Segunda-Feira, 6 de Abril de 2020

Diário de Sorocaba





Leia a edição impressa na íntegra


Clique aqui para acessar a edição do dia
buscar

<< Teatro do Sesi recebe hoje a Orquestra Sanfônica de São Paulo Da música erudita ao xote, da valsa ao forró integram o repertório da Orquestra de acordeons

Publicada em 24/08/2013 às 00:30
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR

Música erudita instrumental, arrasta-pé, forró, samba, xote, sertanejo, vaneirão, valsa, tango e chorinho: não é só com o vasto repertório que a Orquestra Sanfônica de São Paulo surpreende. No palco, 30 acordeons reproduzem timbres e tonalidades capazes de imitar o som de instrumentos como o saxofone, o violino e o oboé. 

Explorando o mundo da música clássica e da popular em um mesmo espetáculo, a Orquestra Sanfônica de São Paulo apresenta-se em Sorocaba neste sábado (24) à noite, no Teatro do Sesi (rua Gustavo Teixeira, no bairro do Mangal). O espetáculo gratuito começa às 20 horas.

"La Traviata", "Preludio Atto I", "Aquarela do Brasil", "Asa Branca", "Luar do Sertão" e "Tico-Tico no Fubá" são algumas das obras apresentadas pela Orquestra Sanfônica. O conjunto nasceu em 1988, fruto do trabalho desenvolvido pela professora e maestrina Renata Sbrighi. A Orquestra é pioneira em seu gênero e hoje, ainda sob a regência de sua fundadora, apresenta-se em cidades em todo o Estado e grupo já foi convidado, inclusive, a participar por diversas vezes do Concurso e Festival Internacional de Acordeon de Castelfidardo, na Itália, um dos poucos a representar o Brasil neste evento.


Os Parlapatões apresentam o infantil `Totalmente Pastelão' amanhã no Sesc 

Baseado na farsa medieval anônima "O Pastelão e a Torta", o mais novo espetáculo infantil "Totalmente Pastelão", encenado pelo grupo Os Parlapatões, será apresentado ao público mirim de Sorocaba neste domingo (25), às 11 horas, no teatro do Sesc. Com texto e direção de Hugo Possolo, a farsa foi adaptada ao gosto das crianças e é recheada de tombos, confusões e muitas tortas na cara. Os ingressos estão esgotados, porém.

Chico Farofero e Resmelengo são dois moradores de rua, malandros, meio palhaços, que têm a ideia de montar uma empresa de trapaças. O primeiro negócio surge ao acaso, quando Farofero, o mais malandro da dupla, ouve uma conversa entre Tartamelo e sua esposa Dulcineia, donos de um doceria, e decide trapaceá-los. Assim, ele e Resmelengo inventam um jeito de conseguir comer os salgados e doces feitos pelo casal. No final, nem tudo acontece como eles tinham planejado e as trapaças deles terminam numa grande confusão.

OS PARLAPATÕES - Desde 1991, os Parlapatões trabalham voltados para a comédia, desenvolvendo uma dramaturgia própria, utilizando técnicas circenses e recursos do teatro de rua. Seus espetáculos circulam em diversas capitais do País e também com apresentações em outros países. Seus grandes sucessos são PPP@WllmShkspr.br, que realizou mais de 500 apresentações; Sardanapalo, dois anos em cartaz, participou do Festival de Edimburgo, Escócia; Zèrói, Prêmio Estímulo, 94; U Fabuliô, representante oficial do Brasil na Expo 98, em Lisboa; Não Escrevi Isto, Prêmio Shell (cenografia) e Prêmio Estímulo 98, e Pantagruel, Prêmio Estímulo em 2001. Em 1998, gravaram o CD O Circo, indicado ao Prêmio Sharp de melhor disco para crianças. Ainda neste ano, receberam o Grande Prêmio da Crítica APCA pelo evento "Vamos Comer O Piolim".


Música embala `Viva a Praça' no Campolim

O músico Gui Silveiras é o destaque neste domingo (25) dentro do Projeto "Viva a Praça", da Secretaria de Cultura e Lazer da Prefeitura, no Parque "Carlos Alberto de Souza", no Campolim. Gui Silveiras mostra seu talento às 11 horas. Compositor e guitarrista, o artista pesquisa e desenvolve um trabalho que costura ritmos brasileiros com o colorido harmônico da música instrumental de vanguarda. Premiado pelo Programa de Ação Cultural do Governo do Estado de São Paulo (ProAC), no ano passado, Gui está também lançando o seu primeiro trabalho. O disco Caburé apresenta um repertório que expressa o cotidiano brasileiro, as relações das classes sociais, seus contrastes e semelhanças. No Campolim, Gui Silveiras leva ao público um retrato do Brasil atual que, sem perder sua identidade, dialoga com o mundo a partir de suas tradições.

Já no bairro de Brigadeiro Tobias, o destaque do "Viva a Praça" de amanhä, na praça Alberto Sarti, a partir das 11 horas também, é Tatiana Palma, com um show cadenciado pela dupla violão e voz em versões acústicas do melhor da música nacional e internacional.


Coral Ars Mvsica Sacra vai amanhã à Vila Carvalho

O Coral Ars Mvsica Sacra de Sorocaba realiza neste domingo (25), às 20 horas, mais um concerto em comemoração aos seus nove anos de atividades, desta vez na igreja matriz de São Benedito, no início da rua Osório Maia (próximo ao Cemitério da Saudade), na Vila Carvalho.

Formado em 2004, o Ars Mvsica Sacra é um coral voltado exclusivamente para o desenvolvimento de repertório da música sacra erudita, revelando com isso a emoção e a elevação espiritual de obras de diversos compositores dos diferentes períodos da história da Música que fizeram parte dos ritos e cerimônias religiosas, com toda sua beleza e originalidade, e que são desconhecidas das novas gerações. É composto por cantores amadores das mais diferentes idades e localidades da cidade e também de outros municípios, que veem na prática do Canto Coral uma forma de enriquecimento humano, cultural e artístico.

Nos seus nove anos de atividades, o Coral tem, assim, apresentado seu repertório em igrejas da cidade e da região, resgatando uma prática antiga quando alguns concertos eram feitos exclusivamente para que os fiéis apreciassem a música sacra como meio de se aproximar da Essência Divina. Com esse intuito, o grupo já desenvolveu um repertório com obras de mestres da música erudita, como "Beatus Vir", de Antonio Vivaldi; "Magnificat", de Antonio Caldara; "Missa em Honra a Nossa Senhora Aparecida", de Benedito Júlio Barreto; "Te Deum", de W.A. Mozart; "Missa Pastoril para a Noite de Natal", de José Maurício Nunes Garcia; "Stabat Mater", de Joseph Reimberger, e "Missa em Fá Maior", de Joseph Haydn.

PARTICIPAÇÄO ESPECIAL DE SOPRANO - O Coral Ars Mvsica Sacra conta sempre, por outro lado, com a participação especial da soprano Maria Augusta Mont'Alvão, executando solos de algumas obras do repertório. Formada em Piano e Canto, Maria Augusta é, atualmente, professora de Canto Lírico no Conservatório "João Baptista Julião" e a preparadora vocal do Coral Ars Mvsica Sacra. Já o acompanhamento ao órgão estará a cargo de Luciane Nagy Cação que, entre outras atividades, é professora de Musicalização Infantil no Colégio Santa Escolástica e, desde 2007, é a diretora musical da `Cantata de Natal na Estação' e também da `Cantata de Natal no Mosteiro'.

A regência do Coral, desde sua criação, está a cargo de Lúcio Martini, regente também do Madrigal Madrigali, Coral Infantil do Mosteiro, Coral Infantil da Magia e Coral Infantil "Toque dos Sonhos". É o produtor e diretor artístico da `Cantata de Natal na Estação' e `Cantata de Natal no Mosteiro'. O grupo apresentará no seu repertório deste domingo, em Vila Carvalho, a "Missa Brevis nº 7", de Charles Gounod; "Laudate Dominum", de W.A. Mozart; "Ave Maria", de Franz Lachner; "Pastores loquebantur", de F.X. Brixi; "Dicite in gentibus", de A.C. Adglasser, e "Omnes de Saba Venient", de Joseph Eybler.

A entrada para o concerto é gratuita. 
 

 

Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar