Terça-Feira, 12 de Novembro de 2019

Diário de Sorocaba





Leia a edição impressa na íntegra


Clique aqui para acessar a edição do dia
buscar

<< Adolescentes são assaltados perto de escola por motoqueiros

Publicada em 07/12/2013 às 09:05
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR

Uma garota de 15 anos e seu amigo, de 16, foram roubados, quando saíam da Escola Técnica "Fernando Prestes", no Jardim Paulistano, na manhã desta sexta-feira. Os adolescentes tinham acabado de sair da aula e caminhavam pelos arredores, quando dois rapazes, numa moto Titan, fingiram estar armados e os obrigou a entregar seus celulares, da marca Samsung Galaxy. 

Os jovens comunicaram à polícia e deram as características dos indivíduos, o que facilitou na perseguição. Vinícius Eloy E. dos Santos Barbosa, 26 anos, e Fábio de Pontes, de 21, foram capturados na Avenida Américo Figueiredo portando os celulares. As vítimas reconheceram os criminosos e também os aparelhos. 

Depois disto, a PM dirigiu-se para a casa de cada um dos assaltantes. Na residência de Barbosa, localizada na Rua Maria Germani, bairro Júlio de Mesquita Filho, havia uma pequena porção de maconha para consumo próprio, além de um televisor de 50 polegadas, um videogame e duas câmeras digitais. Ele confessou que adquirira os eletrodomésticos na Feira da Barganha, no valor de R$ 600, e que não sabia a origem; a polícia acredita ser produtos de roubo pelo baixo valor de venda. 

Já na casa de Pontes, situada na Rua Joaquim Monteiro, no Jardim Ipiranga, os policiais encontraram somente uma pequena porção também de maconha. A dupla foi autuada e vai responder por roubo. 


Vítima detém rapaz que roubou mochila do filho

O advogado Ezequiel Leme de Barros, 54 anos, passou uma noite de apuros na última quarta-feira. Ele deixou seu veículo Citroen Picasso, estacionado na calçada, e entrou por alguns instantes em sua casa, localizada na Vila Barão. Ao sair minutos depois, notou que um rapaz estava ao lado de seu carro, com uma mochila nas mãos. Tratava-se do servente Luciano Arruda da Silva, 33 anos. Suspeitando que a mochila poderia ser de seu filho, guardada dentro do automóvel, ele perguntou para a esposa sobre ela. 

Ao dar por falta da bolsa, o advogado saiu novamente de casa, e encontrou o servente na rua. Ao indagá-lo, o rapaz afirmava todo o tempo que a mochila era dele. Desconfiado, a vítima pediu para que ele abrisse a mochila. Ao olhar que no interior estava um material escolar teve a certeza de que era realmente de seu filho. 

O advogado determinou que o rapaz ficasse ali até acionar a viatura. Ao chegar ao local, Luciano foi revistado e autuado. Foi arbitrada fiança no valor de R$ 700, mas, como não foi paga, o infrator permaneceu à disposição da justiça.  


Mulher sofre roubo em frente à agência bancária na zona norte

A costureira Elisabeth Pereira Fialho, 49 anos, estava em horário de almoço nesta quinta-feira, e resolveu se dirigir a uma agência bancária, localizada na Avenida Itavuvu, para efetuar um saque no valor de R$ 150. Quando saiu do banco, ao passar pela calçada, notou que estava sendo observada por um indivíduo. Ao retornar para a agência, o mesmo rapaz ainda estava no local, só que dessa vez acompanhado por outro. A vítima continuou a andar e, ao dobrar a esquina, os dois rapazes, trafegando numa motocicleta, abordaram a vítima e a  obrigaram que passasse sua bolsa. A princípio a costureira relutou, dizendo que não ia dá-la. Mas, após exigência dos assaltantes, sentiu-se coagida e entregou o pertence. Logo após, os indivíduos fugiram. 

Elisabeth acionou os policiais e informou que os rapazes eram brancos, aparentando ter 26 anos cada. O garupa usava camiseta clara. A polícia investiga o caso.


Pizzaiolo acusado por tráfico de entorpecentes está na cadeia

Policiais receberam uma denúncia de que um rapaz traficava entorpecentes, na Rua Antônio Bengla Mestre, no Jardim Tupinambá, na noite de quarta-feira. Ao chegar ao local, onde muitas crianças brincavam, os policiais viram o pizzaiolo Tiago Florentino Lima, 22 anos, abaixado na calçada e mexendo em algo estranho.

Quando ele viu a viatura, tentou fugir, mas logo foi abordado pelos policiais. O indivíduo portava cinco microtubos contendo crack, 41 porções da mesma droga e 11 porções de maconha. Indagado a respeito dos entorpecentes, Lima só respondeu com a seguinte frase: “É senhor, o senhor sabe como é”. O rapaz foi detido em flagrante e recolhido ao CDP de Sorocaba. 


Jovem tenta jogar celulares e drogas em cadeia feminina

Lucas dos Santos Souza, 19 anos, foi detido na tarde desta quinta-feira, quando tentava passar entorpecentes, dentro da cadeia feminina de Votorantim, situada  na Avenida Reverendo Manoel da Conceição. Ele também tentou atirar telefones celulares para as detentas. O sistema de videomonitoramento da cadeia revelou as imagens do rapaz, o que ajudaram nas buscas da polícia, que o encontrou pelas proximidades. Na fuga, o indivíduo deixou para trás uma porção de cocaína pesando 60 gramas. 

Com ele, os policiais acharam ainda mais três celulares, que ele confessou que iria jogar para o interior da unidade. As drogas também seriam para o uso das detentas, segundo os PMs. Souza foi autuado em flagrante por tráfico qualificado, e pagamento da pena de 5 a 15 anos. Conforme julgamento, a pena pode ser aumentada de 1/6 a 2/3 pelo agravante de traficar próximo aos prédios públicos, como unidades prisionais e escolas. O acusado foi levado para o CDP de Sorocaba. 


Motorista fica preso nas ferragens em acidente

Um carro que passava pela estrada que liga Sorocaba a Iperó colidiu com um ônibus, na noite desta quinta-feira. O carro seguia pela estrada, no sentido de Sorocaba, invadiu a pista contrária e bateu de frente no ônibus, que seguia para a cidade de Iperó, segundo o Corpo de Bombeiros. 

O acidente, que aconteceu perto da unidade do Centro Experimentar de Aramar, deixou o motorista que guiava o carro preso nas ferragens. Ele foi socorrido ao Hospital Regional de Sorocaba em estado grave. No ônibus, não houve nenhum ferido. As causas do acidente ainda são desconhecidas. 


Operário do prédio que desabou em Guarulhos morre asfixiado

O operário Edenilson de Jesus dos Santos, que trabalhava no prédio em construção, em Guarulhos (Grande São Paulo), que desabou, morreu asfixiado entre os escombros, segundo informações da Secretaria do Estado de Segurança Pública. Ainda de acordo com a secretaria, ele sofreu vários traumas em função da queda do prédio. Ele tinha 24 anos e deixou dois filhos. 

Segundo o Corpo de Bombeiros, ele tentava fugir do local. O laudo do IML (Instituto Médico Legal) sobre a morte do operário ainda será concluído. O prazo mínimo para a finalização do exame é de 30 dias. Os bombeiros trabalharam por 66 horas até encontrar o corpo do operário sob os entulhos. Ele foi achado prensado entre um pilar e uma viga, na rampa da construção.

O operário morava no alojamento da obra e tentava fugir quando foi atingido. Seu corpo foi enterrado na manhã desta sexta-feira no Cemitério Vila Rio, em Guarulhos. 

O advogado Maurício Monteagudo, da Salema Comércio, Construção e Projetos Ltda., responsável pela obra, afirmou que a empresa pretende indenizar a família da vítima. Segundo ele, os parentes de Edenilson recusaram uma oferta de R$ 2 mil para o pagamento das despesas do funeral e também não aceitaram conversar sobre a indenização. 

Quatro operários que trabalhavam no prédio que desabou, na noite da última segunda-feira (2), prestaram depoimento ao 5º Distrito Policial de Guarulhos. O dono da construtora, Fernando Salema, também deverá ser ouvido pela Polícia. 


Polícia Científica abre 84 vagas para técnico de laboratório

A Polícia Técnico-Científica abriu concurso para preencher 84 vagas de técnico de laboratório em todo o Estado. As inscrições podem ser feitas a partir de 3 de fevereiro do ano que vem e vão até às 16 horas de 28 de fevereiro, pelo site da Vunesp. A taxa é de R$ 42,61. 

Conforme o edital, publicado no "Diário Oficial" desta sexta-feira, o salário inicial para o cargo de técnico de laboratório é de R$ 1.178,24. A maior parte das vagas será destinada à Capital e à Grande São Paulo (60 vagas); as demais serão distribuídas nas regiões de Araçatuba (2), Bauru (4), Campinas (4), Presidente Prudente (2), Ribeirão Preto (4), Santos (2), São José do Rio Preto (2), São José dos Campos (2) e Sorocaba (2). 


Oficial da PM é julgado por assassinato de juíza 

O tenente Daniel Santos Benitez Lopez, um dos 11 PMs acusados de envolvimento no assassinato da juíza Patrícia Lourival Acioli, em 11 de agosto de 2011, foi julgado ontem pelo Tribunal do Júri de Niterói, na Região Metropolitana do Rio. O réu respondeu aos crimes de homicídio triplamente qualificado e formação de quadrilha armada. Ao chegar ao Fórum de Niterói, Marciel Benitez Lopes, pai do policial, agrediu um cinegrafista e agrediu verbalmente repórteres.

A defesa de Benitez tentou suspender o julgamento no Supremo Tribunal Federal (STF). O pedido foi negado nesta semana pelo ministro Celso de Mello. Os advogados alegaram que o réu não poderia ser julgado antes da análise de recursos contra a sentença de pronúncia, decisão judicial que determina o julgamento do réu pelo júri popular. 

CINCO CONDENADOS - Dos 11 policiais militares denunciados pelo Ministério Público por participação na morte da juíza, cinco já foram julgados e condenados. O tenente-coronel Cláudio Oliveira, que comandava o 7º Batalhão da PM (São Gonçalo), é acusado de ser o mandante do crime. Os outros cinco devem ser julgados em 2014. Todos estão presos.

O CRIME - Então titular do 4º Tribunal do Júri de São Gonçalo, a juíza Patrícia Acioli, 47 anos, foi assassinada com 21 tiros na porta de casa, em Niterói, município vizinho. Ela vinha atuando em diversos processos em que PMs de São Gonçalo eram acusados de forjar autos de resistência, isto é, mortes de suspeitos em confronto com a polícia.


Dupla é acusada de torturar 
e matar menino em São Paulo

Um enfermeiro e seu colega são acusados pelo Ministério Público Estadual (MPE) de São Paulo pela tortura, morte e desaparecimento de um menino de 4 anos, na Capital paulista. Os crimes teriam sido praticados entre os dias 13 e 15 de outubro, quando o garoto Luiz Guilherme da Silva de Campos desapareceu após ter sido espancado. Até ontem, o corpo não tinha sido encontrado. 

A criança estava sob a guarda de um dos acusados, segundo o promotor Rogério Leão Zagallo, que fez a denúncia e investiga o caso. Devido às dificuldades financeiras, a mãe de Luiz Guilherme, que já tinha outros três filhos, havia deixado o menino aos cuidados do enfermeiro, amigo da família, para que ele cuidasse e o educasse.

De acordo com as investigações, o enfermeiro, que é funcionário do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu-192) foi acusado de torturar, espancar, matar e sumir com Luiz Guilherme. Agora ele está preso à espera de provável julgamento, segundo o promotor. 

O amigo do enfermeiro, que é estudante de Engenharia, também foi denunciado por Zagallo. Ele foi acusado de omissão diante das torturas infringidas ao garoto, mas responde ao crime em liberdade. Na denúncia, feita pelo MPE, o enfermeiro nega o crime. Ele alega que entregou o menino Luiz Guilherme ao pai biológico, no dia 12 de outubro, quando o garoto foi comemorar o Dia das Crianças. 

AS TORTURAS - De acordo com acusações, o enfermeiro espancou durante três dias o garoto no mês de outubro. Ele teria apanhado no quarto da sua residência porque estava andando devagar e não conseguiu acompanhar o acusado na volta para casa. Ainda de acordo com o MPE, o enfermeiro também obrigava a criança a cumprir tarefas domésticas. Ele teria agredido Luiz Guilherme batendo em suas costas com um “fio de ferro de passar roupas”. Isso aconteceu porque o menino não recolheu as fezes dos cachorros, no quintal da residência. A criança ainda ficou de castigo, sem se mexer por quatro horas sentado numa cadeira, segundo os laudos da Promotoria. 

O agressor e o universitário podem se tornar réus se concordarem com a acusação. Em seguida, será marcada uma audiência de instrução para que os dois sejam interrogados, com a participação das histórias das testemunhas. Depois disto, o magistrado decidirá se eles serão submetidos a julgamento popular ou não pelos crimes. O juiz também pode não aceitar a denúncia, devido à ausência de indícios contra os dois.


 
Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar