Quinta-Feira, 2 de Abril de 2020

Diário de Sorocaba





Leia a edição impressa na íntegra


Clique aqui para acessar a edição do dia
buscar

<< Mantega nega aumento no preço do combustível O ministro certificou que a inflação está sob controle

Publicada em 26/08/2013 às 21:20
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, negou ontem que haja previsão de aumento dos combustíveis vendidos pela Petrobras. Segundo ele, não há alta prevista e a inflação está sob controle. 

Ele disse que a dona de casa pode ficar tranquila porque assunto relativo à perda do dinheiro está controlado. Mantega assegurou que não será permitido  grandes repasses de preços nem que a Petrobras tenha aumento. Depois de tentar convencer a população de que não haverá reajustes, o ministro desmentiu a versão popular de possíveis elevações nos valores. “Não sei quem falou isso, não há decisão nenhuma a esse respeito, portanto não há aumento previsto.”

Quanto ao preço do dólar, ressaltou que, diferentemente do que ocorreu no ano passado, quando o governo tomou medidas para erguer o preço da moeda estrangeira, no momento o mercado é que está sendo responsável pela desvalorização do real.

Destacou também que, caso o momento de alta do dólar perdure por muito tempo, lideranças poderão agir nas tarifas de importação. Mantega afirmou que é necessário ver a duração da alta do dinheiro do exterior e, se durar um tempo mais longo, será analisado um novo sistema para entrar em ação. Ele exemplificou algumas possibilidades, por exemplo, a redução de tarifa de importação de produtos, de modo a contrabalançar.

MINICRISE - Durante discurso para os empresários, Guido Mantega usou ontem a expressão “minicrise” para se referir à atual situação econômica e cambial do País. Segundo o ministro, desta vez a crise é menor porque as nações avançadas estão recuperando-se. 


Dilma demite Patriota depois do episódio do senador boliviano

O ministro Antônio de Aguiar Patriota (Relações Exteriores) deixou o governo depois de uma reunião com a presidente Dilma Rousseff na noite desta segunda-feira (26). O Palácio do Planalto anunciou como novo ministro Luiz Alberto Figueiredo, atual embaixador do Brasil na Organização das Nações Unidas.

O motivo da demissão foi o episódio do senador boliviano Roger Pinto Molina, que estava asilado havia um ano na Embaixada Brasileira em La Paz e foi trazido para o Brasil em um carro oficial brasileiro, embora não tivesse ordem do governo da Bolívia para deixar o país.

Nota divulgada pelo Planalto diz que Dilma aceitou o pedido de demissão do ministro Antônio Patriota e indicou o representante do Brasil junto às Nações Unidas, embaixador Luiz Figueiredo, para ser o novo ministro de Relações Exteriores.

Luiz Alberto Figueiredo Machado, 58 anos, nasceu no Rio de Janeiro e é formado em direito pela Universidade Estadual do Rio. Ele ingressou no Itamaraty em 1980 e, no mesmo ano, iniciou atuação nas Nações Unidas como diplomata assistente. Durante a carreira diplomática, representou o País em várias reuniões internacionais sobre mudança climática.


‘MAIS MÉDICOS’

Padilha critica preconceito contra profissionais da Saúde do exterior

O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, disse nesta segunda-feira (25) que o governo não vai tolerar qualquer motivação ao preconceito e à xenofobia, ou seja, antipatia aos estrangeiros que estão no Brasil para trabalhar no programa “Mais Médicos”. Ele explicou que é preciso receber os profissionais de braços abertos.

Padilha reiterou as críticas ao presidente do Conselho Regional de Medicina de Minas Gerais, João Batista Gomes, que disse que orientaria os médicos nacionais a não socorrer erros dos colegas cubanos. De acordo com o ministro, o governo tem segurança jurídica sobre a determinação para que os conselhos regionais concedam registro provisório aos os estrangeiros que participam do projeto. A determinação está na MP (Medida Provisória) que cria o programa. 

Ao discursar na cerimônia de acolhimento a cerca de 200 médicos estrangeiros, o representante da Saúde pediu desculpas por problemas no alojamento em Brasília, onde profissionais reclamaram do número excessivo de pessoas. Segundo a declaração, serão feitos ajustes no Distrito Federal e em outros locais caso seja necessário. 

REVALIDA - Médicos brasileiros são a maioria dos que fizeram a primeira fase do Revalida (Exame Nacional de Revalidação de Diplomas Médicos) no domingo (25). Segundos balanços divulgados ontem pelo Ministério da Educação, dos 1.772 inscritos, 937 são do País; em segundo lugar, estão 467 bolivianos e 110 peruanos. 

Na origem dos diplomas também se destacam-se nações da América Latina. Entre os inscritos, 990 têm diplomas expedidos por instituições na Bolívia, 230 por escolas de Cuba e 120 por paraguaias. Juntos representam 75% das inscrições no Revalida 2013.


Aposentados e pensionistas recebem primeira parcela do décimo terceiro

O INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) começou a pagar ontem a primeira parcela do décimo terceiro salário de aposentados e pensionistas. A expectativa é de que, até o dia 6 de setembro, 26,5 milhões de pessoas recebam o benefício. O pagamento, autorizado por uma portaria no início deste mês, deve injetar na economia brasileira aproximadamente R$ 12 bilhões. No ano passado, foram pagos R$ 130 bilhões com o 13º dos trabalhadores brasileiros, equivalente a 2,9% do PIB (Produto Interno Bruto).

Sobre a primeira parcela do 13º, não incidem imposto de renda ou recolhimento para a Previdência – cobrados somente sobre a segunda parcela do benefício. Para os trabalhadores com carteira assinada, a primeira parte deve ser paga entre 1º de fevereiro e 30 de novembro; a segunda, até o dia 20 de dezembro. Para os servidores públicos, a regra é diferente; a primeira parcela é paga em julho, com base no salário de junho, e a outra, em dezembro, com base no salário de novembro.

Têm direito ao 13º salário os trabalhadores do serviço público e da iniciativa privada, urbano ou rural, avulso e doméstico, bem como os aposentados e pensionistas do INSS. Não têm direito quem recebe amparo previdenciário do trabalhador rural, renda mensal vitalícia, amparo assistencial ao idoso e a pessoa com deficiência, auxílio suplementar por acidente de trabalho, pensão mensal vitalícia, abono de permanência em serviço, vantagem do servidor aposentado por autarquia empregadora e salário-família.


PT começa escolha do novo presidente da sigla

Enquanto o PSDB vive disputa interna em torno da concretização de prévias para decidir o nome do partido para presidência em 2014, o PT deu a largada para o processo eleitoral que definirá o novo presidente da legenda. Os seis candidatos ao posto reuniram-se ontem em São Paulo para o primeiro debate público. Ao todo, serão 27 encontros até o dia 11 de novembro.

O secretário de comunicação do PT, Paulo Frateschi, alfinetou os tucanos. Ele disse que o PSDB nunca fará uma prévia. E, em tom de ironia, afirmou que a oposição decidirá o candidato do partido em um restaurante de um hotel com duas garrafas de vinho da região da Borgonha.

Disputam o PED (Processo de Eleição Direta), o atual presidente nacional da sigla, deputado estadual Rui Falcão, o dirigente Markus Sokol, o deputado federal Paulo Teixeira (SP), e os dirigentes Renato Simões, Serge Goulart e Válter Pomar.

Na semana passada, um jornal da Capital mostrou que, segundo dirigentes tucanos, não chega a 200 mil o número de partidários com algum tipo de vida orgânica na legenda. A falta de organização poderia complicar ainda mais uma eventual votação, pedido defendido pelo grupo ligado ao ex-governador José Serra. O grupo relacionado ao senador Aécio Neves (MG) aposta na escolha pelo nome do senador sem a necessidade de disputa.


Marina dá entrada no TSE ao pedido de registro da Rede

Acompanhada do senador Pedro Simon (PMDB-RS) e dos deputados federais Walter Feldman (PSBD-SP) e Domingos Dutra (PT-MA), a ex-senadora Marina Silva deu entrada nesta segunda-feira (26) ao pedido de registro de seu novo partido, a Rede Sustentabilidade, junto ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral). Apesar de não ter ainda as 492 mil assinaturas necessárias para dar início ao processo, foi apresentado um protocolo com 304 mil assinaturas validadas nos Tribunais Regionais Eleitorais, enquanto as demais aguardam pela certificação dos órgãos da Justiça eleitoral locais.

Ao total, a Rede coletou 850 mil fichas de apoio, mas descartou 200 mil e ainda assim, teve 96.356 assinaturas invalidadas pela Justiça Eleitoral dos Estados, em relação a 73 mil não foi apresentado motivo para rejeição. Entre as fichas rejeitadas estava a do senador Pedro Taques (PDT-MT), que teve sua assinatura invalidada. 

Segundo a ex-senadora, apesar de a lei exigir registro do novo partido em nove locais, já teria número suficiente em 24 unidades da Federação. Até agora, no entanto, somente o Rio Grande do Sul conseguiu formalizar a criação de um diretório estadual. Marina disse acreditar no trabalho da Justiça Eleitoral, que tem o prazo de aproximadamente um mês para conceder o registro e, assim, permitir que o partido dispute as eleições do ano que vem. 


Adultos analfabetos é a maior causa de mortalidade infantil, diz pesquisa

Uma pesquisa feita por jornal da Capital paulista mostra que nenhuma outra de 232 variáveis testadas influi mais nas mortes na infância do que a falta de estudo dos adultos; nem carência de dinheiro, de água ou esgoto têm impacto maior.

Os dados relacionados aos 5.565 municípios brasileiros foram coletados durante o Censo 2010 e compilados pelo Atlas de Desenvolvimento Humano no Brasil. Eles foram usados para criar um modelo explicativo dos indicadores que poderiam causar a morte de crianças de até 5 anos. Por meio de métodos estatísticos, foi possível ver que a maior causa desse tipo de óbito está relacionada à taxa de alfabetização da população com mais de 18 anos.

Para cada ponto percentual retirado da taxa de analfabetismo da população de 18 anos ou mais, a taxa de mortalidade de crianças cai 4,7 pontos. Na prática, se 1% dos adultos de uma cidade é alfabetizado, em média, mais 47 crianças sobrevivem à primeira infância, a cada 10 mil que vem à luz. 


Inundações atingem 6,9 mil pessoas no Rio Grande do Sul

A chuva ininterrupta dos últimos três dias deixou 2,1 mil pessoas desabrigadas e 4,8 mil desalojadas no Rio Grande do Sul, segundo levantamento divulgado ontem pela Defesa Civil. 

Os rios Paranhana, Caí e Taquari transbordaram e invadiram casas em diversos municípios, entre os quais São Sebastião do Caí, Lajeado, Estrela, Sapucaia do Sul, Esteio, Encantado e Arroio do Meio. Em São Francisco de Paula, nos Campos de Cima da Serra, a correnteza arrastou uma caminhonete no domingo (25); um dos tripulantes ficou ferido e outro está desaparecido.

A água também invadiu a pista de pelo menos cinco rodovias, interrompendo o tráfego em trechos. A previsão do 8º Distrito de Meteorologia indica a perspectiva de chuva até hoje à tarde na metade norte do Estado, onde estão as cabeceiras dos rios. A temperatura segue em queda e não está descartada a possibilidade de neve nas áreas mais altas da serra durante a madrugada.


GIRO PELO MUNDO

ARMAS QUÍMICAS NA SÍRIA - Horas depois de inspetores da Organização das Nações Unidas terem conseguido visitar o local de um massacre ocorrido na semana passada nos arredores de Damasco, o secretário de Estado dos EUA, John Kerry, declarou ser inegável o emprego de armas químicas no episódio e acusou o governo da Síria de ter destruído evidências do uso desse tipo de armamento. Damasco, por sua vez, nega envolvimento e atribui a atrocidade aos rebeldes que tentam depor o governo.

ACORDO DE PAZ NA COLÔMBIA - Representantes do grupo guerrilheiro Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia) e do governo colombiano retomaram nesta segunda-feira o diálogo pacífico, apesar de não terem chegado a um acordo sobre a proposta de Bogotá de levar a referendo um futuro tratado de paz. O governo, por sua vez, alega tratar-se apenas de uma divergência técnica e afirmou que negocia de boa-fé, o que aparentemente facilitou a retomada da conversa.

PAPA AJUDA JOVENS - O jornal espanhol “El País” destacou ontem uma reportagem sobre jovens que participaram da Jornada Mundial da Juventude, no Rio de Janeiro, e estão pedindo refúgio ao governo brasileiro. Segundo o periódico, há a esperança de o papa Francisco solicitar à presidente Dilma Rousseff que conceda o estatuto do refugiado aos jovens.


 
Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar