Quarta-Feira, 26 de Junho de 2019

Diário de Sorocaba

buscar

<< Tempestade no Rio de Janeiro deixa quatro pessoas mortas

Publicada em 06/03/2013 às 18:56
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR

A tempestade que atingiu o Rio de Janeiro e a região metropolitana da capital fluminense na noite de ontem (5) deixou quatro pessoas mortas. De acordo com a Defesa Civil Estadual, as vítimas foram João Maia, 63, atingido pela queda de um muro em Belford Roxo, região metropolitana, duas mulheres eletrocutadas, no Catete, zona sul do Rio de Janeiro, e um homem que teve um mal súbito em Jacarepaguá, zona oeste. Um rapaz de 14 anos está desaparecido na zona norte, depois de ter sido levado pela enxurrada.

A chuva causou transtornos em toda a cidade, deixando diversos bairros alagados, ruas submersas e vários bairros sem luz. A queda de árvores e a forte ventania, que espalhou objetos e lixo pelas ruas, alterou o tráfego do metrô da Pavuna, que passou a ser feito com transferência em Estácio, na linha 2.

Já na linha 1, as estações Afonso Pena, São Francisco Xavier e Saens Pena, na Tijuca, zona norte, ficaram fechadas por problemas de energia e alagamento externo e os trens foram somente até o Estácio. Por volta das 1h, as estações foram reabertas e funcionaram até a Estação Siqueira Campos até às 2h. O sistema reabriu hoje às 5h, sem problemas, com todas as linhas funcionando normalmente.

Segundo a concessionária que administra o Teleférico do Alemão, na zona norte, o serviço foi fechado às 19h18, assim que a chuva começou por causa dos fortes ventos, e ainda não voltou a funcionar.

No centro da cidade, a bibliotecária Raquel Leal, que mora no Méier, zona norte do Rio de Janeiro, foi obrigada a se refugiar dentro de uma lanchonete na avenida Rio Branco, onde esperou por mais de uma hora a chuva passar. Segundo ela, a calçada ficou alagada, impedindo as pessoas de saírem. Quando a tempestade passou, ela esperou por mais de uma hora e meia o ônibus chegar e desistiu.

"A água entrou no primeiro andar e todo mundo subiu para o segundo. Lá de cima, vi uma menina sendo assaltada por pivetes, o lixo tomando a rua. Foi um caos. Consegui ir até o ponto, esperei o ônibus, com mais cinquenta, setenta pessoas e desisti, porque ouvi no rádio que a praça da Bandeira estava completamente alagada. Resolvi pegar o metrô e dormir na casa de uma amiga em Laranjeiras", conta ela.

Na zona sul, o estudante Gabriel Amado, que saía da faculdade na Gávea, andou até o Leblon para pegar um ônibus em direção ao Flamengo.

A linha que passaria pelo Jardim Botânico mudou a rota, por causa do alagamento na principal rua do bairro, e seguiu pela Lagoa Rodrigo de Freitas. Em um trajeto que costuma demorar 40 minutos, ele ficou mais duas horas e meia preso no trânsito.

Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar