Quarta-Feira, 26 de Junho de 2019

Diário de Sorocaba

buscar

<< SAÚDE CVV pede à Câmara campanha de prevenção ao suicídio

Publicada em 12/07/2016 às 06:23
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR

A Câmara Municipal vota em primeira discussão, também na sessão desta terça-feira (12), a instituição da Campanha Municipal de Prevenção ao Suicídio “Setembro Amarelo”. O vereador Francisco Moko Yabiku (PSDB) apresentou o projeto por solicitação da diretoria do Centro de Valorização da Vida (CVV) e este prevê, no “Setembro Amarelo” o desenvolvimento de ações de conscientização anualmente ao longo de todo mês. Segundo Yabiku, o suicídio também deve ser visto como assunto de Saúde Pública, em razão do constante crescimento no índice de transtornos de ordem psiquiátrica e psicológica na população, independentemente de faixa etária, sexo, classe socioeconômica ou nível de escolaridade. “Da mesma forma que os cânceres de mama e próstata ou/e as DSTs/Aids, entre outras doenças que são prevenidas por campanhas permanentes, com esclarecimento, o suicídio também poderá ser”, acredita o vereador.
 
Conforme a Organização Mundial da Saúde (OMS), a taxa de suicídios cresceu em cerca de 60% nas últimas cinco décadas. A cada ano, cerca de 1 milhão de pessoas tira a própria vida, o equivalente a uma morte a cada 40 segundos em todo mundo. No Brasil, é registrado um suicídio por hora, uma média de 4,9 por 100 mil habitantes, e a campanha “Setembro Amarelo”, que existe em diversos países, também já foi instituída em algumas cidades, como o Rio Janeiro, Americana (SP) e Boa Vista (RR), além de contar com o apoio do Ministério da Saúde. No ano passado, o Cristo Redentor e o Congresso Nacional foram iluminados de amarelo durante a data, celebrada a 10 de setembro. 
 
QUEBRAR TABUS - A preocupação a fim de evitar casos de suicídio motiva o trabalho de diversas entidades sociais e organizações não governamentais ao redor do mundo, como o CVV no Brasil. Criada em 1962, a instituição possui cerca 2 mil voluntários, que atuam 24 horas por dia em cerca de 70 postos em todo o País.  Em Sorocaba, o CVV atua desde 1983 e conta hoje com 65 voluntários, responsáveis por prestar durante o ano todo, 24 horas por dia, cerca de 1.500 atendimentos mensais presenciais (rua Dr. Nogueira Martins, 334, no Centro), por meio de telefone (188 e 141), carta e Internet, pelo www.cvv.org.br. (e-mail, chat e Skype). A entidade é mantida pela Associação Sorocabana de Apoio a Vida (Asav) e atende não só a cidadãos de Sorocaba e região, mas de todo o Brasil. 
 
De acordo com o presidente da Asav, Eduardo Bonilha, pessoas com intuito de tirar a própria vida estão entre os casos mais comuns atendidos pelo CVV. “Felizmente, muitos deles conseguem evitados por meio do diálogo com os voluntários, motivando inclusive mensagens e depoimentos públicos em agradecimento”, conta ele. “O suicídio é visto como tabu pela sociedade: todo mundo evita tocar no assunto. Porém, como em qualquer doença, a informação é o melhor caminho para a prevenção”, acredita. 
 
Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar