Sexta-Feira, 5 de Junho de 2020

Diário de Sorocaba





Leia a edição impressa na íntegra


Clique aqui para acessar a edição do dia
buscar

<< Crianças participam de passeata contra o mosquito Aedes aegypti

Publicada em 05/03/2016 às 08:28
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR

(Fernando Rezende)
Cerca de 50 alunos, entre quatro e cinco anos, do CEI 50 “Profº Alípio Guerra da Cunha”, localizado no Jardim Ipiranga, participaram de uma ação junto aos pais e funcionários para conscientizar a população quanto ao combate do mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, zika e chicungunha.
 
O projeto contou com o apoio do programa “Escola Saudável”, Guarda Civil Municipal, Serviço Social da Indústria (Sesi) e Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai). Segundo o diretor do CEI 50, Edimilson Ferreira, essa passeata teve o objetivo de valorizar a primeira infância. “É um projeto que a gente tem feito desde o começo do ano, em que as professoras trabalharam a questão da dengue em sala de aula, as crianças estão superafiadas.” Ele ressaltou que a ideia de se fazer a passeata surgiu da própria comunidade, na tentativa de valorizar as crianças para essa ação. 
 
Já os alunos entre três e quatro anos não saíram para a marcha, porém já estão conscientes da importância de combater o mosquito. Isabela Vitória Lima Tellini, 4 anos, destacou seu conhecimento sobre o Aedes. “Somos pequenos, mas vamos combater a dengue. Isso é importante porque o mosquito da dengue pica e faz uma bolinha na gente. Não pode deixar água parada porque dá bichinho e nasce outro mosquito, aí tem de ficar internado”, explica.
 
A free lancer, Gislene Pereira, mãe de Elyzeu Pereira, 5 anos, também participou da passeata e afirmou que seu filho quer acabar com o mosquito dentro de casa. “Ele já chega em casa querendo virar as garrafas. Moro em apartamento, mas, pelo conhecimento deles, é um projeto muito bom, porque qualquer água parada ele fala que não pode. É uma coisa muito boa. Ele está fazendo tudo certinho em casa.”
 
O diretor do Senai, Jocilei Oliveira, que também esteve na marcha, frisou a importância de a criança ainda ser pura, já que é um momento em que diversas doenças estão ocorrendo no País. “Como educador, acredito que o trabalho mais importante que se faz hoje, principalmente quando se fala de educar para a cidadania, é trabalhar a criança. Entendo que é o momento mais importante que existe para você dar noções de cidadania, de ética e respeito, porque a criança está pura; ou seja, ela ainda não está contaminada por tanta coisa ruim que tem neste País; é um momento de fortalecer principalmente esse lado emocional e fazer com que a garotada tenha alguma coisa contra o que vai existir no futuro”, afirmou. 
 
A passeata teve início na Rua dos Itaporanguenses e chegou ao fim na Santo Micheletti, voltando ao ponto de partida. A marcha durou aproximadamente 15 minutos, com gritos de “xô e fora, dengue”.
 
Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar