Terça-Feira, 23 de Maio de 2017 ASSINE O DIÁRIO 15.3224.4123

Diário de Sorocaba

buscar

<< SAÚDE Doações de córneas não acompanham aumento na procura por transplantes Cirurgias de catarata também não são feitas em ritmo adequado à cidade, segundo OMS

Publicada em 22/01/2017 às 11:15
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR

(Fernando Rezende)
A escassez de doações de córneas segue como preocupação para o Banco de Olhos de Sorocaba (BOS), instituição que em todos os anos atende à média de 1,9 mil pessoas de todo o País. A maior parte dos transplantes não é considerada urgente, mas a demora pode prejudicar a reabilitação visual em alguns casos e diminuir a qualidade de vida de quem espera poder enxergar melhor.
 
Edil Vidal de Souza, superintendente do BOS, conta que o hospital possui 1.029 pacientes aguardando para o transplante de córneas. “A fila oscila muito de acordo com as doações. Quanto mais doações viáveis, mais pacientes são transplantados”, explica. Em 2004, o BOS implantou o mesmo modelo de trabalho utilizado em São Paulo e, em 2009, a fila de espera do Estado foi zerada. Entretanto, a proporção de procura e doações não foi equilibrada nos últimos anos.
 
O tempo de espera previsto é de aproximadamente sete meses, mas há casos especiais nos quais é possível acelerar o transplante. “Quando há uma urgência, existem critérios para permitir o acesso mais rápido (priorização), como em perfurações oculares e infecções graves sem resposta ao tratamento clínico”, observa Souza.
 
É fácil registrar-se como doador. Em vida, a pessoa pode expressar a intenção de doar ou a família pode autorizar a doação do órgão após o óbito. Há mais de 70 mil doadores registrados em Sorocaba e o BOS também solicita doações através de entrevistas familiares. Após a captação das córneas, o tempo de armazenamento vale por 14 dias para uso.
 
PROCEDIMENTO – São cerca de cinco meses de avaliação para confirmar que o paciente fará o transplante. Assim, ele é cadastrado na fila de espera do Sistema Estadual de Transplantes, onde pode acompanhar sua posição através do Registro Geral da Central de Transplantes (RGCT), segundo Souza. “Quando chega a vez, a córnea é disponibilizada e o agendamento da cirurgia, conforme a legislação, deve ocorrer em até quatro dias; o contato é feito via telefone”, informa.
 
De acordo com o oftalmologista especialista em córnea, Nicolas Cesário Pereira, o transplante precisa ser feito em caso de alterações da transparência ou irregularidades da córnea, que levem a uma baixa visão mesmo com auxílio de óculos ou lentes de contato, fora perfurações ou infecções. “Estas alterações podem ser congênitas, hereditárias ou adquiridas”, complementa.
 
CATARATA – O superintendente Edil Vidal de Souza informa que, em dezembro de 2016, o número de cirurgias de catarata contratualizado pelo SUS para o BOS passou de 119 para 205, distribuídas aos 48 municípios da região do Departamento Regional de Saúde. No ano passado, 1.388 cirurgias foram feitas, 12 a mais que em 2015.
 
Em 2013 e 2014, foram 5.460 e 2.598 cirurgias, respectivamente, devido ao recurso extra para o Programa de Cirurgias Eletivas (Mutirão), zerado desde 2015. Estima-se, hoje, mais de cinco mil pacientes aguardando pela cirurgia de catarata apenas em Sorocaba. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o ideal seria ter 7,5 mil cirurgias por ano, de acordo com o número de habitantes da cidade.
 
Helena Maria de Oliveira Martins, auxiliar de limpeza, compareceu ao BOS na semana passada para continuar as avaliações da vista para descobrir se precisará da cirurgia para catarata. “Vim fazer o exame PAM (Potencial de Acuidade Macular), e dia 30 tenho retorno para ver o resultado”, conta. Helena é atendida pelo SUS e diz que neste ano o atendimento está mais rápido se comparado ao anterior. “Agora, é esperar, pois quero voltar a enxergar bem.”
 
TECNOLOGIA – Um aplicativo está sendo desenvolvido pelo BOS para minimizar as críticas com relação ao tratamento na especialidade de córnea e transplantes, contemplando a solicitação de avaliação inicial, exames oftalmológicos, inscrição na fila de espera, acompanhamentos pós-operatório, entre outras funções. O BOS afirma que o aplicativo será um facilitador e poderá agilizar e ampliar o processo.
 
Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar