Sábado, 6 de Junho de 2020

Diário de Sorocaba





Leia a edição impressa na íntegra


Clique aqui para acessar a edição do dia
buscar

<< Nova unidade Bom Prato é estudada para a Cidade, mas sem data para construção Declaração do secretário-adjunto de Estado de Desenvolvimento Social, Felipe Sigollo, deu-se durante comemoração de dez anos do restaurante do Bairro Vergueiro

Publicada em 27/02/2016 às 06:40
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR

(Fernando Rezende)
O secretário-adjunto de Estado de Desenvolvimento Social, Felipe Sigollo, disse nesta sexta-feira (26) que há a possibilidade de se construir uma nova unidade do Restaurante Bom Prato na cidade, porém ele não arriscou dar prazo para início de instalação. “Tem de ter um estudo de demanda, da viabilidade, do local adequado”, afirmou destacando que a zona norte é uma região que poderia receber a iniciativa. 
 
A afirmação do secretário deu-se durante as comemorações dos dez anos do restaurante, situado na Rua dos Andradas, no Bairro Vergueiro, e gerenciado pelo Centro Social “São Camilo”, da Paróquia São Lucas. Ele disse, ainda, que, no ano passado, o governador Geraldo Alckmin aprovou o Fundo de Combate à Pobreza, que vai dispor de mais recurso para a área social do governo, que poderá ser destinado à construção de mais unidades do Bom Prato no Estado. A tendência, segundo ele, é de levar esses restaurantes populares para locais mais próximos de centros de saúde. 
 
Um novo restaurante seria fundamental para as populações que moram em regiões mais distantes da que frequentam na unidade próxima ao CHS. “Tem muita gente que vem de outras partes do município só para comer aqui”, contou Maria Inês da Costa, presidente do Centro Social “São Camilo”, afirmando que uma unidade na zona norte seria ideal para atender a esse público, que, muitas vezes, gasta com o passe para comer no Bom Prato do Vergueiro.
 
ALMOÇO - Com almoço especial e a presença de autoridades, o restaurante comemorou seus dez anos de existência em Sorocaba. Com o custo de R$ 1, os clientes almoçaram um cardápio composto de arroz, feijão, salada, suco, estrogonofe de frango, batata-palha, pão e bolo de chocolate coberto com creme. A unidade passou pela primeira década de funcionamento, somando um investimento do Estado de mais de R$ 8 milhões, no custeio das 3.179.886 milhões de refeições servidas, entre café da manhã e almoço, e da infraestrutura do local. 
Sigollo destacou que a qualidade do almoço servido é a maior preocupação e chamariz da rede Bom Prato, que, neste ano, para manter sem reajuste o mesmo preço desde 2006, recebe do governo estadual o subsídio de R$ 3,80 por refeição para adultos e R$ 4,81, para crianças com até 6 anos, que recebem a refeição gratuita. “A gente aumenta o subsídio para poder manter a qualidade.”
 
Presidente do Centro Social “São Camilo”, Maria Inês destaca que o aniversário do restaurante popular é muito importante para as pessoas de baixa renda que almoçam no Bom Prato. “Para muita gente, essa é a única refeição do dia.” Para a vice-prefeita, Edith Di Giorgi, que também almoçou no local, a iniciativa é um exemplo de produção de refeição a baixo custo, mas com qualidade de alimentos. “Por R$ 1 você come e come bem. É fundamental a localização, pois atende não só aos sorocabanos, como também a pessoas que vêm ao Conjunto Hospitalar.”
 
Com 22 anos de profissão, dos quais dois completados no Bom Prato, a nutricionista da unidade, Elda Marise dos Santos, emociona-se ao contar seu dia a dia na unidade. “É uma grande conquista porque é um trabalho muito bonito”, salientou, ao dizer que se sente realizada profissionalmente no restaurante. “De tudo que eu fiz como nutricionista, o trabalho mais gratificante foi aqui.” 
Cliente do Bom Prato há pelo menos cinco anos, a dona de casa Maria Jenilda Rodrigues Santos, 62 anos, conta que começou a frequentar a unidade desde a época em que precisou fazer um tratamento de câncer no Conjunto Hospitalar de Sorocaba. “Muito boa a comida, muito bem-servida”, enfatizou a cliente, que mora em São Miguel Arcanjo (SP) e, quando vem à cidade, mensalmente, não deixa de almoçar no restaurante.
 
Já Mário da Silva, 70 anos, desloca-se diariamente do bairro de George Oeterer, em Iperó, exclusivamente para frequentar o restaurante. “Vim cedo para tomar o café, agora almoço e depois eu retorno para casa.” Ele afirmou frequentar a unidade desde quando foi inaugurada, em 2006. “Aqui pra nós é muito importante.”
Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar