Sexta-Feira, 5 de Junho de 2020

Diário de Sorocaba





Leia a edição impressa na íntegra


Clique aqui para acessar a edição do dia
buscar

<< Confronto entre professores e policiais no Paraná deixa mais de 150 feridos A Tropa de Choque fazia cerco ao prédio da Assembleia Legislativa quando o conflito começou

Publicada em 30/04/2015 às 02:04
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR

Foto: Giuliano Gomes (Conteúdo Estadão)
Um confronto entre a Polícia Militar e professores em Curitiba deixou cerca de 150 pessoas feridas, segundo a Prefeitura de Curitiba, algumas delas em estado grave, na tarde desta quarta-feira (29). A Tropa de Choque fazia um cerco ao prédio da Assembleia Legislativa do Paraná quando o conflito começou e os manifestantes, a maioria deles professores, foram agredidos. 
 
O confronto começou por volta das 15 horas, no Centro Cívico, em frente ao prédio da Assembleia, quando os deputados começaram a sessão para votar um projeto de lei (PL) que altera a previdência estadual. A Polícia Militar usou bombas de gás, balas de borracha e jatos de água para dispersar os manifestantes. Os professores recuaram, mas os policiais continuaram jogando bombas de efeito moral. 
 
Crianças foram retiradas das escolas da região. Algumas delas passavam mal em decorrência do gás lacrimogêneo usado pelas forças policiais na Praça Nossa Senhora de Salete, que fica em frente à Assembleia Legislativa, para afastar os manifestantes. Por meio do Facebook, a direção do Sindicato dos Professores do Paraná disse que os manifestantes estavam fora do perímetro estabelecido pela polícia.
 
O projeto de lei aprovado ontem, por 31 votos a 20, será encaminhado para sanção do governador Beto Richa (PSDB). O governo paranaense quer tirar 33 mil aposentados com mais de 73 anos do Fundo Financeiro, sustentado pelo Tesouro estadual, que está deficitário, e transferi-los para o Fundo de Previdência do Paraná, pago pelos servidores e pelo governo, que está superavitário. 
 
O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva usou as redes sociais para se manifestar sobre a greve e a reação da Polícia Militar. "Solidarizo-me com os professores do Paraná, que foram agredidos de forma violenta pela Polícia Militar do Estado", escreveu. Segundo Lula, a polícia tem de garantir o direito de as pessoas se manifestarem e protegê-las.
 
PROTESTOS EM SÃO PAULO - Professores da rede estadual de Embu das Artes, Taboão da Serra e Itapecerica da Serra, protestaram ontem na Rodovia Regis Bitencourt, próximo à entrada de Embu, bloquearam a pista no sentido do Paraná (PR). De acordo com o Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo de Taboão da Serra, 450 pessoas participaram do protesto.
Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar