Terça-Feira, 12 de Novembro de 2019

Diário de Sorocaba





Leia a edição impressa na íntegra


Clique aqui para acessar a edição do dia
buscar

<< Novelista falecido em janeiro é destaque do 'Persona em Foco'

Publicada em 06/10/2015 às 01:10
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR

Foto: Divulgação/TV Cultura
O dramaturgo e novelista Chico de Assis, falecido em janeiro, é o destaque da edição desta semana de "Persona Em Foco", que vai ao ar nesta terça-feira (6), às 23h30, com apresentação é de Atilio Bari, pela TV Cultura. Chico de Assis é autor da primeira novela das seis da TV Globo, "Bicho do Mato" (1972). E este foi um dos cerca de 80 trabalhos que realizou ao longo de seus 60 anos de carreira como ator, diretor, dramaturgo e novelista. Seu repertório teatral, editado pela Funarte, é composto por mais de 30 peças. São preciosidades como "Missa Leiga", "O testamento do Cangaceiro", "As aventuras de Ripió Lacraia" e "Xandu Quaresma", grande sucesso produzido e interpretado por Antônio Fagundes.
 
O programa, gravado dois meses antes da morte de Chico de Assis, aos 80 anos de idade e em plena atividade, tem como entrevistadores o jornalista, ator e dramaturgo Oswaldo Mendes e a dramaturga Noemi Marinho. Durante a conversa, Chico lembra que começou sua carreira como cameraman na extinta TV Tupi e logo estreou como dramaturgo em uma adaptação da obra de Machado de Assis, "Os óculos de Pedro Antão". Ainda na Tupi, escreveu grandes sucessos, como "Salário Mínimo", "Ovelha Negra", "Xeque Mate" e "Cinderela 77" - os três últimos em parceira com Walter Negrão. E vem dele o depoimento durante a atração: "90% do que aprendi sobre dramaturgia e televisão foi contigo, Chico. Foi muito importante a parceria com você desde a Patrulha Bandeirantes, quando inauguramos a TV Bandeirantes. Na TV Tupi, fizemos Xeque Mate e depois Cinderella 77, que eu considero uma obra-prima mais tua do que minha. Toda a estrutura dramática que uso foi você que me passou e com uma grande generosidade. Foi a minha formatura ao seu lado. Você me ensinou tudo. Obrigado, meu irmão".
 
Como um dos grandes nomes do Teatro do Arena, Assis relembra seus espetáculos censurados durante a ditadura militar, revela que tinha um amigo na Polícia Federal e conta uma passagem. "Eu disse para ele (o amigo) `o que há para proibir numa peça que escrevi para crianças?'. Ele disse: `Vou te mostrar uma coisa, mas se você falar algo, vou dizer que você é mentiroso'. E abriu um armário e me deu uma folha, onde estava escrito: `Todas as peças de Augusto Boal, Chico de Assis e Plinio Marcos devem ser proibidas, em princípio'".
 
O dramaturgo fala também da comoção que foi o espetáculo "Missa Leiga" e lembra das pessoas envolvidas, ressalta que o teatro é uma relação de mestre e discípulo e explica a arte do ator e do comediante com um exemplo: "Fernanda Montenegro é excelente comediante, mas faz papel de atriz".
 
Chico deixa ainda um ensinamento sobre a arte dramática: "A formação teatral necessita de trocas. É necessário assistir ao outro e sem preconceito. Pronto para poder amar o espetáculo do outro mesmo que não seja uma maravilha. O teatro é uma tribo universal, que traz à tona velhos caciques como Moliére e os gregos todos".
Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar