Segunda-Feira, 13 de Julho de 2020

Diário de Sorocaba





Leia a edição impressa na íntegra


Clique aqui para acessar a edição do dia
buscar

<< ECONOMIA Vendas de materiais de construção não têm crescimento na Cidade no ano passado Apesar de bons resultados nacionais, Sorocaba manteve o mesmo desempenho de vendas de 2015

Publicada em 04/01/2017 às 06:52
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR

Os materiais de construção não tiveram boa saída em Sorocaba
Segundo pesquisa divulgada pela Associação Nacional dos Comerciantes de Materiais de Construção (Anamaco), as vendas de materiais de construção cresceram 2% em dezembro de 2016, mas não foi o efeito sentido em Sorocaba. Os dados ainda revelam que o desempenho no País foi 4% melhor em relação ao mesmo período anterior.
 
Luiz Gonzaga da Rosa, gerente de uma loja de materiais de construção localizada no bairro Cerrado, não notou a melhora revelada pela pesquisa. “Na verdade, houve uma queda de 10 a 12%.” Ele afirma que 2015 e 2016 foram anos de percentual de vendas semelhantes para o segmento e encontra justificativa na crise financeira em que o País vive. “O mercado está difícil, o pessoal está desempregado e o dinheiro sumiu.” Apesar do momento de queda no comércio, o gerente mantém-se otimista. “Penso muito positivo e acho que a tendência é melhorar”, diz.
 
O cenário é o mesmo na Vila Olímpia. A gerente Regina Kimoshita observa que as vendas de dezembro mantiveram-se na média mensal e que o ano de 2016 foi negativo devido à situação financeira do País. “Em 2015, as vendas ainda foram boas porque lojas estavam reformando, mas agora acabou”, conta. Para este ano, Regina é cética quanto à melhora. “Vai depender muito do governo”, revela.
 
O último mês do ano também manteve-se na média esperada em uma loja de materiais de construção no bairro Aparecidinha, segundo Moisés de Cabral da Silva. O gerente explica que não percebeu melhora em todo o decorrer do ano, e possui uma visão clara sobre a situação. “O ano de 2015 foi horrível e 2016 foi péssimo, então tenho expectativa de melhora, porque se piorar vai ser feio”, comenta.
 
ALTERNATIVAS – Como meio de atrair o consumidor de volta para os materiais de construção, as lojas na cidade estão recorrendo a facilitadores, como oferta de brindes, desconto em pagamento à vista, parcelamento mais longo e prazos maiores para cartões de crédito.
 
A Anamaco prevê crescimento de vendas de 7% para este ano, sustentando a afirmativa em programas de crédito do governo.
Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar