Sábado, 6 de Junho de 2020

Diário de Sorocaba





Leia a edição impressa na íntegra


Clique aqui para acessar a edição do dia
buscar

<< Filme 'Cássia Eller' traça perfil de uma vida intensa

Publicada em 01/02/2015 às 01:02
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR

O filme mapeia a formação e o estouro de Cássia (Foto: Conteúdo Estadão)
Nando Reis, Zélia Duncan e Lan Lan dão depoimentos emocionados e emocionantes em "Cássia Eller". A companheira de muitos anos, Maria Eugênia, ajuda a traçar o perfil de uma vida que foi intensa. A própria Cássia chega a dizer que a música foi uma fuga da sua incapacidade de se relacionar socialmente. Talvez "Cássia", o filme, não seja tão bom quanto "Loki", outro documentário musical do diretor Paulo Fontenelle (sobre Arnaldo Antunes). Mas é melhor que "Dossiê Jango", do mesmo Fontenelle, sobre o ex-presidente do Brasil, derrubado pelo golpe militar.
 
Fontenelle conta que, logo após "Loki", ouvindo Cássia Eller cantar, pensou quão pouco sabia sobre a artista. A curiosidade levou-o a pesquisar. Descobriu uma figura ‘incrível’, como diz. "A Cássia era aquela força no palco, mas era muito tímida. Essa dualidade começou a me fascinar. A primeira coisa que fiz foi mandar um e-mail para a Eugênia, falando na possibilidade de um filme. Ela demorou um mês para responder, já achava que não ia rolar. Disse que o Chicão (filho da Cássia) tinha gostado de "Loki". E me deu carta branca. Disse apenas que não queria que eu endeusasse nem demonizasse a Cássia. Liberou para abordar tudo. As drogas, os casos fora da relação. Foi uma coisa muito forte".
 
O diretor ainda trabalhava em "Dossiê Jango" quando iniciou a pesquisa iconográfica. Ambos os filmes demoraram quatro anos para ficar prontos. "Cássia" é uma produção da Migdal, de Iafa Britz, com a GNT. O filme estreou na última quinta-feira (29), com 70 cópias. Esgotada a fase do cinema, deve ir para o DVD e a TV. "Não existe nenhuma previsão de lançar a trilha do filme, mas o Chicão descobriu gravações inéditas da mãe e, daqui a pouco, quase junto com o filme, essa Cássia inédita, da fase de Brasília, chegará a público em DVD", conta Fontenelle. 
 
Foram muitas as possibilidades de abordagem imaginadas por Fontenelle antes de começar a filmar, logo após o lançamento de "Loki". No seu imaginário, chegou a haver uma versão em que o espectador descobriria Cássia pelo olhar do filho. 
 
Chicão seria o protagonista, em busca da mãe, que morreu quando ele era bebê - e o fato causou aquele imbróglio judicial, a briga na Justiça pela guarda do filho. O avô, pai de Cássia, brigava pelo neto ou pelo espólio? A questão perpassa toda uma parte de "Cássia", não deixando de ser o elo com "Dossiê Jango", da mesma forma que a intenção de lançar luzes sobre o artista (e o homem, no caso, a mulher) é o vínculo com "Loki".
 
"Desisti de fazer o filme pelo olhar do Chicão porque ele é tímido. Percebi que não daria conta. Mas ele aparece, e bem, no final. Cássia foi um furacão no palco. Não carregava bandeiras. A bandeira era ela, com seu comportamento libertário e provocador. O mais marcante é que essa mulher, pós-mortem, continuou influenciando a sociedade brasileira. Aquele juiz, ao dar a guarda do filho para a companheira de Cássia, fez o que ela gostaria. Uma verdadeira revolução legal."
 
Durante quatro meses, Fontenelle brigou com o material. Ele tinha 400 horas de material, entre arquivo e gravações próprias. Como reduzir tudo isso para (menos de) duas horas? "Tenho entrevistas muito boas com Milton Nascimento, Frejat e Luiz Melodia. Achei que serviria melhor ao material se contasse a história convencionalmente." Convencional, talvez, não seja a melhor definição.
 
Do começo em Brasília ao teatro com Oswaldo Montenegro, o filme mapeia a formação e o estouro de Cássia. Mostra sua força no palco, a morte. E prossegue com a briga na Justiça. Era única e era múltipla. Do samba ao rock pesado, Cássia tinha voz e temperamento para abarcar tudo. Chico Buarque e Edith Piaf. O filme cresce quando ela canta "Malandragem" ou "Segundo Sol".
 
Cássia foi usuária de drogas. Até por conta disso, a mídia sensacionalizou sua morte, em 2001. Teria sido por overdose. A versão ficou. O filme esclarece que foi enfarte. São muitas histórias, muitas parcerias (na arte como na vida). De Cássia Eller, pode-se dizer que amou demais, viveu demais. Como Piaf, ela dizia que não lamentava nada. Entre os muitos momentos intensos de "Cássia" está aquele em que mãe e filho recebem um prêmio póstumo atribuído a Cássia; e, depois, quando ele fala, no fim, sobre essa mãe que mal conheceu, e foi descobrindo. "Cássia" é um belo filme. Talvez seja um pouco redundante, insistindo em certos pontos, depoimentos. É intenso. "Tinha de ser. A Cássia era intensa", resume Paulo Fontenelle. (Conteúdo Estadão).
Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar