Sexta-Feira, 5 de Junho de 2020

Diário de Sorocaba





Leia a edição impressa na íntegra


Clique aqui para acessar a edição do dia
buscar

<< ECONOMIA Imóveis de 2 dormitórios do tipo econômico são destaque na Cidade De acordo com o Estudo do Mercado Imobiliário de Sorocaba, esse tipo de imóvel lidera entre vendas e lançamentos

Publicada em 29/09/2016 às 06:49
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR

Nos últimos três anos, imóveis de dois dormitórios do tipo econômico foi destaque, tanto em lançamentos quanto em vendas na cidade. Os dados constam no Estudo do Mercado Imobiliário de Sorocaba, elaborado pelo Departamento de Economia e Estatística do Secovi-SP, em parceria com a Robert Michel Zarif Assessoria Econômica, e divulgados nesta quarta-feira (28), no Encontro Secovi do Mercado Imobiliário de Sorocaba e Região, que ocorreu na Fundação “Ubaldino do Amaral”. Fora o diretor Regional do Secovi em Sorocaba, Guido Cussiol Neto, o secretário de Estado da Habitação de São Paulo, Rodrigo Garcia, também esteve presente para apresentar o Programa de Lotes “Morar Bem, Viver Melhor”. 
 
De acordo o levantamento, entre outubro de 2013 e setembro de 2016, foram lançadas 13.568 unidades verticais e 1.457 horizontais, totalizando 15.025 unidades. O maior volume de lançamentos e vendas foi de imóveis de dois dormitórios econômicos, correspondendo a 70 e 71%, respectivamente. O segmento de três dormitórios registrou 12 e 11% de participação, respectivamente, seguido de unidades de dois dormitórios (10 e 9%), um dormitório econômico (4 e 4%) um dormitório (3 e 3%) e quatro dormitórios (0,8 e 0,9%).
 
Os imóveis de até R$ 215 mil tiveram 11.023 unidades lançadas e 6.972 vendidas, seguidos pelas unidades entre R$ 215 mil e R$ 350 mil (2.396 e 1.311 unidades), de R$ 350 mil a R$ 500 mil (918 e 476), de R$ 500 mil a R$ 750 mil (448 e 214) e acima de R$ 750 mil (240 e 156). A média de preço total no período foi de R$ 233.066 (um dormitório), R$ 145.297 (um dormitório econômico), R$ 277.080 (dois dormitórios), R$ 186.234 (dois dormitórios econômicos), R$ 471.601 (três dormitórios) e R$ 1.294.472 (quatro dormitórios). 
 
O Valor Global de Vendas atingido nos últimos 36 meses em Sorocaba foi de R$ 2,043 bilhões. Os imóveis de dois dormitórios econômicos lideraram o volume de comercialização (R$ 1,129 bilhão), seguidos pelos de três dormitórios (R$ 441 milhões), dois dormitórios (R$ 245 milhões), quatro dormitórios (R$ 112 milhões), um dormitório (R$ 63 milhões) e um dormitório econômico (53 milhões).
 
OFERTA FINAL - Descontando o número de imóveis comercializados (9.129) do volume total lançado no período abrangido pelo estudo (15.025), a oferta final ficou em 5.896 unidades, resultado 6% superior em relação ao levantamento anterior (5.542). Nesse montante atual, lideram os imóveis de dois dormitórios econômicos (4.005 unidades), aparecendo, na sequência, os de três dormitórios (782 unidades), dois dormitórios (709 unidades), dois dormitórios econômicos (180 unidades), um dormitório (174 unidades) e quatro dormitórios (46 unidade).
 
LOTES APROVADOS – Os loteamentos também estão contemplados no estudo, a partir do levantamento do número de projetos aprovados no Grupo de Análise e Aprovação de Projetos Habitacionais do Estado de São Paulo nos últimos anos. Em 2015, foram protocolados 688 projetos de loteamentos no Estado de São Paulo, ante os 697 formalizados no ano anterior. Em Sorocaba, foram aprovados de 2010 até junho de 2016 um total de 28 projetos, totalizando 12.001 unidades previstas. 
 
O diretor regional do Secovi em Sorocaba, Guido Cussiol Neto, afirma que, apesar do ambiente econômico no País, o mercado imobiliário de Sorocaba oferece grandes vantagens aos compradores. “Este é o momento de buscar as melhores propostas, pois, dentro em breve, o mercado irá se equacionar e as oportunidades já não serão as mesmas. Por isso, insistimos que este é o momento certo para quem deseja realizar o sonho da casa própria”, comenta Guido. 
 
PROGRAMA - O Programa de Lotes “Morar Bem, Viver Melhor” tem o objetivo de contribuir com a recuperação do setor, ao mesmo tempo em que direciona os estoques de lotes urbanizados para famílias de baixa renda, com fomento para habitação de interesse social. Os terrenos participantes, que podem estar prontos ou em processo de implantação, precisam ter infraestrutura completa e licenciados ou registrados. Além disso, precisam ter acesso a equipamentos e serviços urbanos. 
 
Os lotes terão valor entre R$ 25 mil e R$ 35 mil, com no mínimo 125 m² de área e frente mínima de 5 metros. As loteadoras poderão inscrever até 50% dos terrenos de um mesmo empreendimento. Dessa forma, os locais vão contar com integração de diversas faixas de renda. Os municípios participantes terão de oferecer incentivos fiscais para a implantação do empreendimento e agilizar os licenciamentos. 
 
O subsídio será de 90% do valor dos terrenos para as famílias com renda de um salário mínimo (R$ 880). Para as famílias com renda de cinco salários mínimos (R$ 4,4 mil), o subsídio será de 10%. O restante do valor dos lotes será financiado pela CDHU, com prazo de até sete anos.
 
Desta forma, os beneficiados, que não podem ter sido atendidos anteriormente em outro programa habitacional, poderão construir suas casas com recursos próprios ou com financiamento. A Secretaria da Habitação também vai oferecer plantas de diversos tamanhos de moradias, como uma casa de 43 m² com um dormitório ou um sobrado de 109 m² com três dormitórios e comércio, e também a lista de materiais necessários para a construção. 
 
Os sites da Secretaria de Estado da Habitação (habitacao.sp.gov.br) e da CDHU (cdhu.sp.gov.br) contam com uma seção dedicada ao Programa de Lotes, em que há um passo a passo para que as empresas loteadoras localizem os editais da iniciativa para cada uma das regiões do Estado e, ainda, todos os detalhes para que possam se inscrever. 
Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar