Terça-Feira, 20 de Agosto de 2019

Diário de Sorocaba





Leia a edição impressa na íntegra


Clique aqui para acessar a edição do dia
buscar

<< Casa de assassino é destruída por vizinhos revoltados com crime brutal Criminoso enterrou corpo da vítima no quintal

Publicada em 20/11/2013 às 00:11
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR

DESENTENDIMENTO EM ACERTO DE DROGAS

A morte brutal do estudante Lucas Mateus Camargo, 17 anos, revoltou moradores do Parque Vitória Régia 2, zona norte, que destruíram a residência do autor do crime, o pedreiro Wellington Elias dos Santos, de 26, situada na rua Zemira Rosa, 65. 

A vítima estava desaparecida há dois meses. Os vizinhos reclamaram do mau cheiro e a polícia descobriu o corpo enterrado no quintal da casa do criminoso na tarde de anteontem. De acordo com as autoridades e familiares de Lucas, o motivo do assassinato foi desentendimento de acerto de drogas.

Uma das tias de Lucas mora na mesma rua do indiciado. A ajudante geral Daniela Camargo, 32 anos, relata que no dia em que seu sobrinho desapareceu, Wellington afirmou que o teria visto com dois homens desconhecidos. “Ele nos abraçou e lamentou o sumiço. Sempre estava em minha casa perguntando se havia notícias de Lucas. Há poucos dias, fiz uma faxina na casa dele e não desconfiei de que o meu sobrinho estava enterrado no quintal”, lamenta. Ela destaca: “Wellington foi muito sangue frio. Espero que a Justiça não o deixe impune e que pague muito caro por tudo que fez”.

Além de quebrar janelas, portas e revirar móveis, a vizinhança tapou a vala no quintal, usada para enterrar o corpo da vítima, com cal para amenizar o mau cheiro.

ENTENDA O CASO – A Polícia Militar encontrou na tarde de segunda-feira a ossada enterrada no quintal da casa de Wellington, após denúncia anônima. Os policiais tiveram de arrombar o portão, já que não havia ninguém no local. Nos fundos, acharam um saco com partes de corpo humano ao lado de um buraco no chão. 

Os policiais acharam no interior do imóvel o RG do criminoso e o localizaram na casa do seu pai, no Parque Paineiras, zona norte. Wellington confessou que sua intenção foi desenterrar e queimar os restos mortais, depois jogar em caçambas e terrenos do bairro. 

A morte aconteceu em 17 de setembro, quando Lucas foi atraído pelo acusado para usar drogas. Porém, ao adentrar a residência, foi asfixiado. Wellington está preso no Centro de Detenção Provisória (CDP) de Aparecidinha e deve responder por homicídio doloso. 


Bombeiros socorrem mulher atacada por gato

O Corpo de Bombeiros de Sorocaba atendeu a uma ocorrência inusitada na noite de segunda-feira para capturar um gato que atacou a própria dona, Eva Gomes, 65 anos, no bairro Wanel Ville, zona oeste. A vítima do ataque foi hospitalizada porque teve hemorragia, além de ferimentos pelo corpo. 

O ataque do animal ocorreu na noite de segunda-feira, quando Eva estava em casa com os netos de 5 e 12 anos. Ao tentar defender as crianças, a mulher foi atacada pelo gato, que lhe arranhou os membros superiores e inferiores, e ela teve de ser socorrida pelo Corpo de Bombeiros. Os meninos não foram atacados. 

Os vizinhos acionaram a polícia ao ouvirem pedidos de socorro. A dona de casa havia reclamado de que o bichano estava alterado e avançando nas vítimas. A mulher não sabia há quanto tempo o gato estava em sua casa, pois ele foi retirado da rua. Bastante debilitada, ela já estava em casa, em repouso, e sendo medicada. 

O gato está no Centro de Controle de Zoonoses de Sorocaba e encontra-se isolado. Todos os exames foram realizados e o resultado deve sair em 10 dias, mas a suspeita é de que ele esteja infectado pela doença da raiva.


Homem tenta matar irmão em Salto de Pirapora

Um homem tentou matar o próprio irmão na madrugada de ontem, em Salto de Pirapora. Por volta da meia-noite de segunda-feira, a Polícia Militar foi acionada e deslocada ao bairro Campo Largo, do município vizinho. Ao chegar ao local, as autoridades constataram que uma pessoa estava ferida na região do tórax, ferimento causado por uma faca. Para entender o crime, ao conversar com o irmão da vítima, Waldir José Dionízio Filho, a polícia descobriu que ele foi o autor do crime. 

Diante dos fatos, o criminoso foi conduzido à delegacia, onde foi elaborado o boletim de ocorrência de tentativa de homicídio. Waldir José permanece à disposição da Justiça. A vítima foi socorrida até a Santa Casa do município, da qual foi transferida ao Hospital Regional, onde permanece em observação.


PF deflagra maior operação já feita de combate à pedofilia

A Polícia Federal (PF) deflagrou ontem uma das maiores operações de combate à pedofilia já feitas no Brasil. A Operação Glasnost, como foi denominada, já expediu cerca de 80 mandados de busca e apreensão, além de 20 medidas de condução coercitiva e pelo menos um mandado de prisão preventiva. A ação ocorre neste 11 Estados: Paraná, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, São Paulo, Rio de Janeiro, Alagoas, Ceará, Maranhão, Minas Gerais, Bahia e Goiás. Cerca de 400 policiais federais participam da operação.

O balanço divulgado na tarde de ontem pela PF destaca as prisões; foram três no Rio Grande do Sul, uma prisão no Rio de Janeiro, Minas Gerais e também no Estado da Bahia, e sete capturas em São Paulo e também no Paraná. No total foram 20 prisões realizadas ontem, 19 delas em flagrante, e um preso em cumprimento a um mandado de prisão preventiva. 

Entre os alvos da operação, há pessoas de todas as idades e profissões, incluindo um policial militar, um oficial da Aeronáutica, vários professores, bem como um chefe de grupo de escoteiros. Os investigados compartilhavam fotos e vídeos de crianças, adolescentes e até de bebês, muitos deles sendo abusados sexualmente por adultos, e as enviavam para seus contatos no Brasil e no exterior.

A investigação, feita ao longo de dois anos, identificou quase uma centena de brasileiros envolvidos com a produção e o compartilhamento de imagens relacionadas à exploração sexual de crianças e adolescentes na internet. Em todos os casos em que foram identificados abusadores, foram tomadas providências imediatas, a fim de que os abusos fossem prontamente interrompidos.

De acordo com a PF, além dos alvos da Operação Glasnost, mais de 200 suspeitos continuam sob investigação. Entre os suspeitos foram identificados, até ontem, três abusadores sexuais. Um deles atentava contra a própria filha, de apenas 5 anos de idade, e compartilhava as imagens desses abusos na internet com outros pedófilos ao redor do mundo.

A equipe de policiais envolvidos na Operação Glasnost também identificou brasileiros residentes nos Estados Unidos. Eles estão sendo investigados com a colaboração da Agência Federal de Investigação dos Estados Unidos (FBI). A coordenação nacional da operação está a cargo da Superintendência de Polícia Federal em Curitiba, na pessoa do delegado de Polícia Federal, Flávio Augusto Palma Setti. 

NA REGIÃO – A Operação Glasnost prendeu ontem um rapaz de 21 anos, em Itu. O perito analisou o computador do acusado e encontrou imagens de menores de idade que caracterizavam abuso sexual. Ele foi preso em flagrante. Apenas no Estado de São Paulo, 17 cidades tiveram mandados de busca e apreensão. Os municípios são estes: São Paulo, Cruzeiro, Indaiatuba, Araçatuba, Bauru, Jaú, Campinas, Capivari, Bragança Paulista, Hortolândia, Aparecida, Cachoeira Paulista, São José do Rio Preto, São Bernardo, Guarulhos, Osasco e Itu. 

NOME DA OPERAÇÃO - O nome da operação, “Glasnost”, é um referência ao termo russo que significa transparência. A palavra foi escolhida porque a maior parte dos investigados utilizava servidores russos para a divulgação de imagens de menores na internet e para fazer contatos com outros pedófilos ao redor do mundo.


Ao tentar fugir de ladrões, estudante é morto a tiros em SP

O estudante Renan Alves Gomes, 20 anos, foi morto com tiros no peito ao tentar fugir de ladrões na noite de segunda-feira, no bairro do Limão, zona norte da capital. Gomes estava em um Honda Civic prata, com a namorada, uma estudante de 20 anos, quando dois homens se aproximaram do veículo.

Segundo depoimento da moça à polícia, o Honda Civic estava parado em frente a casa dela. Ela contou que o namorado se assustou, tentou fugir e os ladrões atiraram três vezes no seu peito.

O rapaz dirigiu em alta velocidade até a avenida Engenheiro Caetano Álvares, mas desmaiou e o veículo bateu em outros três carros. Os bandidos conseguiram fugir.

No mês de setembro, o Estado de São Paulo registrou queda de 23,63% nos latrocínios (roubo seguido de morte, que passaram de 34 para 26 casos), em relação ao mesmo mês do ano passado. Os dados são da estatística oficial do governo. Em agosto, a estatística indicou aumento desse tipo de crime em relação a 2012, de 23 para 29 casos.


CASO JOAQUIM 

Polícia deve fazer reconstituição do crime

A família de Guilherme Longo, principal suspeito da morte do garoto Joaquim Marques Ponte, 3 anos, instalou cerca de arame farpado em torno da casa onde ele morava com o menino, a mulher e o filho de três meses do casal, em Ribeirão Preto, há 304 quilômetros de Sorocaba. O imóvel será palco de uma reconstituição do suposto assassinato de Joaquim, cujo corpo foi encontrado no dia 10 em um córrego em Barretos, a 150 quilômetros de Ribeirão.

O motivo da cerca, que está sobre o muro e o portão, seria evitar invasões à residência, desocupada há mais de uma semana, desde que o casal foi preso após o corpo de Joaquim ser encontrado boiando no Rio Pardo. Antes disso, o menino havia desaparecido misteriosamente de seu quarto, em Ribeirão, durante a madrugada do dia 5. A mãe de Joaquim, a psicóloga Natália Ponte, também é investigada.

O imóvel onde a família morava pertence a Dimas Longo, pai de Guilherme. O padrasto deve participar da reconstituição, mas a presença de Natália ainda não foi confirmada. Segundo a polícia, falta acertar apenas alguns detalhes relacionados à segurança para que isso seja feito. Desde a morte do menino, a frente da casa tem sido ponto de peregrinação e recebido muitas homenagens de populares.

PONTO-CHAVE - A Polícia Civil diz já ter elementos importantes na investigação capazes de incriminar Guilherme Longo. "Vamos prosseguir nas diligências, mas já temos um ponto-chave que não podemos revelar", afirmou o delegado Paulo Henrique Martins de Castro, responsável pelo caso.

Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar