Terça-Feira, 7 de Abril de 2020

Diário de Sorocaba





Leia a edição impressa na íntegra


Clique aqui para acessar a edição do dia
buscar

<< Defenda Sorocaba inicia programa de palestras com ex-governador Fleury Filho

Publicada em 24/08/2013 às 16:46
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR

No auditório da Casa do Advogado, sede da OAB – Sorocaba, o Instituto Defenda Sorocaba - IDS iniciou, no dia 21 deste mês, seu projeto de palestras com a presença do ex-governador Luiz Antônio Fleury Filho, que governou o Estado de São Paulo de 1991 a 1995. Fleury foi o primeiro governador eleito em eleições de dois turnos, elegendo-se no segundo turno.

A palestra abordou o tema segurança pública. Segundo Fleury, o tema segurança pública “só é prioridade na época de eleições, depois vira patinho feio”. Fleury defende a necessidade de dar prioridade à questão da segurança pública e para haver eficácia na gestão os seguintes fatores têm de ser observados: 1 – Legislação adequada; 2 – Justiça ágil 3 – Ministério público atuante; 4 – Sistema carcerário funcionando; e 5 e talvez o principal - Política social adequada.

Fleury também destaca que a “sensação de insegurança” que o cidadão vive deve-se à perda do aspecto “intimidativo” da pena, “a possibilidade de pena não está assustando mais ser preso”, pois entre outras coisas há uma grande demora entre o crime e o julgamento; a interiorização dos presídios também colabora com esse sentimento.  

Como deputado federal, cargo que assumiu após seu mandato no governo do Estado, Fleury disse defender a necessidade de se definir legalmente os crimes de fuga, pois não se pode dar o direito de fuga ao criminoso; as participações em rebeliões também deveriam ter definição legal e, sobretudo, crimes para receptação, pois o receptor é o principal responsável pelo delito. 

Em sua apresentação, deu como exemplo para a falta de prioridade para a segurança pública o próprio governo federal, que possui 39 ministérios, “até ministério da pesca”, mas não há ministério da Segurança. Pública, da defesa civil nem uma política nacional antidrogas. Todas essas funções caem sobre o Ministério da Justiça, que tem de se preocupar com uma infinidade de assuntos. 

O ex-governador elogiou a iniciativa do IDS enfatizando ser fundamental a sociedade debater e priorizar assuntos como as políticas sociais, como primeiro passo para uma sociedade mais segura.


 

Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar