Quinta-Feira, 9 de Abril de 2020

Diário de Sorocaba





Leia a edição impressa na íntegra


Clique aqui para acessar a edição do dia
buscar

<< Após protestos, Saae toma medidas para estabilizar abastecimento de água

Publicada em 28/01/2014 às 20:44
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR

ALTOS DE IPANEMA

Após uma manifestação realizada na tarde de segunda-feira (27), quando cerca de 300 moradores do condomínio Altos do Ipanema interditaram as avenidas Ipanema e Comendador Genésio Rodrigues, devido à falta de abastecimento de água, quatro caminhões pipas foram enviados ao local no dia de ontem. Moradores haviam prometido fazer outro protesto caso o problema não fosse sanado, mas, diante das tentativas de minimizar os transtornos, optaram por não organizar outro ato. 

Inaugurado há quase dois anos, o condomínio tem 30 blocos, ocupados por 480 famílias, que somam 2.973 moradores. Na manhã de ontem, o Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Sorocaba (Saae) reuniu-se com o síndico do condomínio e a equipe técnica da Caixa Econômica Federal (CEF), responsável pelo financiamento do empreendimento. 

A autarquia afirma que as interrupções são resultados de problemas internos, já que a água chega ao cavalete com pressão suficiente para o abastecimento, assim, o sistema do condomínio não estaria suprindo a necessidade local. Diante dos problemas, duas medidas emergenciais foram tomadas, o abastecimento do reservatório por caminhões pipa e a execução de melhorias no sistema de bombeamento. 

Uma equipe do Saae esteve no condomínio e constatou que o reservatório estava quase cheio e os caminhões pipa apenas completaram a capacidade. Na ocasião, engenheiros colocaram em funcionamento a bomba de recalque, que trabalha como reserva, e passou a funcionar com a existente. A medida amplia a capacidade de bombeamento aos apartamentos.  

FALTA DE ÁGUA - Segundo a moradora e controladora de acesso da portaria, Joselma Mariano da Silva, a caixa d’água tem capacidade para 150 mil litros - 50 mil litros ficam reservados ao Corpo de Bombeiros. Ela afirma que, no último domingo (26), o síndico comprou cinco caminhões pipa com 17 mil litros cada, ao custo de R$ 180,00 cada veículo. “Na segunda-feira (28), veio um caminhão e só hoje (ontem), foram quatro.” Também a controladora de acesso, Benedita Antônia de Oliveira, disse: “O Saae informou que até a meia-noite o abastecimento será normalizado”. Porém, ontem, cerca de cinco blocos continuavam sem água. 

Em contrapartida, outros não tinham problema de abastecimento, mas não é possível fazer o rodízio de água porque, segundo as funcionárias, os moradores não aceitam. A assistente de nutrição Cláudia Silva Moraes mora no condomínio desde a inauguração e conta que, entre os dias 30 de dezembro e 10 deste mês, ficou sem água no apartamento. “Tivemos de comprar água potável, marmita e tomar banho de casa de familiares.” Na data de ontem, ela diz que havia água, mas com intensidade fraca. “A Caixa joga a responsabilidade no Saae, que, por sua vez, fala que é culpa da Caixa. Nesse empurra-empurra, somos prejudicados”, desabafa. 
 
 
 
Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar