Quarta-Feira, 26 de Junho de 2019

Diário de Sorocaba

buscar

<< Governo quer que funcionários economizem durante Copa do Mundo Entre os órgãos que mais gastaram no ano passado, o Ministério da Saúde é líder

Publicada em 04/03/2014 às 11:14
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR

O governo começa a agir para contornar a disparada de passagens aéreas e hospedagem prevista para a época do Mundial, já que a chamada inflação da Copa assusta a administração pública. Órgãos federais estão orientando seus funcionários para que evitem viagens nesse período. Contudo, caso o deslocamento seja necessário, a ideia é cotizar a locação de apartamentos. 

A Polícia Rodoviária Federal também segue essa estratégia, assim como fez durante a Copa das Confederações, no ano passado. Agora, com as saídas em massa de equipes para estradas próximas às cidades-sede, agentes já se organizam para alugar casas em conjunto.

A comunidade acadêmica recebeu, há três semanas, a orientação da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior para que não peça ajuda de custo para conferências, congressos e outros eventos nas regiões onde serão disputados os jogos.

Com a intenção de contornar os altos custos acarretados pelo evento, a idealizadora da iniciativa, Denise Neddermeyer, estabeleceu a venda antecipada dos ingressos.

Os valores das diárias que servidores federais recebem, quando viajam a serviço do governo, variam de R$ 177 a R$ 581. Contudo as viagens ao Sudeste são mais caras, por isso ministros de Estado recebem mais.

Em 2013, os gastos do governo com diárias, passagens e despesas de transporte atingiram R$ 2,2 bilhões, ou seja, um avanço de 29% em relação ao registrado em 2012. Entre os órgãos que mais gastaram, o Ministério da Saúde lidera. O Exército, que utilizou R$ 136 milhões, comunicou que já está tomando medidas para evitar grandes gastos.


Ministro do Trabalho diz não temer ser alvo de investigação 

O ministro do Trabalho, Manoel Dias (PDT), disse não temer a abertura de investigação sobre seu envolvimento em suposto esquema do partido para empregar "fantasmas". Ele atribuiu as acusações de um ex-dirigente do partido a "fogo amigo" e reiterou não ter feito nenhum acerto para que pedetistas recebessem salários, sem prestar serviços, de entidade financiada pela pasta. 

Questionado sobre a quantidade de pedetistas que constavam da folha de pagamentos da entidade, segundo concluiu a apuração da Controladoria-Geral da União, Manoel Dias mostrou-se surpreso. "Eles não trabalhavam? Só recebiam? É impossível que isso aconteça. Que eu saiba, não tem nada disso."

Embora a Polícia Federal informe em relatório que chegou a tratar de depoimento do ministro com advogado por ele constituído, Dias alega não ter sido chamado a se explicar. 


Tesoureiro de tucano vai pedir prescrição de crimes 

Apontado pela Procuradoria-Geral da República como um dos principais integrantes do núcleo central do “caixa 2”, Cláudio Mourão, tesoureiro da campanha à reeleição do então governador de Minas, Eduardo Azeredo (PSDB), em 1998, vai pedir a prescrição do caso em abril, quando completa 70 anos. 

Mourão é acusado pelos crimes de peculato (desvio de dinheiro público) e lavagem de dinheiro no esquema de arrecadação ilegal de recursos para a campanha de Azeredo, segundo denúncia do Ministério Público Federal. Os crimes prescrevem após 16 anos entre a ocorrência dos fatos (1998) e o acolhimento da acusação formal (2010), mas quando o réu completa 70 anos, esse prazo cai para a metade.

Em janeiro, o ex-ministro Walfrido dos Mares Guia usou essa prerrogativa para se livrar do processo que tramita na 9ª Vara Criminal da Justiça de Minas. A denúncia sustenta que R$ 3,5 milhões de empresas estatais mineiras foram desviados para a campanha do tucano, que não se reelegeu - ele foi derrotado por Itamar Franco. Azeredo nega qualquer responsabilidade ou envolvimento nos crimes apontados e renunciou ao mandato de deputado federal, após o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pedir ao Supremo Tribunal Federal que seja condenado a 22 anos de prisão.


Comemorações do Dia da Mulher são antecipadas pela presidente  

A presidente, Dilma Rousseff, antecipou ontem as comemorações do Dia Internacional da Mulher, festejado no dia 8 deste mês. "Eu quero dar os parabéns a todas as mulheres brasileiras por esse dia tão especial e dizer que nós, mulheres, avançamos muito na conquista de direitos e de uma vida melhor no Brasil.” Dilma está na Base Naval de Aratu, na Bahia, durante o feriado de carnaval.

Ela disse que o governo trabalha com muita firmeza para romper barreiras, combater preconceitos e desigualdades, além de incentivar a autonomia das mulheres. A mandatária explicou que, sob essa determinação, foi decidido que as mulheres devem ser, prioritariamente, as titulares do cartão do Bolsa Família. "Hoje, 93% dos cartões do Bolsa Família estão no nome delas.”

Em relação ao programa "Minha Casa, Minha Vida", a líder ressaltou que elas têm prioridade no registro do imóvel. Segundo a presidente, 1,5 milhão de casas foram entregues até janeiro deste ano pelo programa e que, desse total, 52% estão no nome da mulher.


Escolas têm problemas no 1º dia de desfiles no Rio

Com um enredo sobre a preservação da Terra, o Salgueiro foi a única escola a ouvir o grito de campeã no primeiro dia de desfiles do Grupo Especial, na Marquês de Sapucaí, no Rio de Janeiro. No entanto pode perder pontos decisivos por causa de problemas em três carros alegóricos. O abre-alas, por exemplo, quebrou-se no início da apresentação e deixou buracos na pista, o que pode prejudicar a escola nos quesitos conjunto e evolução.

Última escola a se apresentar, a Beija-Flor fez um desfile exuberante, mas sem grandes emoções. A escola de Nilópolis, na Baixada Fluminense, homenageou o empresário e ex-superintendente da TV Globo, José Bonifácio de Oliveira Sobrinho, o Boni. No final do desfile, um destaque no alto de um carro alegórico perdeu parte da fantasia ao se chocar com a torre de TV.

O mesmo problema, mas com maior dimensão, ocorreu com a Mangueira. A Verde e Rosa cometeu o mesmo erro do ano passado ao levar para a Sapucaí um carro com altura superior à torre de TV. Em frente a uma área reservada aos julgadores, a escola viu a cabeça de uma alegoria, que representava um pajé, ser cortada ao meio. 

Com um samba de refrão forte, a Império voltou ao Grupo Especial depois de 17 anos, e vai torcer muito para continuar na elite. O enredo sobre a influência na cultura brasileira dos ritmos africanos, trazidos pelos escravos no século XVI, foi comprometido por fantasias e alegorias simples e falhas em evolução e conjunto.


Forças leais à Rússia assumem controle de terminal na Crimeia

Forças leais à Rússia assumiram o controle de um terminal de balsa na parte mais oriental da Crimeia, levantando temores de que o país possa enviar mais soldados à região. Ontem de manhã, soldados operavam o terminal, que fica na cidade de Kerch, a cerca de 20 quilômetros de barco da Rússia. Eles não quiseram identificar-se, mas falavam russo e os veículos que os transportavam tinham placas russas.

A Rússia também está reunindo vários veículos militares blindados na região próxima ao leste da Crimeia, de acordo com informações do Serviço de Fronteira da Ucrânia. As tropas russas estariam controlando as sedes dos guardas em Azov e em Simferopol. 

O primeiro-ministro ucraniano, Arseniy Yatsenyuk, pediu apoio político e econômico ao Ocidente e disse que a Crimeia ainda faz parte de seu país. Ele admitiu, porém, que não há opções militares até o momento.

A Rússia já assumiu o controle da península da Crimeia sem ter disparado um único tiro. As tensões entre a Ucrânia e a Rússia intensificaram-se após os protestos que derrubaram recentemente o presidente, Viktor Yanukovych, aliado de Moscou. Desde então, soldados que a Ucrânia diz ser russos deslocaram-se para a Crimeia, patrulhando aeroportos, destruindo equipamentos em uma base aérea e cercando instalações militares.

O secretário de Estado norte-americano, John Kerry, pediu que o presidente russo, Vladimir Putin, retire suas tropas da região. Kerry deve viajar para a Ucrânia hoje. O ministro de Relações Exteriores do Reino Unido, William Hague, reuniu-se com Yatsenyuk, e colocou um buquê de flores na Praça da Independência, em Kiev, onde dezenas de manifestantes foram mortos nos protestos recentes. Hague disse que a invasão da Crimeia trará sérias consequências para a Rússia, como possíveis sanções econômicas.

Putin vem insistindo que a Rússia tem o direito de proteger seus interesses e os da população que fala russo na Crimeia e em outras partes da Ucrânia. Embora a parte mais ocidental da Ucrânia queira se aproximar da União Europeia, as regiões ao sul e leste do país são mais alinhadas com a Rússia.


 

Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar