Sábado, 6 de Junho de 2020

Diário de Sorocaba





Leia a edição impressa na íntegra


Clique aqui para acessar a edição do dia
buscar

<< SOROCABA 'APAGÃO DE JUNHO' - Engenheiros discutem amanhã medidas para evitar o caos

Publicada em 19/07/2016 às 05:56
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR

 
O estágio atual de conquistas tecnológicas e qualidade de vida se revela ainda incapaz de prever o `imprevisto´, isto é, garantir condições mínimas de atendimento de emergência em caso de acidente ou incidente, para dar à população uma relativa tranquilidade para administrar o momento de crise.  Foi o que ocorreu no dia 6 de junho, quando a queda de torres em sequência na linha de transmissão de energia elétrica provocou um `apagão´ de quase 12 horas, atingindo mais de um milhão de pessoas em 19 cidades da região de Sorocaba. Num instante, como se estivéssemos ligados por um fim a uma tomada, voltou-se de uma condição de alta tecnologia para um estágio primitivo e obscuro de vida: sem luz, sem telefonia, problemas no abastecimento de água,  trânsito caótico pelo não funcionamento dos semáforos e o que é pior: sem qualquer informação imediata sobre o que estava de fato ocorrendo, porque os veículos de comunicação eletrônica ficaram fora do ar.
 
Para debater e apontar possíveis soluções para esses problemas, a Associação dos Engenheiros e Arquitetos de Sorocaba realiza nesta quarta-feira, dia 20, das 19 às 21 horas, em seu auditório, na rua Piauí, 81, no bairro de Santa Terezinha, o Fórum Mitigação dos Efeitos do Apagão. O evento é público e nele estarão presentes técnicos das concessionárias de energia elétrica e telefonia, além de representantes do setor de trânsito da cidade e de outras instituições envolvidas. A ideia é que do encontro saia alguma `luz´, alguma perspectiva para a criação de formas de combater, de forma imediata, os efeitos do apagão. “A comunidade precisa debater o assunto, buscar junto aos técnicos saídas para que um problema como o apagão tenha soluções alternativas planejadas, de forma que a população, pelo menos, tenha os impactos mitigados ou reduzidos”, comenta o presidente da AEAS, José Carlos Carneiro. “Nossa Associação toma esta iniciativa com a intenção de criar um fórum de debate permanente sobre assuntos de vital importância para a sociedade, sempre com perspectivas voltadas para a prática”, acrescenta ele.
 
 
Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar