Quarta-Feira, 8 de Abril de 2020

Diário de Sorocaba





Leia a edição impressa na íntegra


Clique aqui para acessar a edição do dia
buscar

<< Ações de combate a criadouros da dengue percorrem bairros da Cidade

Publicada em 29/03/2015 às 11:03
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR

Mobilizações tiveram agentes fantasiados (Foto: Fernando Rezende)
Ações de combate a criadouros do mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue e da febre chikungunya, foram feitas em diferentes bairros de Sorocaba, na manhã deste sábado (28). Cerca de 55 atiradores do Tiro de Guerra participaram de arrastões na Vila Hortência, Jardim Luciana Maria, Jardim Maria do Carmo e Lopes de Oliveira junto com agentes da Zoonoses. Os voluntários percorreram as principais vias próximas às Unidades Básicas de Saúde (UBSs) recolhendo materiais inservíveis das residências e fazendo panfletagem.
 
De acordo com o último boletim divulgado pela Vigilância Epidemiológica, a UBS do Lopes de Oliveira registra 1.617 casos confirmados de dengue. O agente da Zoonoses, Alexandre Profeta, explica que o trabalho no bairro começou às 9 horas, por ser o horário em que os moradores já estão acordados e podem receber a visita do voluntário. A ação consiste na remoção de materiais que possam se tornar criadouros. Ele salienta ser usado um critério para a coleta. “É somente recipientes que acumulem água, não tem como levarmos tudo no caminhão.” 
 
A médica veterinária da Zoonoses, Thaís Buti, frisa que ações de combate à dengue ocorrem em quase todos os fins de semana. Ela diz que, somando agentes e atiradores, cerca de 30 pessoas percorreram as vias daquele bairro passando informações. A profissional reforça que arrastões são importantes, porém a população tem de colaborar, fazendo vistorias nas residências. “Muitas pessoas não percebem que têm criadouros no quintal, por isso a importância da fiscalização diária.” 
 
A vendedora Flávia Beatriz Jastrsembkis sugere que a ações percorram mais vezes o Lopes de Oliveira, por ser uma das regiões da cidade que mais concentra casos da doença. O mesmo pede o gestor financeiro, Ademir Pereira Leite, que acompanhava a retirada de peças de seu quintal, como caixas com garrafas e parte de uma pia. “Sem dúvida é importante essas mobilizações, mas também seria bom a passagem de agentes fazendo nebulização.” 
 
ESCOTEIROS – Escoteiros, pioneiros, seniores e lobinhos do Grupo Escoteiro Santana, localizado na Vila Haro, zona leste, também entraram na luta do combate ao Aedes aegypti. Após o hasteamento da bandeira, o grupo de 150 integrantes foi dividido em partes menores e enviado para orientar a população. O chefe dos escoteiros, Ricardo Parreira, fantasiado de mosquito da dengue ajudou as crianças e pré-adolescentes na ação.
 
Devido ao calor, água e sucos naturais foram distribuídos aos participantes ao longo do caminho. A escoteira Isabela Branco, 12 anos, explica que o grupo foi orientado a cumprimentar os moradores, como sinal de educação, e entregar o panfleto. A sênior Samara Fogaça, de 15, salienta que os moradores foram receptivos e mostraram interesse em também colaborar para o fim dos criadouros. 
 
A presidente do Grupo Escoteiro Santana, Maurícia Caldeira, justifica que participar desta ação faz parte da moral dos escoteiros. Ela salienta que a equipe sustenta o maior, deve proteger o menor e Deus, a Pátria e o próximo. “Nosso lema é fazer destes pequenos verdadeiros cidadãos e, com esta epidemia de dengue, achamos viável ajudar a Prefeitura e a população.” 
Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar