Segunda-Feira, 27 de Março de 2017 ASSINE O DIÁRIO 15.3224.4123

Diário de Sorocaba

buscar

<< EDITORIAL Luta contra a exclusão

Publicada em 20/01/2017 às 09:41
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR

Dentro do contexto de um mundo globalizado e da revolução tecnológica, a exclusão dos mais necessitados só terá um fim quando a distribuição de renda for menos injusta. Só quando todos tiverem condições de ter uma melhor perspectiva de vida, com capacitação profissional para garantir não somente o  emprego e o sustento da família, mas também a moradia, a saúde, a educação, o lazer e tudo mais, é que estaremos diante de um modelo razoável de vida para todas as pessoas. É evidente que ricos e pobres sempre vão existir, mas o que não pode é a imensa diferença de oportunidades entre uns e outros.
 
Por mais que o tempo passe, um número expressivo de brasileiros não consegue um emprego formal nem sair da dura vida da inadimplência. Nos dois últimos anos as coisas foram assim e, agora, em 2017, tudo permanece na mesma. Dessa forma, quando as garantias econômicas são deixadas de lado, as frustrações financeiras é que prevalecem, fazendo surgir o velho sentimento de exclusão em grande parte dos brasileiros. 
 
Enquanto tudo isso não sair da berlinda e for encaminhado de maneira equilibrada, possibilitando a todos uma vida com o mínimo necessário, conforme prevê a Constituição, jamais o País deixará as tensões de lado, exatamente como ocorre agora. Os bandos organizados que vão tomando conta dos presídios de todo o Brasil têm tudo a ver com a exclusão de grandes contingentes de brasileiros. Sem emprego e ganhos condizentes para quem desenvolve uma atividade útil, jamais a revolta, a violência e a criminalidade deixarão de penalizar toda a sociedade. E nada disso vai mudar enquanto o País não tiver investimentos e empregos para todos. Por enquanto, infelizmente, as estratégias de desenvolvimento só estão voltadas para os problemas mais urgentes, ficando os estruturais em segundo plano, sem qualquer planejamento adequado a longo prazo.
 
A população brasileira cresce bastante todos os anos e, pior, cresce nas classes pouco privilegiadas. Dessa forma, os problemas também não vão parar de avançar. Basta verificar os problemas que a juventude enfrenta hoje em dia para conseguir uma colocação adequada no mercado de trabalho. Toda essa realidade está exigindo uma melhor atenção dos governantes, da classe política e da própria sociedade brasileira. Ou se inverte as coisas, ou o Brasil jamais sairá do lugar comum, condenando as atuais e futuras gerações a tudo aquilo que existe de pior.                                            
 
Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar