Terça-Feira, 30 de Maio de 2017 ASSINE O DIÁRIO 15.3224.4123

Diário de Sorocaba

buscar

<< POLÍTICA Movimento Brasil Livre volta às ruas contra Renan Calheiros amanhã

Publicada em 03/12/2016 às 07:42
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR

(Arquivo/Miguel Pessoa)
O Movimento Brasil Livre (MBL), que promoveu em Sorocaba atos a favor do `impeachment´ da então presidente Dilma Rousseff (PT), prepara um novo protesto para este domingo (4), desta vez contra o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB), acompanhando manifestações previstas para vários pontos do País. A manifestação terá concentração no Parque Carlos Alberto de Souza, no Campolim, às 16 horas, e segue em passeata até o prédio do Ministério Público Federal, no início da avenida Antônio Carlos Comitre, no antigo Shopping M, onde funciona também a Justiça Federal. 
 
De acordo com Rafael Sarti, membro do MBL de Sorocaba, a manifestação não tem público previsto. Até a tarde desta sexta-feira (2), o evento oficial da manifestação no Facebook tinha apenas 96 pessoas confirmadas de mais 2 mil convidadas. O fim da anistia do caixa 2, do foro privilegiado e os supersalários dos entes públicos são outras motivações do protesto, que também pede a prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).
 
Segundo Sarti, o ato tem como objetivo principal, porém, protestar contra as manobras de Renan Calheiros, mas não visa criticar o governo federal, apesar de não declarar apoio ao presidente Michel Temer. “Apoiamos que o Brasil se fortaleça”, afirma o militante, que critica o movimento de partidos da esquerda, como o Psol, em promover um `impeachment´ do peemedebista. “Para esses partidos, quanto pior melhor", acusa o líder local do Movimento Brasil Livre. 
 
Motivo de protesto por estudantes secundaristas em todo o País, a Medida Provisória (MP) que reforma o Ensino Médio também não estará na pauta do protesto de domingo, assim como a PÈC 55, que limita os gastos públicos pelos próximos 20 anos. "Nenhuma empresa ou família gasta mais do que recebe", exemplifica Sarti, que vê na medida uma forma de conter a crise e equilibrar as contas do governo. "Quem está gritando contra é porque só leu a introdução do texto", ironiza.
Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar