Sábado, 6 de Junho de 2020

Diário de Sorocaba





Leia a edição impressa na íntegra


Clique aqui para acessar a edição do dia
buscar

<< Soldador morre atropelado por caminhão Segundo a PM, homem teria entrado na frente do motorista, que não teve tempo de frear

Publicada em 04/02/2015 às 10:02
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR

Homem ficou embaixo das rodas traseiras do caminhão (Foto: Bruno Cecim)
O soldador Israel Peluzo, 55 anos, morreu atropelado por um caminhão carregado de cervejas, no Bairro Cajuru do Sul, ontem à tarde. Segundo a Polícia Militar, populares que viram o acidente disseram que o homem entrou na frente do veículo em movimento, que pararia em frente a um bar para descarregar as bebidas, na Rua Américo Pimenta Vaz Guimarães. 
 
Conforme os policiais, o motorista Kléber Ricardo de Arruda, 33 anos, dirigia em velocidade compatível com a permitida, mas não teria visto o homem. Ele não conseguiu frear a tempo e atingiu o soldador, que veio parar embaixo das rodas traseiras. O homem faleceu na hora. 
 
Ainda, de acordo com os PMs, Israel estava alcoolizado quando atravessava a rua. Um filho da vítima viu o pai caído ao chão, ficou nervoso e começou a apedrejar o veículo, que teve o vidro todo estilhaçado. O acidente chamou a atenção de populares.
 
O cachorro da vítima, Pitoco, permaneceu ao lado do corpo até a sua retirada, impedindo qualquer aproximação. Segundo a filha do soldador, a dona de casa Sandra Regina Peluzo, de 38, o animal, sem raça definida, vivia sempre com o homem e o acompanhava toda vez que ele bebia. “Meu pai não dava nenhum trabalho, mas tinha problemas com o álcool. Toda vez que ele caía por causa da bebida, o Pitoco ficava ao lado, esperando ele se levantar. Creio que era isso que ele esperava que acontecesse, por isso não saía dali. Foi uma fatalidade”. 
 
Sandra, que mora próximo ao local do acidente, disse que ficou sabendo da morte do pai por uma criança. “Eu estava em casa quando meu pai chegou, pediu um copo d’água e saiu. Cerca de meia hora depois, eu saí para oferecer a água, mas não o encontrei. Foi aí que fui informada por uma criança de que ele tinha sido atropelado na rua onde ele morava. Eu vi o corpo de longe. Não quis aproximar-me. Quero guardar a imagem dele vivo em minha mente.” A filha acredita que o pai tenha caído em frente ao caminhão e não se jogado, como disseram os populares. Israel Peluzo morava com a mulher, que ficou em estado de choque ao saber da morte do marido. Ele deixa três filhos e três netos adolescentes. A Polícia Civil investigará as causas do acidente. 
Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar