Terça-Feira, 20 de Agosto de 2019

Diário de Sorocaba





Leia a edição impressa na íntegra


Clique aqui para acessar a edição do dia
buscar

<< FIM DA REORGANIZAÇÃO: Diretoria Regional de Ensino liberada

Publicada em 08/12/2015 às 03:08
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR

Após 14 dias na Escola Estadual "Antônio Padilha", estudantes decidiram que chegou ao fim a ocupação também ontem (Fernando Rezende)
Os manifestantes que ocupavam o prédio onde funciona a Diretoria Regional de Ensino de Ensino, o antigo Grupo Escolar "Antônio Padilha", na rua Cesário Motta, no Centro, desde o dia 18 de novembro, prometiam deixar ainda na noite desta segunda-feira (7) a Unidade. A decisão ocorreu por meio de uma assembleia. Ao longo do dia, os estudantes se mobilizaram para fazer a limpeza do local antes de deixarem o prédio. De acordo com um dos manifestantes, que preferiu não ter sua identidade revelada, cerca de 20 pessoas fizeram um mutirão de limpeza. "Aqui é um Patrimônio Histórico Estadual, temos que limpar”, acrescentou.
 
A Escola Estadual "Antônio Padilha", ao lado, no início da rua Professor Toledo, também foi desocupada nesta segunda-feira. Segundo o estudante Murilo Nascimento, foi decidido deixar o prédio após o horário de almoço, mas até o fim da tarde o prédio ainda não estava liberado. "A gente teve um tempo para arrumar, organizar e tudo mais. É um processo longo", disse.
 
Manifestantes que mostravam apoio aos estudantes em barracas montadas na rua Coronel José Loureiro, liberaram a passagem também, pois para eles foi mais desgastante ocupar o lado de fora, segundo Murilo.
 
Ao todo em Sorocaba, foram 21 escolas ocupadas por estudantes, que eram contra a reorganização escolar. Até o final da tarde de ontem, apenas a Escola Estadual "Monsenhor João Soares", localizada no bairro de Santa Terezinha, e a "Senador Vergueiro", na Vila Hortência, continuavam ocupadas.
 

CPI da `Desorganização Escolar'
fará nova audiência na sexta
 
Destacando compromisso com transparência e compromissos, o vereador José Antônio Caldini Crespo DEM), como presidente do que convencionou chamar de CPI da "Desorganização Escolar", informou ontem à tarde que estava convocando tanto o secretário municipal da Educação, professor Flaviano Agostinho de Lima, como o dirigente regional de Ensino, professor Marco Aurélio Bugni, para que compareçam a uma nova Audiência Pública na próxima sexta-feira, dia 11, a partir das 10 horas, no Plenário da Câmara, no Parque da Boa Vista. E justificou a convocação pela recente decisão do governador Geraldo Alckmin de suspender temporariamente a reorganização escolar do Estado e que tanta celeuma vem causando desde setembro. 
 
Para esse importante momento, estão sendo convidados todos os professores, estudantes e famílias, principalmente os ligados às escolas municipais do nível Médio (Matheus Maylasky, Flávio Nogueira, Dr. Getúlio Vargas, Leonor Pinto Tomaz e Dr. Achilles de Almeida). "Temos que exigir o esclarecimento total das intenções dos governos estadual e municipal, para que possamos desmobilizar o processo de defesa popular e nos prepararmos para o debate em bases democráticas durante 2016, para produzir efeitos somente a partir de 2017", afirmou Crespo.
 
"Sabe-se que diante da inconsistência da sua proposta, das reações geradas no meio estudantil e familiar, das sentenças judiciais contrárias que estavam se avolumando e principalmente em razão do vertiginoso aumento da rejeição política ao seu nome, o governador Geraldo Alckmin, no último sábado, publicou o decreto 61.692/15, cancelando todo o processo estadual da `reorganização escolar' para 2016. Ele ainda pretende fazer alterações em ciclos e prédios escolares, mas agora, finalmente, cedeu ao bom senso e vai abrir o diálogo popular e formatar uma nova proposta, espera-se mais sensata, para entrar em vigor somente em 2017. Mas essa malfadada proposta estadual acarretou desdobramentos municipais, ou seja, o prefeito Pannunzio havia `pegado carona' e aproveitado para prejudicar centenas de estudantes do último ano do Fundamental, proibindo suas matrículas no Ensino Médio. Até hoje, dias após o recuo do governador, Pannunzio encolheu-se em sua casca e nada disse se vai insistir, agora sozinho, nos efeitos danosos da sua parte na `desorganização escolar', acrescentou ainda o presidente da CPI.
 
Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar