Terça-Feira, 19 de Novembro de 2019

Diário de Sorocaba





Leia a edição impressa na íntegra


Clique aqui para acessar a edição do dia
buscar

<< Muro de escola municipal está desmoronado há mais de um ano

Publicada em 26/03/2014 às 00:39
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR

Há mais de um ano, o muro que divide a Escola Municipal “Professora Maria de Lourdes Ayres de Moraes" com uma unidade do Sabe Tudo, no Jardim Santa Marina, desmoronou e ainda não foi reconstruído. Apesar de ter sido colocado alambrado e tapumes de madeira no local, há um buraco entre o barranco e os materiais, causando riscos a alunos e funcionários. Porém o muro não é a única preocupação dos pais, que enumeram a falta de pias nos banheiros, fios de eletricidade expostos em sala de aula, alambrados abertos na quadra e telhas de metal soltas. Um comerciante da região guarda protocolos de vereadores que já solicitaram à Prefeitura o reparo do muro e mais segurança em torno da escola. “Não há patrulhamento nem na entrada e saída das crianças. Motociclistas ficam empinando a moto na frente de todos”, desabafa.

ESTRUTURA – O muro que caiu no início de março do ano passado está localizado entre a escola e o Sabe Tudo, ao lado do parque, onde as crianças brincavam durante o intervalo. A costureira Silene Meire Estêvão Tavares é responsável por buscar o neto Antônio Carlos, 6 anos, na escola. Ela afirma que, desde o ocorrido, a direção não contatou os familiares para explicar a situação. “Só fiquei sabendo através de outras pessoas que começaram a reclamar. Fui à secretaria perguntar e eles confirmaram caso contrário não falariam nada.” Silene preocupa-se com a segurança do neto e demais crianças. “Aqui venta muito e na última chuva forte várias casas foram destelhadas. Do jeito que está fica ainda mais perigoso durante algum temporal.”

Na quadra de esportes, o alambrado está aberto em vários pontos. Em frente ao espaço, há uma cobertura de telhas metálicas que estão deterioradas e algumas soltas. Mães também relatam que os banheiros estão sem pia e os estudantes lavam as mãos no bebedouro. Em uma sala de aula, os fios de eletricidade ficam expostos e as professora esconde a tomada com cartolina. 

“São muitas coisas juntas, resultado da falta de manutenção. Uma funcionária disse que há dois anos a escola está sem manutenção”, conta a dona de casa, Luciane de Oliveira Agantes Sene. Seu filho de 5 anos entrou na escola em 2013 e antes estudou numa unidade no Parque das Laranjeiras. “Mudei porque a escola era muito longe, mas me arrependi, senti muita diferença. Falta reunião, achei a parte pedagógica mais fraca, não apresentam o cronograma do ano e até dezembro qualquer pessoa poderia buscar as crianças. No Laranjeiras, mesmo com carteirinha, precisava me identificar.”

A dona de casa Celina de Fátima Monta, mãe de um aluno de 5 anos, conta que logo após a queda do muro a direção da escola requisitou o reparo, porém nada foi feito. “Também não há brinquedos pedagógicos nas salas.” Como os alunos não frequentam o parque ao lado do muro, brinquedos de plásticos foram colocados na entrada da escola, mas, segundo as mães, a intenção era montá-los sob o Sol. “A própria professora disse que os alunos ficam mais agitados por não brincarem. Ela sozinha é responsável por 32 crianças, não tem ajuda.” A Prefeitura foi procurada para esclarecer o caso, mas não retornou até o fechamento da edição.
 
 
 

Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar