Quarta-Feira, 3 de Junho de 2020

Diário de Sorocaba





Leia a edição impressa na íntegra


Clique aqui para acessar a edição do dia
buscar

<< Prefeitura de Tatuí assume administração da Santa Casa Requisição aconteceu de maneira amigável. Conselho gestor já iniciou sua atuação

Publicada em 02/02/2016 às 05:20
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR

(AI/PMT)

A Santa Casa de Misericórdia de Tatuí passou a ser administrada diretamente pela Prefeitura local desde quinta-feira (28). A decisão aconteceu após o agravamento da situação administrativa e financeira do hospital, que culminou com nova greve dos funcionários que não receberam a última parcela do décimo-terceiro salário, que deveria ser depositada na segunda-feira (25), um dia antes.

Desde às 8 horas de quarta-feira, o prefeito José Manoel Corrêa Coelho, o `Manu´, esteve reunido à portas fechadas com a provedora da Santa Casa, Nanete Walti de Lima, com o secretário municipal da Saúde, Umberto Fanganiello Filho, Tuta, e com profissionais da área técnica das secretarias de Saúde, Finanças e Planejamento. Às 13 horas, Manu assinou o decreto 16.655, requisitando a administração plena do hospital. O documento estabelece situação de emergência no Sistema Municipal de Saúde, requisitando bens, equipamentos, serviços móveis e utensílios pertencentes à Santa Casa. Uma hora depois, em reunião na própria Santa Casa, Nanete anunciou o afastamento, pelo prazo de um ano, da Provedoria - deixando oficialmente o comando do hospital. “A decisão foi tomada em conjunto, de maneira amigável, harmoniosa e consensual. Temos muitas dificuldades e um déficit mensal que chega a R$ 650 mil”, explicou.  

Mas a requisição já vinha sendo estudada há algum tempo, desde que a Prefeitura tatuiana optou por participar efetivamente da administração da Santa Casa, a partir de uma gestão compartilhada envolvendo a São Bento Saúde, empresa especializada no diagnóstico e condução de hospitais filantrópicos. Na semana passada, o frei Bento Aguiar encaminhou um documento ao próprio prefeito Manu, no qual apresentou um diagnóstico completo da situação administrativa da Santa Casa, a partir do trabalho dos últimos seis meses, recomendando que a Prefeitura assumisse definitivamente a gestão do hospital.   

O decreto define também a nomeação de um conselho de gestão, composto por três funcionários públicos indicados pela própria Prefeitura. São eles Sandra Santos, diretora de Saúde do Município, na função de gestora geral; Fabiana Freitas, diretora de Recursos Humanos, como gestora administrativa, e Jefferson de Biagi Candido Silva, técnico do setor de contabilidade, que atuará como gestor financeiro.   

NOVO DESAFIO – O prefeito Manu tratou a questão como um novo desafio em sua gestão. “Nos momentos de maior dificuldade, é preciso arregaçar as mangas e assumir o desafio. Foi assim em todos os momentos da minha vida, será assim novamente. A superação é a marca do povo tatuiano. Ainda mais quando o assunto é a nossa Santa Casa, o único hospital público da cidade. Peço o apoio e a colaboração para juntos vencermos essa batalha”, asseverou.

O prefeito lembrou também, por outro lado, que a Santa Casa deverá trabalhar com o recurso já previsto em orçamento. Em 2015, a entidade recebeu o maior aporte de recursos da história, R$ 20 milhões: R$ 7.151.931,79 relativos à subvenção dos plantões médicos, custeio e contrapartida municipal da contratualização do SUS (Sistema Único de Saúde) e R$ 4.978.481,78 para subvenção do Pronto-Socorro Municipal, que é a porta de entrada do hospital, mais R$ 7.742.955,25 de recursos originários do SUS também.

Os repasses exclusivos dos cofres municipais vêm crescendo progressivamente, ano a ano, na atual gestão, aliás. Em 2012, foram apenas R$ 3,8 milhões; em 2013, R$ 4,2 milhões; em 2014, R$ 5,5 milhões e, em 2015, R$ 12,1 milhões: R$ 7.151.931,79 diretamente empregados no hospital, mais R$ 4.978.481,78 para o PS. Só em termos de subvenção e contrapartidas municipais, o aumento foi de 86,8% em apenas três anos. “De fato. Em 2012, o repasse municipal chegava a R$ 3,8 milhões, enquanto o federal R$ 7,4 milhões, 30% e 70% respectivamente. Só no primeiro semestre de 2015, a Prefeitura repassou R$ 6 milhões e o SUS R$ 4,2 milhões, invertendo o subsídio para 60% e 40%. Precisamos encontrar mecanismos para otimizar esse recurso e conseguir novas receitas, a partir de convênios médicos, por exemplo”, finalizou Manu. AI

Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar