Quinta-Feira, 9 de Julho de 2020

Diário de Sorocaba





Leia a edição impressa na íntegra


Clique aqui para acessar a edição do dia
buscar

<< ECONOMIA SPC aponta que inadimplência está caindo Cidade conta com 10,15% inadimplentes. Em um mês, o número de negativados caiu exatos 985, representando redução de 1,17%

Publicada em 17/09/2016 às 07:16
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR

(Arquivo DS Fernando Rezende)
O número de inadimplentes em Sorocaba continua caindo, de acordo com a Associação Comercial local. Em julho, os negativados pelo Serviço Central de Proteção ao Crédito (SPC) era de 84.454, já no mês posterior, agora em agosto, este número caiu para 83.469, representando uma redução de 1,17%. Em uma comparação com o ano passado, quando a lista do SPC apresentava 92.899 inadimplentes, a queda se apresenta mais acentuada, em um percentual de 10,15%.
 
Outro dado que chama atenção é a queda no número de registros negativados: de 189.121 em julho para 186.510 em agosto. Em uma comparação de agosto deste ano com o mesmo período do ano passado, quando contava com 207.539 registros, a redução foi de 10,13%. O valor da dívida cadastrada no SPC, da Associação Comercial de Sorocaba, subiu, porém, de R$ 67.853.235,91 em julho para R$ 68.595.850,88 em agosto.
 
Segundo o presidente da Associação Comercial, José Alberto Cépil, os dados desta análise são baseados nas empresas associadas e a queda no número de inadimplentes é reflexo do aumento da confiança do consumidor, que passa a quitar suas dívidas evitando o crescimento dos valores pelos juros que são atualizados diariamente, além dos consumidores estarem se preparando para voltar a consumir com a proximidade das festas natalinas e de final do ano, “o que pode ser um bom indicativo de melhoria da economia também em Sorocaba”.
 
DESACELERAÇÃO DO PIB – Para o analista financeiro Fabrício de Miranda, da Esamc Júnior, empresa parceira da Associação Comercial, outro motivo apontado para a queda da inadimplência neste período no Município é a previsão da desaceleração da queda do PIB neste ano, pós-impeachment e que, de acordo com o Fundo Monetário Internacional (FMI), antes tinha prevista uma queda de -3,8% no ano, mas atualmente prevê uma queda de -3,3% em 2016. “A tendência de melhora na economia como um todo traz melhores expectativas para os consumidores, que buscam acerto de suas pendências”, afirma.
 
Outro fator importante a ser levado em conta, podendo explicar essa redução no número de inadimplentes, é o aumento de demissões. “Com o aumento do número de pessoas que recebem o FGTS, a tendência é que elas busquem acertar suas contas, evitando piorar a situação financeira no futuro”, acrescenta Miranda. “Já o valor da composição da dívida vem aumentando em relação aos últimos meses devido à correção do seu valor, de acordo com o aumento da inflação”, avalia o técnico.
Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar