Domingo, 29 de Março de 2020

Diário de Sorocaba





Leia a edição impressa na íntegra


Clique aqui para acessar a edição do dia
buscar

<< Secretário de Saúde não descarta possibilidade de implantar clínica para desintoxicação química

Publicada em 28/03/2015 às 01:03
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR

Vereadores e secretário conheceram as dependências da clínica (Foto: Divulgação)
Em visita a uma clínica de Botucatu que oferece Serviço de Atenção e Referência em Álcool e Drogas (Sarad), o secretário de Saúde, Francisco Antônio Fernandes, disse que abraça a causa para trazer uma clínica a Sorocaba, nos mesmos moldes, e elogiou o trabalho desenvolvido na unidade. "A estrutura é perfeita para a finalidade, que é atendimento rápido de casos críticos, agudos de usuários de álcool e drogas. Como viabilizar no município de Sorocaba, podemos dizer que depende de planejamento, em primeiro lugar, e estudar o financiamento não só da construção ou idealização da clínica em si, mas principalmente do custeio."
 
Fernandes visitou a clínica nesta semana, acompanhado dos vereadores Pastor Apolo (PSB) e Rodrigo Manga (PP), este presidente da Comissão de Dependência Química da Câmara. A unidade é a primeira totalmente gratuita, especializada no tratamento de dependentes de álcool e drogas, inaugurada em dezembro de 2013 pelo Governo do Estado, e gerenciada pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Botucatu (HCFMB).
 
Durante a visita, eles foram recebidos pela diretora da unidade pioneira, Janice de Lourdes Megid, e a médica Patrícia Toledo, que apresentaram as instalações da clínica e explicaram a forma como é prestado o atendimento no local. Com capacidade para 76 leitos nos regimes ambulatorial, de internação e reabilitação, a clínica atende hoje a 40 pacientes, entre homens, mulheres e adolescentes de até 17 anos. O tratamento é custeado pelo Serviço Único de Saúde (SUS) e feito por médicos, psicólogos, assistentes sociais, enfermeiros, técnicos de enfermagem, farmacêuticos, fisioterapeutas, nutricionistas, terapeutas ocupacionais, equipes de vigilância, recepção, limpeza, educadores físicos.
 
“As atividades são oferecidas em parceria com as secretarias municipais junto com Senac, Senai, Senar e outras instituições. Conforme fomos informados, o índice de abstinência dos pacientes que saem da clínica é de 40% a 42% e de pacientes que continuam o tratamento nos serviços de saúde, de 70%. São índices impressionantes”, conta Manga.
 
Já o secretário de Saúde disse que vai marcar uma reunião com o prefeito Antônio Carlos Pannunzio (PSDB) para poder colocar em prática o planejamento e encaminhá-lo ao Governo do Estado. "Se o Estado disser que viabiliza a construção e manutenção da clínica, não há motivo para não dar certo."
Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar