Terça-Feira, 12 de Novembro de 2019

Diário de Sorocaba





Leia a edição impressa na íntegra


Clique aqui para acessar a edição do dia
buscar

<< Agências bancárias das avenidas começam a fechar a partir de hoje Meta do Comando de Greve é, agora, as agências dos principais corredores viários da cidade

Publicada em 09/10/2015 às 02:10
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR

Foto: Fernando Rezende
De acordo com o presidente do Sindicato dos Bancários de Sorocaba e Região, Júlio César Machado, as agências bancárias localizadas nas principais avenidas da cidade, como, por exemplo, na avenida Independência, no bairro do Éden; avenida General Carneiro, avenida São Paulo, rua Hermelino Matarazzo e avenidas Pereira da Silva e Senador Roberto Simonsen, no Jardim Santa Rosália, também deverão fechar as portas a partir de hoje, por conta da greve da categoria que começou na madrugada da última terça-feira (6). "O aumento do número de funcionários que está de braços cruzados será significativo em Sorocaba, já que os bancos particulares começaram a aderir ao movimento. As agências das avenidas já solicitaram a presença do Sindicato frente aos bancos", aponta Machado, destacando que duas agências do banco Santander situadas na avenida General Carneiro já encontram-se sem atendimento.
 
O sindicalista contou, ontem à tarde, que ainda na quarta-feira (7) o número de agências que aderiram ao movimento na região também foi grande, passando de 90 para 115 sem funcionamento. "Até o momento, os funcionários da Caixa Econômica Federal e o Banco do Brasil estão aderindo com um pouco mais de facilidade a greve por serem servidores de bancos públicos", reconheceu.
 
Na região central de Sorocaba, as 19 agências que aderiram ao movimento no início da semana também continuam fechadas, sendo quatro agências do Bradesco, cinco do Itaú, uma do HSBC, ums fo Safra e duas ligadas ao Grupo Santander. A categoria reivindica um reajuste salarial de 16%, quando a proposta oferecida na última rodada de negociação pela Federação Nacional dos Bancos (Fenabran), ocorrida no dia 25 de setembro, foi de 5,5%. Além disso, os bancários também reivindicam acréscimos no vale alimentação, vale refeição e cesta básica, assim como melhores condições de trabalho e combate às terceirizações.
 
ASSÉDIO MORAL - O presidente do Sindicato dos Bancários informou ontem ainda, por outro lado, que foram registrados neste terceiro dia de greve mais dois casos de assédio moral contra funcionários dos bancos Bradesco e Itaú. "Na quarta-feira (7), tivemos um problema de assédio no Bradesco do Éden, quando o gerente saiu da agência e começou a colocar os funcionários para dentro", contou Machado. Segundo ele, o Itaú também começou a fazer o mesmo, chegando a pressionar uma funcionária gestante. "O gerente pegou pelo braço e ela foi colocada para dentro da agência", lamentou o sindicalista, acrescentando que o problema já foi repassado para a diretoria e RH dos bancos, "para que a situação possa ser revertida, em especial a da gestante". 
 
OPÇÕES DE ATENDIMENTO - A Febraban (Federação Brasileira de Bancos) continua informando a população de que tem à disposição de todos uma série de canais alternativos à greve, para realizar transações financeiras, tais como os caixas eletrônicos, internet banking, aplicativo do banco no celular, operações bancárias por telefone e também os correspondentes bancários, que são casas lotéricas, agências dos Correios, redes de supermercados e outros estabelecimentos comerciais credenciados.
Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar