Quarta-Feira, 21 de Agosto de 2019

Diário de Sorocaba





Leia a edição impressa na íntegra


Clique aqui para acessar a edição do dia
buscar

<< Disputa na Cidade iguala-se a outros municípios do Interior Em Sorocaba, as eleições deste ano podem reeditar 2012

Publicada em 07/01/2016 às 02:28
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR

(Fernando Rezende)
Em Sorocaba, o cenário da disputa eleitoral deste ano não será diferente do que ocorre nos principais municípios do interior do Estado de São Paulo, com disputa entre ex-prefeitos e os atuais detentores do cargo. Nos casos em que não haverá a possibilidade de reeleição, os políticos tradicionais devem ficar no comando. 
 
No município, a concorrência pode reeditar o ano 2012 e ter o atual prefeito, Antônio Carlos Pannunzio (PSDB), contra o ex-prefeito, Renato Amary (PMDB). A única mudança seria se o tucano desistisse da reeleição, como tem declarado nos últimos meses, alegando pressão familiar e problemas de saúde. 
 
Caso isso ocorra, o deputado federal e também ex-prefeito, Vitor Lippi (PSDB), seria o nome do PSDB. Na tentativa de encerrar a alternância de nomes tradicionais, a surpresa seria o deputado estadual Raul Marcelo (Psol).
 
Ainda de acordo com levantamento da Agência Estado, divulgado nesta quarta-feira (6), Campinas, com mais de 1,1 milhão de habitantes, tem o prefeito Jonas Donizett (PSB) como candidato à reeleição e deve ter um tucano como vice, que pode não ser o atual vice-prefeito, Henrique Magalhães Teixeira (PSDB).
 
Na disputa com Donizette, o economista Márcio Pochmann pode ser o nome do PT, reeditando o embate com o atual prefeito, que chegou a ir para o segundo turno em 2012. Fora ele, o vereador Arthur Orsi (PSDB), filho do ex-prefeito Edivaldo Orsi, morto em 2002, é cobiçado pelo PSD. 
 
Também devem ser candidatos, o ex-prefeito Pedro Serafim (PRB) e até mesmo Hélio de Oliveira Santos (PDT), prefeito cassado pela Câmara em agosto de 2011 por suspeitas de corrupção. Santos reassumiu o comando do PDT no município e já deu sinais de que vai encarar a eleição. 
 
Em São José dos Campos, a disputa deve novamente ser polarizada entre PT e PSDB. O atual prefeito, Carlinhos Almeida (PT), tentará a reeleição e deverá enfrentar o ex-prefeito tucano por dois mandatos, Emanuel Fernandes (1997-2004). 
 
A eleição em Ribeirão Preto, terceira maior cidade do interior, deverá ser marcada pela tentativa do atual secretário de Logística e Transportes do Estado de São Paulo, deputado federal Duarte Nogueira (PSDB), de quebrar um tabu. Nas três vezes em que tentou ser prefeito do município, foi derrotado. 
 
Favorito, Nogueira terá como adversário políticos tradicionais na cidade, porém nenhum ex-prefeito ou nome conhecido nacionalmente. Os possíveis candidatos são os vereadores Ricardo Silva (PDT) e Samuel Zanferdini, do PMDB, mas que deve deixar o partido antes de março, a convite do PSD.
 
O presidente do PMDB do Estado e deputado federal, Baleia Rossi, tem base eleitoral na cidade, mas afirma que não vai disputar a eleição. “Temos bons nomes, como o do professor da USP e ex-vereador, Paulo Saguy, e até mesmo o deputado estadual Léo Oliveira.” Já o PT cogita o nome do jornalista Galeno Amorim. 
 
Sem a possibilidade de reeleição de Valdomiro Lopes (PSB), políticos tradicionais devem disputar a Prefeitura de São José do Rio Preto. O ex-prefeito, ex-ministro e deputado federal, Edinho Araújo (PMDB), é nome certo para a disputa, segundo Baleia Rossi. 
 
Também podem concorrer estes três deputados estaduais: Rodrigo Garcia (DEM), atualmente licenciado por ser secretário de Habitação do Estado de São Paulo, Vaz de Lima (PSDB), e João Paulo Rillo (PT). 
 
Já em Jundiaí, o prefeito Pedro Bigardi (PCdoB) terá como principal adversário um tucano que virá da disputa interna. Os nomes do PSDB são o deputado estadual Luiz Fernando Machado, derrotado por Bigardi em 2012, o deputado federal e ex-prefeito, Miguel Hadda, e ainda o também ex-prefeito, André Benassi. 
 
 
Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar