Sexta-Feira, 19 de Julho de 2019

Diário de Sorocaba





Leia a edição impressa na íntegra


Clique aqui para acessar a edição do dia
buscar

<< POLÍTICA Partidos punem deputados que não seguiram orientação

Publicada em 19/04/2016 às 06:58
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR

Um dia após a Câmara aprovar a admissibilidade do "impeachment", partidos começaram a punir os deputados que não seguiram a orientação do comando da legenda. Nesta saegunda-feira, 18, PP e PDT anunciaram punições como destituição da presidência de diretórios estaduais e a abertura de processo de expulsão. Após se abster de votar, ajudando indiretamente o governo Dilma, o deputado federal Beto Salame foi destituído do comando do PP no Pará pela direção nacional do partido. Segundo o presidente do PP, senador Ciro Nogueira (PI), Salame já tinha sido avisado de que, se contrariasse o fechamento de questão da sigla a favor do impeachment, seria destituído do comando estadual da legenda
 
Na votação do "impeachment", dos 45 deputados do PP, 38 votaram a favor do impeachment, 4 contra e 3 se abstiveram. Dos votos favoráveis ao governo, quatro foram dados por deputados da Bahia Dois votaram contra (Roberto Britto e Ronaldo Carletto) e dois se abstiveram (Cacá Leão e Mário Negromonte Júnior). Eles votaram a favor do governo, alegando ter uma aliança regional com o governador da Bahia, Rui Costa, do PT. O vice-governador baiano, João Leão, é presidente estadual do PP. A bancada pede ainda a expulsão do partido do deputado Macedo (CE), que também votou contra o impeachment. Aliado do governador Camilo Santana (PT), o parlamentar teve um aliado seu indicado recentemente para a diretoria-geral Departamento Nacional de Obras contra a Seca (DNOCS).
 
O PDT, por sua vez, autorizou ontem a abertura de processo de expulsão dos seis deputados do partido que votaram a favor do "impeachment", contrariando a decisão da legenda de fechar questão contra o impedimento da petista. Os processos foram abertos contra os deputados Flávia Morais (GO), Giovani Cherini (RS), Hissa Abrahão (AM), Mário Heringer (MG), Sérgio Vidigal (ES) e Subtenente Gonzaga (MG). Apesar de o partido ter fechado questão contra o impeachment, só 13 dos 19 deputados do PDT votaram com o governo ontem.
 
‘Expulsão política’
 
Os seis dissidentes já tiveram a "expulsão política" aprovada pela direção do partido. Segundo o presidente do PDT, Carlos Lupi, a partir de agora, a comissão de ética do partido vai começar seu processo e elaborar um parecer. O dirigente diz não estar preocupado em perder seis deputados. "Você não perde aquilo que não é teu", disse. "A gente aparenta perder, mas com o tempo ganha. Ontem, todos que comemoraram a derrota da presidente Dilma serão amanhã os grandes derrotados."
 
Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar