Terça-Feira, 18 de Junho de 2019

Diário de Sorocaba

buscar

<< Prefeito vai às Secretarias explicar mudanças na administração

Publicada em 06/07/2013 às 01:39
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR

Para conversar com os funcionários e explicar as mudanças pelas quais passarão as secretarias afetadas pela reforma administrativa, na manhã desta sexta-feira (5), o prefeito Antônio Carlos Pannunzio percorreu as Secretarias da Educação, de Gestão de Pessoas, Comunicação e Relações do Trabalho. Na reunião com os supervisores de ensino, na Secretaria da Educação, o prefeito apresentou o secretário da Cultura, José Simões (que será o novo titular na unificação das duas pastas).

Pannunzio elogiou a professora Dulcina Guimarães Rolim, que comandou a Secretaria da Educação desde janeiro, e lhe agradeceu a dedicação. "Foi uma decisão muito difícil, mas necessária para tornar a administração mais eficiente. À professora Dulcina, só posso agradecer pela grande contribuição", disse.

Aos supervisores de ensino explicou que as reformas não afetarão o cronograma de trabalho do setor educacional, que considera entre os mais importantes da administração municipal. "As alterações visam a uma maior eficiência da máquina pública e penso que Educação e Cultura juntas podem, sim, trazer uma melhoria a nossa educação, que já é de muita qualidade. Conto com o apoio de vocês para que continuemos evoluindo e proporcionando a educação de qualidade", disse o prefeito.

José Simões destacou o importante trabalho dos supervisores de ensino, que são os olhos da escola junto ao secretário, junto à administração. "Conto com o apoio de vocês junto às escolas, aos diretores. Iremos em todas as unidades, ouvir as demandas. O objetivo é continuar fazendo o que já vem sendo feito muito bem na educação municipal e avançar, melhorar naquilo que for necessário", disse Simões.

Na Secretaria de Gestão de Pessoas, o prefeito agradeceu ao secretário Rodrigo Maldonado o trabalho dele, e apresentou o secretário de Administração, Roberto Juliano, que assume também aquela pasta na fusão. 

A última visita foi à Secretaria das Relações do Trabalho, onde Pannunzio também fez questão de elogiar Luís Alberto Firmino, e agradecer-lhe o trabalho desenvolvido. Disse contar com a compreensão dos funcionários e pediu o mesmo empenho e dedicação para com o novo titular, o secretário de Desenvolvimento Econômico, Geraldo César de Almeida, que comandará as duas pastas. 

O QUE MUDA - Tão logo seja aprovada pela Câmara, a nova estrutura da administração ficará com 14 secretarias (eram 21), além do Saae, Urbes e Parque Tecnológico. Outras duas secretarias já haviam sido anunciadas, a Secretaria de Serviços Públicos (hoje Parcerias) e a de Desenvolvimento Social (fusão de Cidadania e Juventude). Com isso, serão criadas as secretarias de Desenvolvimento Econômico, Trabalho e Turismo (unifica Desenvolvimento Econômico e Relações do Trabalho), Secretaria da Educação e Cultura (unificação da pasta de Cultura), Secretaria de Mobilidade, Desenvolvimento Urbano e Obras (unifica a atual pasta de Transportes), Secretaria da Administração e Gestão de Pessoas (unifica a pasta de Gestão de Pessoas), Secretaria de Governo e Segurança Comunitária (unifica Segurança Comunitária, Guarda Civil Municipal, Defesa Civil e Comunicação). Outra medida é a extinção da empresa pública Núcleo de Planejamento Regional (Nuplan), que se tornará um instituto. Também serão unificados os contratos de gestão para a Incubadora e Parque Tecnológico, hoje por meio das Organizações Sociais Intes e Inova.
 
 
Decisão de Pannunzio não agrada educadores da cidade

A decisão do prefeito Antônio Carlos Pannunzio (PSDB) de extinguir a Secretaria de Educação e juntar os trabalhos com a pasta de Cultura, não agradou os profissionais de Educação. O secretário de Cultura e Lazer, José Simões de Almeida Júnior, assume a função, saindo de cena a professora Dulcina Rolim Guimarães, que já havia trabalhado no primeiro mandato de Pannunzio. Diversas classes de servidores públicos chegaram a fazer uma manifestação em frente ao Paço na quinta-feira (4), dia em que as medidas de reestruturação administrativa foram anunciadas horas mais tarde. O governo espera economizar R$ 103 milhões até o final dos próximos três anos e meio de mandato. Em contrapartida, os funcionários reivindicam melhores condições de trabalho e aumento salarial. 

Para a presidente da Associação dos Professores da Rede Municipal de Sorocaba (Aspams), Selma Aparecida de Souza, a pasta de Educação já abrangia diversas atividades, o que agora deve ser ainda maior. “Não conheço a história do atual secretário na educação, mas a Dulcina tinha um bom conhecimento pedagógico. Fomos pegos de surpresa e não agradou a maioria dos profissionais, é uma sensação de regressão.” Desde o início do ano, a associação já havia se reunido com a secretária em duas ocasiões, e agora a presidente espera que Simões tenha a mesma postura. “A Dulcina era aberta a conversas, tanto que não conseguimos falar com outros secretários nem o prefeito, só com ela. Pretendemos protocolar um requerimento pedindo uma reunião o quanto antes com o novo secretário.” Já sobre o protesto, Selma conta que não receberam nenhuma resposta por parte de Pannunzio; tanto que na noite de ontem diversos servidores foram até a Casa do Cidadão do bairro Ipiranga, onde o prefeito participou de uma conversa com moradores, para manifestar seus pedidos.  

 
Sindicato desconhece teor da reforma administrativa  

O Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Sorocaba - SSPMS foi totalmente surpreendido pelas notícias divulgadas ontem pela imprensa sobre Reforma Administrativa anunciada pelo prefeito Antônio Carlos Pannunzio, especialmente quanto ao “banco de horas”.

O SSPMS esclarece que em nenhum momento foi chamado ou informado pelo prefeito sobre as intenções da Administração Municipal em alterar Direitos dos Funcionários Municipais de Sorocaba, que integram o Estatuto dos Servidores (Lei 3.800/91), que foram promulgados pelo mesmo prefeito Pannunzio, em 1991. 

O Sindicato esclarece ainda que os servidores municipais somente estendem a sua jornada extraordinária de trabalho, com autorização de chefia superior, e que o fazem para garantir a prestação continuada dos serviços públicos à municipalidade, ou seja, acabam muitas vezes abdicando do seu horário de descanso, do seu lazer e convívio com a família, para que a municipalidade não interrompa os atendimentos essenciais, especialmente na área de saúde, segurança, fiscalização, parques ambientais, centros esportivos e eventos culturais, entre outros.  

A intenção da Administração Municipal de instituir o “banco de horas” com a justificativa de promover “gestão econômica”, será considerada Entidade Sindical como uma aplicação de penalidade disciplinar pela própria administração aos servidores que se dispõem a colaborar com a municipalidade, além do cumprimento de sua obrigação trabalhista. 

O SSPMS está no aguardo do chamamento da Administração Municipal para tomar conhecimento dos seus pensamentos e das suas intenções quanto à possibilidade de alteração dos direitos estatutários dos Servidores Municipais, para poder se posicionar oficialmente, contudo, informa, que não medirá esforços para defender os direitos e os benefícios dos trabalhadores públicos municipais, frutos de árduas batalhas e conquistas nos últimos anos.
 
 
 

Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar