Sábado, 6 de Junho de 2020

Diário de Sorocaba





Leia a edição impressa na íntegra


Clique aqui para acessar a edição do dia
buscar

<< Homem que esfaqueou cachorro deve prestar depoimento hoje

Publicada em 26/02/2016 às 06:35
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR

(Fernando Rezende)
O homem acusado de ter esfaqueado um cachorro no Parque Campolim dá depoimento hoje à Polícia Civil. O fato, que gerou comoção pela crueldade contra o animal, foi praticado na semana passada. O depoimento deveria ter ocorrido ontem, mas o advogado afirmou que o homem estava passando por alguns problemas de saúde e pediu o adiamento. Tudo teria acontecido porque o cachorro teria matado o gato da filha do homem.
 
Um boletim de ocorrência foi registrado na Polícia Civil e o suspeito pode responder a crime de maus-tratos. A assistente-administrativa, Mariana Almeida da Silva, achou o cachorro ferido e lhe deu o nome de Vitório. Ela é uma das testemunhas e disse ter visto quando o homem agrediu o cão. 
 
A ativista Kerley Cristina Ferreira, amiga de Mariana, prestou socorros veterinários para o cachorro. Vitório passou por cirurgia e foi acolhido pela família de Alexandra Vargas, que mora na região do Bairro do Éden. O caso está sob responsabilidade do 3º Distrito Policial de Sorocaba.
 
 
Veneno: chumbinho dentro de salsichas 
 
A atitude da assistente-administrativa, Mariana Almeida da Silva, em auxiliar o cão foi propositiva, mas em certas situações outros fatores devem ser considerados. Temendo represálias de bandidos, uma moça de 23 anos, que teve seus cachorros envenenados, evitou procurar a polícia para denunciar o caso. Ela mora em bairro na zona oeste da cidade e, no sábado passado, encontrou seus dois cachorros - um de 1 ano e meio e outro de 8 meses - envenenados. Eles comeram salsichas com chumbinho dentro. Levados a tempo para uma clínica veterinária, os dois animais foram salvos.
 
De acordo com o delegado Carlos Lourenço Pereira de Souza, um dos responsáveis pela Delegacia de Proteção aos Animais, é importante fazer a denúncia nem que seja pelo telefone 181, o Disque-Denúncia. "Sem ao menos alguma notificação, fica difícil fazer alguma coisa", explica.
 
O uso de possíveis imagens e o laudo veterinário dos animais agredidos devem ser sempre o foco quando ocorrer a denúncia para dar força a elas, explica o delegado Lourenço. "A pena por maus-tratos aos animais pode ser de 1 a 3 anos de prisão. Animais sem água, sem comida, tudo isso pode e deve ser denunciado. Quanto mais imagens, e testemunhas, por exemplo, é melhor.” 
 
Um bom exemplo que não é de responsabilidade da polícia, é o de uma mulher que apareceu na delegacia afirmando que um cachorro de seu vizinho não tinha o pelo bem escovado.
 
A delegacia atende a mais de 50% de casos com cachorros e gatos, mas outras ocorrências também, como zoofilia, por exemplo. A Delegacia de Proteção contra os Animais situa-se na Avenida Nogueira Padilha, 2.127, na Vila Hortência; o telefone é o 3227-6206.
 
Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar