Sábado, 25 de Maio de 2019 ASSINE O DIÁRIO 15.3224.4123

Diário de Sorocaba

buscar

<< Merendeiras protestam contra atraso de salário Funcionárias prometem acampar em frente à Prefeitura caso a situação não se regularize

Publicada em 29/01/2016 às 00:51
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR

(Júlia Noronha)
Um grupo de merendeiras, que trabalham para a ERJ Administração e Restaurantes de Empresas, protestou na manhã desta quinta-feira (28), em frente à Prefeitura, no alto da Boa Vista. Elas reclamam da falta de pagamento do salário deste mês e de outros atrasos. Conforme as funcionárias, a primeira parcela teria de ser paga no dia 20. Elas também afirmaram que tiveram o convênio médico cortado. 
 
Com um carro de som, as trabalhadoras alegaram que não sairiam da frente do prédio do Paço Municipal enquanto não resolvesse a situação. “Vamos ficar aqui até alguém dar uma posição. Hoje era o dia da licitação e não sabemos qual será nosso destino”, disse a merendeira Andréia Marques da Silva. O receio das funcionárias é de que a ERJ continue prestando o serviço, já que a licitação para escolha de nova empresa foi impugnada. 
 
Para tratar da questão, integrantes do Sindicato dos Trabalhadores em Refeições de Sorocaba e Região, merendeiras, o vereador Carlos Leite (PT), o secretário de Negócios Jurídicos, Maurício Jorge de Freitas, e funcionárias ligadas à Secretaria de Educação, reuniram-se. No encontro, o titular da pasta refutou a hipótese de a ERJ continuar prestando serviços para a Prefeitura. 
 
A licitação foi impugnada pelo pedido de sete empresas concorrentes. A ERJ negava que fosse uma delas e disse que, como está em recuperação judicial, não poderia concorrer. Porém, na reunião, informou que pretende dar continuidade ao contrato da merenda na cidade. Para isso, espera que a Prefeitura assine repactuação de prestação de serviços, aumentando, assim, o valor pago pela merenda e reequilibrando as contas da empresa.
 
De acordo com o presidente da empresa, Simon Bueno, essa repactuação já estaria assinada pelos representantes da empresa, só esperando o visto do Município. “Está na mesa do secretário Roberto Juliano.” Ainda segundo Bueno, a empresa apenas encontra-se em situação financeira crítica porque as prefeituras, para as quais presta serviço, entre elas Sorocaba, recusaram-se a fazer repactuações de contratos de anos anteriores. 
 
ACAMPAMENTO – Depois das reuniões, o Sindicato fez uma votação com as merendeiras, em que ficou decidida a permanência de um acampamento em frente à Prefeitura, a partir de segunda-feira, 1º de fevereiro, até que a situação de merenda se resolva na cidade. Elas terão apoio da Central Única dos Trabalhadores, com alimentação e banheiros químicos. 
 
Por meio de nota, a ERJ afirmou não ser o salário que se encontra atrasado, mas, sim, o adiantamento, já que o depósito de janeiro vence em fevereiro e será pago na data correta. Disse, ainda, que o adiantamento virá junto com o salário e alegou que essa situação ocorre devido à crise no País. “Temos muitos clientes que não pagam ou pagam com atraso e, infelizmente, isso acaba afetando nossos colaboradores.” 
 
Por sua vez, a Prefeitura, na terça-feira (26), já havia informado que adotaria as medidas necessárias para que a situação das merendeiras fosse regularizada o quanto antes. Adiantou também, em relação à greve das funcionárias, que estava em seu terceiro dia ontem, que as aulas apenas voltam no dia 11 de fevereiro. 
Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar