Sexta-Feira, 23 de Agosto de 2019

Diário de Sorocaba





Leia a edição impressa na íntegra


Clique aqui para acessar a edição do dia
buscar

<< POLÍCIA Cuidados simples no cotidiano do dirigir ajudam a evitar acidentes 64 pessoas morreram em Sorocaba de janeiro ao mês passado

Publicada em 23/10/2016 às 08:46
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR

(Divulgação)
As mortes decorrentes de acidentes de trânsito na região de Sorocaba tiveram queda de 30% em setembro em relação ao mesmo mês do ano passado, segundo levantamento do Sistema de Informações Gerenciais de Acidentes de Trânsito do Estado de São Paulo (Infosiga SP), divulgado na semana passada. A região também registrou redução de 16% no número de óbitos em relação ao mês anterior. Em Sorocaba 79 pessoas morreram de janeiro a setembro de 2015 nas ruas e avenidas da cidade. De janeiro a setembro deste ano, o número foi 64. Em 2015, Sorocaba foi a terceira cidade do Interior do Estado em registro de mortes no trânsito: 97 ocorrências.
 
As multas de trânsito aumentaram 17,05% entre os motoristas sorocabanos, no primeiro semestre deste ano, em relação ao mesmo período do ano passado, segundo a Urbes – Trânsito e Transporte. Foram aplicadas 88.477 autuações em 2016, enquanto em 2015 foram 73.070. Entre as infrações mais cometidas estão velocidade superior à máxima permitida, dirigir ao celular e falta do uso do cinto de segurança. Outra infração comum, porém poucos motoristas estão atentos, é em relação ao pneu careca. Ele contribui diretamente com o aumento do índice de acidentes de trânsito.
 
No caso do pneu careca, por exemplo, além de o condutor ter de pagar R$ 127,69 e ter acrescido cinco pontos na CNH (Carteira Nacional de Habilitação), corre o risco de sofrer um grave acidente. O diretor do centro automotivo MJ, Fernando do Nascimento, alerta para os problemas que o pneu careca pode apresentar. “Não tem aderência em estradas de terra, aumento do arrasto de frenagem e parada do veículo, perda de estabilidade em curvas e aumento da probabilidade de aquaplanagem em dias de chuva.” 
 
Para evitar riscos, o recomendado é que o rodízio dos pneus seja feito a cada cinco mil quilômetros rodados. “A profundidade mínima do sulco do pneu é de 1,6 mm. O TWI (pequena saliência entre os sulcos do pneu) indica o desgaste máximo admitido pelo pneu”, orienta Fernando.
 
Existem diversos tipos de pneus, por exemplo o remold, que custa até 20% mais barato em comparação ao modelo novo. “Os remolds são pneus que já foram rodados até o fim de sua vida útil, e após um processo de seleção de carcaças, ganha uma nova banda de rodagem sobre a carcaça, junto com uma nova marca da remoldadora”, explica o diretor da MJ. A troca para modelos remolds deve ser feita entre 15 mil e 20 mil quilômetros rodados.
 
A Urbes – Trânsito e Transporte enfatiza que para um trânsito mais harmonioso é importante que cada condutor tenha a consciência de que a mudança de comportamento é necessária. “Praticar o respeito às regras de trânsito e a gentileza com os outros condutores contribuem para um trânsito mais seguro para todos”, destaca o presidente da Urbes, Renato Gianolla.
 
ÚLTIMO ACIDENTE FOI TRÁGICO - O motorista William Moraes Rodrigues, 38 anos, está em liberdade. Ele bateu seu carro de frente com outro e matou pai e filha - um neném de 11 meses - em um acidente na Rodovia Celso Charuri, no dia 14 de outubro, em Sorocaba. O inquérito da polícia foi finalizado e ele está indiciado por homicídio doloso, que significa intenção de matar. Ele estava no Centro de Detenção Provisória - CDP, foi solto anteontem e responderá ao caso em liberdade. Rodrigues confirmou ter bebido quatro latas de cerveja, e disse que tinha condições de dirigir. Ele relatou também um problema no pneu, que pode ter provocado o acidente.
 
A família das vítimas ficaram inconformadas com a situação. Rodrigues dirigia seu Honda / Civic, placas de São Paulo, e atravessou o canteiro da Rodovia Celso Charuri, na altura do quilômetro 5, quando bateu de frente em um VW / Gol, placas de Sorocaba. A força do impacto matou Fernando Augusto Rodrigues e sua filhinha, Manuela Marin Rodrigues. A mãe, Marília Marin Rossetti, que também estava no veículo, ficou gravemente ferida, foi socorrida ao Hospital Regional e, atualmente, segue internada em uma unidade médica de Jundiaí. A família toda estava usando cinto de segurança, e a neném estava na cadeirinha. O autor fez o teste do bafômetro e foi constatado que ele tinha 0,83 mg de álcool no sangue. Rodrigues sofreu apenas ferimentos leves.
 
Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar