Terça-Feira, 7 de Abril de 2020

Diário de Sorocaba





Leia a edição impressa na íntegra


Clique aqui para acessar a edição do dia
buscar

<< Classe médica nacional envolve polícia contra profissionais cubanos A principal crítica é a dispensa dos estrangeiros do Revalida

Publicada em 24/08/2013 às 18:00
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR

Presidente chama Dilma e ministros de ‘tríplice do mal’

Ameaças, acusações e pressões foram emitidas ontem pelos representantes regionais da classe médica. Eles rotulam a atuação dos profissionais cubanos, que virão ao País por meio do programa “Mais Médicos”, lançado pelo governo federal, como ilegal. Há até promessas de, se necessário, chamar a polícia, quando os especialistas estrangeiros começarem a trabalhar. A importação também não agradou aos presidentes dos CRM (Conselhos Regionais de Medicina). Os representantes chamaram a atividade de afronta e, caso haja erros dos médicos de Cuba, brasileiros não farão consertos.

Os médicos formados no exterior preencherão as vagas dos brasileiros; a primeira etapa de seleção completou apenas 40,5% dos lugares. Na sexta-feira (23), profissionais portugueses, espanhóis e argentinos, entre outras nacionalidades, desembarcaram no Brasil. 

A principal reclamação dos médicos nacionais é que os cubanos não precisarão fazer o Revalida, exame de revalidação dos diplomas obtidos no exterior. Contudo o “Mais Médicos” exige uma prova de três semanas, que será feita no País. 

O presidente do CRM do Maranhão, Abdon Murad Neto, disse que não será dado registro para estrangeiro só porque há uma decisão governamental. “Não vamos dar registro para médico de fora porque a Dilma, o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, e o da Educação, Aloizio Mercadante, a tríade do mal no Brasil, estão mandando."

Alexandre Bley, representante do CRM do Paraná, alegou que não importa se o médico veio no colo do ministro ou da Dilma, e para terminar a declaração, ressaltou que o Revalida é uma lei e o exercício ilegal da profissão é caso de polícia.

Segundo o Ministério da Saúde, os conselhos não podem se negar a conceder o registro provisório, previsto na MP do programa a não ser que a Justiça dê uma liminar.

Até agora, segundo a pasta, todas as ações tiveram resultado favorável ao governo. Até a decisão final, que poderá chegar ao STF (Supremo Tribunal Federal), os médicos estrangeiros poderão trabalhar normalmente no Brasil, mesmo sem o Revalida.

AÇÃO CONTRÁRIA - A AMB (Associação Médica Brasileira) ingressou no STF com nova ação para tentar suspender a medida provisória. Há um mês a entidade havia feito pedido semelhante ao Supremo.


Aécio Neves diz que não se afastará da presidência do PSDB se disputar prévias

O senador Aécio Neves (MG), possível candidato do PSDB à Presidência da República, afirmou que não se afastará da presidência nacional do partido se for disputar prévias partidárias para definir o candidato tucano para 2014. Na quarta-feira (21), Serra disse à imprensa que aceitaria participar de prévias, desde que todos os pré-candidatos conheçam as regras e disputem em igualdade de condições.

O senador mineiro falou sobre a pesquisa Ibope divulgada ontem, segundo a qual a avaliação de "ótimo e bom" do governo da presidente Dilma Rousseff subiu de 31% para 38% entre 12 de julho e 19 deste mês. Aécio disse ver como natural a recuperação da popularidade de Dilma em razão da grande exposição a que ela vem se submetendo nas últimas semanas.

A viagem de Aécio ao interior paulista – na sexta-feira (23) em Ribeirão Preto, ontem em Barretos - foi a primeira etapa de um giro que o senador fará pelo Brasil para consolidar sua pré-candidatura presidencial. 

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), que estava sendo esperado em Barretos para acompanhar Aécio Neves, desistiu na última hora para, segundo informações de correligionários, não melindrar o ex-governador Serra.


Maioria rejeita doação de verba de empresa para campanha eleitoral

Quando questionados sobre o financiamento das campanhas eleitorais, apenas 20% dos entrevistados pelo Ibope mostram preferência pelo atual modelo, em que os candidatos recebem recursos de empresas, de pessoas físicas e também dos cofres públicos, por meio do Fundo Partidário.

Do universo dos entrevistados que responderam à pergunta sobre esse tema (excluída a parcela que não soube se manifestar), 39% defenderam o chamado financiamento público exclusivo, em que apenas verbas do governo alimentariam as campanhas. Outros 14% se declararam favoráveis somente à permissão para que pessoas físicas contribuam, ou seja, 53% querem retirar as empresas do financiamento eleitoral.

A maioria também prefere mudar a forma como se reparte o eleitorado: o voto distrital é apoiado por 50%, e outros 21% preferem uma combinação desse modelo com as regras atuais.

Só existe rejeição à mudança quando o tema é a forma como se definem os candidatos a deputado. A grande maioria (74%) acha melhor manter o atual sistema de lista aberta, no qual os eleitores podem votar nas pessoas ou nos partidos.


Famílias de sem-teto ocupam terreno do governo em SP

Quase 500 famílias ocupavam na manhã de ontem um terreno do governo federal, na zona sul da cidade de São Paulo, que foi invadido na sexta-feira (23) à noite por cerca de 400 famílias ligadas ao MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Teto). Segundo nota do grupo, a área tem mais de 10 mil metros quadrados e estava abandonada há mais de 15 anos. Ela está situada na Rua Silveira Sampaio, no bairro de Paraisópolis.

“Queremos abrir negociação com as três esferas de governo para que esse terreno seja transformado em moradias por meio do Programa Minha Casa, Minha Vida”, justificou Guilherme Boulos, um dos coordenadores do MTST. Ele informou que o número de famílias cadastradas chega a 1,2 mil. De acordo com Boulos, são pessoas que vivem em casas alugadas no mesmo bairro da ocupação. O terreno, conforme salientou, faz divisa com mansões do bairro do Morumbi.

A mobilização foi provocada pela demora nas ações de combate à falta de moradias no País. Na avaliação do coordenador, o déficit habitacional, calculado em cerca de 6,5 milhões pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), é subestimado. Só o número de inscrições por meio do Programa Minha Casa, Minha Vida, disse, chegou a 17 milhões de unidades quando foi aberto em 2009.


Joaquim Barbosa afirma que não será candidato político

Em um longo perfil publicado ontem pelo jornal norte-americano “The New York Times”, o presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Joaquim Barbosa, é retratado como alguém direto, sem tato, mas que não tem medo.

Segundo o perfil, as ações recentes de Barbosa envolvendo o julgamento do mensalão, além de outros casos que passaram pelo tribunal, tornaram o ministro do Supremo objeto de fascínio popular. Ainda assim, ele afirmou que seu temperamento não é o mais adequado para o jogo político. 

Com relação à recente acusação que fez ao colega de STF, Ricardo Lewandowski, de que o magistrado estaria fazendo "chicana", Barbosa não se desculpou, ressalta o periódico ameriacano. Ele disse à publicação que alguma tensão é necessária para o tribunal funcionar corretamente.

O jornal fez também uma ligação entre o trabalho do tribunal e a onda de protestos que tomou o País. O presidente explicou que discorda da violência de alguns manifestantes, mas disse acreditar que os movimentos de rua são um sinal de exuberância da democracia.


País precisa ser mais agressivo na busca comercial, dizem especialistas

O Brasil precisa ser mais agressivo na busca por parceiros comerciais para ampliar seus mercados para exportações. Na avaliação de especialistas, a maior parte dos acordos de comércio exterior mantidos pela Nação é com mercados de pouca expressão. Segundo eles, o País necessita acelerar a conquista de grandes mercados consumidores como Estados Unidos, União Europeia, Japão e China para assegurar sua sobrevivência na economia globalizada.

De acordo com informações do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, atualmente o Brasil mantém acordos com Chile, Bolívia, México, Peru, Colômbia, Equador, Venezuela, Cuba, Índia, Israel, África do Sul e Egito como membro do Mercosul. Sozinho, mantém tratados com Uruguai, Argentina, México, Guiana e Suriname. Tem ainda acordo de preferência tarifária com os países da Aladi (Associação Latino-Americana de Integração). A Nação também mantém diálogo com a União Europeia para acordo como membro do Mercosul, mas as negociações, lançadas em 1999, ocorrem em ritmo lento.


Usuários de 4G devem chegar a um milhão até o fim do ano

A tecnologia de acesso à rede de internet móvel 4G deve chegar ao fim do ano com cerca de um milhão de usuários, segundo previsão da consultoria de telecomunicações Teleco. A estimativa da Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações), com base em números da indústria, era chegar a dezembro com aproximadamente quatro milhões, o que é considerada uma previsão irrealista, na avaliação do presidente da Teleco, Eduardo Tude.

Até o fim de junho, a Anatel registrara 174,1 mil usuários de 4G em todo o País. Em abril, o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, disse que o número de acessos 4G poderia superar a previsão da Anatel, de 4 milhões até o fim do ano.


Fundação do beato João Paulo II ajuda projetos na América Latina

São 170 os projetos que a Fundação “Populorum Progressio”, do Pontifício Conselho Cor Unum, apoiará na América Latina. Cerca de 27 planos devem ocorrer na Colômbia, 22 no Brasil, 16 na Bolívia, 15 no Peru, e outros na Argentina, no Chile, Colômbia, Costa Rica, Equador, El Salvador, Guatemala, Haiti, Honduras, México, Nicarágua, Panamá, Paraguai, República Dominicana, Uruguai e Venezuela.

A fundação foi constituída pelo beato João Paulo II no dia 13 de fevereiro de 1992, ano do quinto centenário da evangelização do continente americano. A Populorum Progressio é dirigida pelo presidente do Cor Unum, o cardeal Robert Sarah, e formada por cinco arcebispos latino-americanos, um secretário laico e pelo subsecretário dom Segundo Tejado Muñoz. O conselho reúne-se todo ano em um lugar diferente da América Latina, escolhido entre os países membros, para examinar os projetos apresentados e selecionar os mais idôneos.

Neste ano, foram apresentados 200 projetos e selecionados 170. Os pedidos mais frequentes de apoio relacionam-se com a formação; mas há também pedidos para a escavação de poços e encanamento de água, para salões de reuniões e para estruturas sociais de vários tipos. Os países que apresentam as maiores necessidades, de acordo com dom Tejado, são a Bolívia, a Colômbia e o Brasil. Sobre o fenômeno brasileiro, uma das nações mais ricas da América Latina, ele conta que os que parecem mais ricos são aqueles em que se manifesta o maior contraste entre os centros urbanos e as periferias. Há uma grande diversidade de condições e uma fortíssima desigualdade entre ricos e pobres.


GIRO PELO MUNDO

OBAMA DISCUTE SOBRE SÍRIA - O presidente Barack Obama reuniu-se ontem com sua equipe de segurança nacional para discutir os possíveis próximos passos com relação à Síria. A encontro ocorreu em meio aos relatos de que o governo sírio teria utilizado armas químicas letais. Altos funcionários de segurança nacional já haviam se encontrado no início da semana passada na Casa Branca, enquanto Obama estava em uma excursão de ônibus por Nova York e Pensilvânia.

INCÊNDIO DEVASTA CALIFÓRNIA - O avanço do grande foco de incêndio, que atinge o interior da Califórnia, nos Estados Unidos, e afeta o Parque Nacional de Yosemite, obrigou o governador, Jerry Brown, a decretar estado de emergência também na cidade litorânea de San Francisco, informou ontem a imprensa local. O incidente, que começou há seis dias nas cordilheiras de Serra Nevada, obrigou as autoridades a fechar duas centrais hidrelétricas que fornecem energia à cidade.

IGREJA TERÁ NOVA ENCÍCLICA - Depois de publicar a "Lumen fidei" (Luz da fé), escrita a quatro mãos com o Papa Emérito Bento XVI, o papa Francisco está preparando uma nova encíclica, a "Beati pauperes" (Bem-aventurados ou felizes os pobres), que será lançada até 24 de novembro, no encerramento do Ano da Fé. Francisco aproveita o tempo para escrever no Vaticano, após ter renunciado às férias de verão, em Castelgandolfo. Segundo o Serviço Brasileiro da Rádio Vaticana, o Santo Padre trabalha ainda em outros textos, dedicados a estudos da reforma da Cúria e do banco do Vaticano. A nova encíclica teria igualmente a colaboração de Bento XVI e se centraria no chamado Sermão da Montanha.


 
Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar