Sexta-Feira, 5 de Junho de 2020

Diário de Sorocaba





Leia a edição impressa na íntegra


Clique aqui para acessar a edição do dia
buscar

<< Novo terremoto de 6,2 graus sacode leste do Japão

Publicada em 13/03/2011 às 23:25
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR

Um novo terremoto de 6,2 graus de magnitude na escala aberta de Richter sacudiu nesta segunda-feira (horário local, noite de domingo no Brasil) o leste do Japão, com epicentro a dez quilômetros de profundidade no litoral da província de Ibaraki, informou a Agência Meteorológica japonesa. O terremoto alcançou uma intensidade 5 na escala japonesa, de entre 0 e 7, e pôde ser sentido com força em Tóquio.

A Agência Meteorológica do país advertiu a população japonesa de uma semana de réplicas e de 70% de possibilidades que até nesta quarta-feira se registre um terremoto de 7 graus no Japão.

O diretor da Agência, Takashi Yokota, indicou neste domingo que, depois da quarta-feira, esse risco se reduzirá para 50% em uma área de 500 quilômetros de comprimento e 200 de largura, frente ao litoral das províncias de Ibaraki e Miyagi.
 
MORTOS - As autoridades do Japão elevaram neste domingo para quase 1,6 mil o número de mortos pelo terremoto e pelo tsunami de sexta-feira, enquanto mais de 10 mil pessoas continuam desaparecidas.

Nas últimas horas, 643 mortes foram confirmadas na província de Miyagi, a mais devastada pelo terremoto no nordeste do país, o que elevou para 1.596 o número de vítimas, segundo a televisão "NHK".
 
Algumas cidades litorâneas tiveram praticamente todos seus edifícios destruídos. Em algumas áreas urbanas, como a cidade de Sendai, as equipes de resgate continuam encontrando corpos e os trabalhos se tornam difíceis pelas constantes réplicas do tremor e pela destruição causada pelo terremoto de 9 graus de magnitude na escala Richter que atingiu o país na sexta-feira.

As autoridades locais também buscam mais de mil moradores dos quais não se tem notícias desde sexta-feira na província de Fukushima, onde existe o risco de uma contaminação radioativa por causa de um escapamento de vapor em uma usina nuclear.

O primeiro-ministro do Japão, Naoto Kan, qualificou o desastre como o pior que o país viveu desde a Segunda Guerra Mundial. Ele anunciou que o Governo autorizará duas companhias elétricas a efetuar a partir da manhã desta segunda-feira (horário local) cortes de luz para garantir a provisão nas áreas afetadas. Essas interrupções do serviço paralisarão parte da economia, sobretudo a indústria automobilística.

A Agência Meteorológica do Japão revelou no domingo à noite (horário local) que há 70% de chance de ocorrerem réplicas do terremoto de até 7 graus na escala Richter nos próximos três dias, e várias embaixadas recomendaram a seus cidadãos que não viajem ao país. 

Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar