estrela da Vila contou com a criatividade e a força da comunidade ao escolher o Nordeste brasileiro como tema para 2017. Deixando de lado as dificuldades que assombram a região, a escola vai contar a história de Lampião e Maria Bonita, assim como de Luiz Gonzaga.
 
Para o presidente, Bruno Alberto Braga, muito mais que dinheiro, é preciso tempo para colocar um desfile na avenida. “Vai ser uma coisa muito simples, mas com a grandiosidade que nosso povo merece.”
 
A Furiosa Real chega com brincadeiras na avenida, despertando em todos os sonhos de criança. O trabalho social desenvolvido pela escola é considerado tão importante quanto os preparativos carnavalescos. Tirar as crianças da rua e ajudar mulheres amparadas pela Lei Maria da Penha são prioridades.
 
“De que adianta trabalhar três meses por ano e esquecer da sociedade?”, questiona Marcus Vinícius Galvão Carvalho, presidente. A ajuda para manter o grupo vem de patrocinadores e cidades que não possuem mais a festa.
 
O renascimento do carnaval é a promessa da Gaviões da Fiel para este ano. Com apoio da sede oficial em São Paulo, a escola conseguiu fantasias e estrutura para fazer uma passagem de impacto para homenagear a maior metrópole do País.
 
“É um dos melhores carnavais que a gente já fez”, declara o fundador e diretor, Rubens Machado de Oliveira. Saindo sem ajuda pública, os integrantes incentivam a reflexão. “Falam que tentamos roubar dinheiro. Agora estamos saindo sem verba nenhuma, o que eles vão dizer?”
 
Com o tema “As três facetas da fé”, a Império do Parque das Águas destaca as religiões por acreditar que a fé e o carnaval têm muito em comum. A escola elogia o apoio moral da Prefeitura e espera melhorias para o futuro.
 
A presidente Maria Cristina Marcelino Matavelli afirma que a dificuldade financeira não a fez fraquejar. “Se você viver essa crise sem ter força de vontade, não vai sair nada”, comenta.
 
Novata no desfile deste ano, a Mocidade Independente de Sorocaba chega para homenagear Simplício, o humorista ituano. Com ajuda da escola-irmã de Itu e apoio da população, conseguiu se estruturar para montar uma apresentação digna de estreia.
 
“A gente tem muito a acrescentar”, garante Marcelo Mello, presidente. Ele entende que a crise econômica em nível nacional dificulta qualquer repasse público, mas espera que os munícipes entendam a importância do Carnaval. “A gente tem de entender as coisas antes de parar para julgar.”
 
Outra região do Brasil representada será a do Sul, por conta da Planeta Negro. A sede serve como uma segunda moradia para os 30 integrantes, que fazem refeições e dormem no local a fim de otimizar a confecção de fantasias e adereços.
 
Fátima Aparecida Soares, presidente, sabe que, para o ano que vem, o carnaval terá maior apoio da Secretaria da Cultura. “A turma fala que Sorocaba é um pólo industrial, mas dentro disso também tem muita cultura”, conta.
 
Os monstros da infância contarão histórias na passagem da Unidos do Cativeiro. Falando de Ricardo Coração de Leão, Bicho-Papão e até Malévola, a escola trabalhou com voluntários durante os finais de semana para encerrar os preparativos.
 
“Está difícil de fazer com que a população nos veja de uma forma diferente”, lamenta a presidente, Regina Vieira Pedrozo. O sonho do desfile ideal foi reduzido pela metade por falta de verba, segundo Regina. Porém o mais importante é a satisfação de ver a alegria no rosto das pessoas quando a escola passar.
 
A Unidos da Zona Norte também celebra passagem pela avenida e oferecerá animação aos espectadores.
 
PROGRAMAÇÃO – A ordem de apresentação será esta: Mocidade Independente, Unidos da Zona Norte, Império do Parque das Águas, Carinhosa do Nova Esperança, Planeta Negro, Unidos do Cativeiro, Gaviões da Fiel, Estrela da Vila, Furiosa Real e 28 de Setembro.
 
Neste ano, a Prefeitura não patrocinou arquibancada, mas instalou gradis no percurso e garante participação da Guarda Civil Municipal (GCM), da Polícia Militar, ambulâncias, viaturas, conselho tutelar, Urbes, entre outras.
 
Em um desfile não classificatório, todas as escolas receberão um troféu pela participação. “Temos que agradecer o espírito de colaboração dessas escolas. Todas se propuseram a desfilar, ainda que o poder público não tenha investido recursos financeiros de forma direta”, aponta Werinton Kermes, secretário de Cultura.
 
“Todas as escolas se comprometeram a resgatar o espírito dos carnavais tradicionais e, mesmo com toda a dificuldade financeira, vão participar do desfile”, frisa.
 
ACESSIBILIDADE – Para o desfile deste domingo (26), a Urbes deixa disponíveis cinco carros extras partindo do Terminal Santo Antônio, a partir das 16 horas, e outros cinco, desde as 18 horas, para atender aos munícipes que quiserem prestigiar o evento.
 
A Linha 19 – Progresso terá reforço especial a partir das 17 horas, com ônibus em intervalos de 20 minutos até as 00h10, partindo do ponto final. Os carros extras estarão à disposição da população ao final do desfile e o embarque deve ser feito no final da Avenida Arthur Bernardes, na Praça Olinda Mendes, o ponto final da linha.
 
Neste domingo e na terça-feira (dias 26 e 28), a passagem de ônibus, para quem tem o cartão social, custa R$ 1,50. A redução no valor da tarifa é possível devido ao programa “Domingão”, lançado em 2007, que concede desconto na passagem em todos os domingo e feriados.
 
O aplicativo Infobus, o site da Urbes e o telefone 118 oferecem mais informações sobre os horários do transporte coletivo.
 
ALTERAÇÕES – Na manhã deste domingo, a Urbes interdita a Avenida Dom Aguirre, no trecho compreendido entre a Avenida Arthur Bernardes até a Ponte Dom José Melhado Campos (Radial Norte).
 
Haverá reabertura após o término da passagem de todas as escolas de samba, prevista para a 1 hora de segunda-feira. O local será sinalizado e agentes de trânsito vão monitorar e orientar os motoristas.
 
Devido ao feriado de carnaval, a Urbes alerta para os horários diferenciados de ônibus na segunda e na terça-feiras (dias 27 e 28). Na segunda-feira, os horários seguirão a tabela de sábado e, na terça-feira, a de domingo.
 
A empresa explica que a alteração será feita porque nestes dias, historicamente, a demanda de usuários do transporte coletivo é mais baixa do que em dias úteis.
Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar