Segunda-Feira, 17 de Junho de 2019

Diário de Sorocaba

buscar

<< CPI de obras do 'Sorocaba Total' define presidente e relator

Publicada em 05/07/2013 às 00:06
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR

Ontem à tarde, durante reunião feita pelos membros que compõem a Comissão Parlamentar de Inquérito – CPI, Irineu Toledo (PRB), Francisco França (PT), Carlos Leite (PT), Izídio de Brito (PT), Anselmo Neto (PP), José Crespo (DEM) e Marinho Marte (PPS), foram eleitos o presidente e o relator dos trabalhos de investigação das obras do “Programa Sorocaba Total”, realizado pelo Executivo.

Por unanimidade ficou decidido que o vereador Irineu Toledo presidirá a Comissão e Anselmo Neto será o relator da CPI, que terá 90 dias para concluir os procedimentos, cujo prazo pode ser prorrogado por mais três meses. 

Segundo Marinho Marte, existe a necessidade de elaborar ofício à Prefeitura, para dar ciência ao Executivo sobre a instauração da CPI e solicitar cópia dos contratos firmados por conta do Programa Sorocaba Total. A Comissão também irá requisitar cópias de documentos Judiciais. 

Um dos documentos é a ação do Tribunal de Contas do Estado, que considerou irregular a licitação e o contrato celebrado entre a Prefeitura e o consórcio formado pelas empresas Planservi Engenharia Ltda. e Paulo Oliveira Engenharia Ltda., no valor de R$ 1,461 milhões, responsáveis pela elaboração de projeto e implantação das obras do Programa Sorocaba Total.

Anselmo Neto destacou que já tem um requerimento aprovado para que o Executivo forneça cópias dos empréstimos em andamento, inclusive as do Sorocaba Total.  Irineu, autor da iniciativa de instaurar a CPI, reforçou a importância da investigação em cumprimento ao trabalho do Legislativo de fiscalizar as ações da Prefeitura.

“As obras do complexo denominado ‘Mário Covas’ sequer foram iniciadas, decorrentes de uma nova marginal no córrego do Itanguá, passando pelas avenidas Santa Cruz, General Carneiro, Luiz Mendes de Almeida e Armando Pannunzio, terminando na Raposo Tavares, o que deixa moradores na incerteza de desocupação de áreas. Existe, ainda, a disparidade entre os valores previstos inicialmente e os efetivamente pagos como indenização”, argumentou o vereador.

Irineu Toledo pediu ainda que sejam oficiados o Tribunal de Contas do Estado de São Paulo e a Procuradoria Geral de Justiça do Estado de São Paulo, que poderão inclusive, se julgarem necessário, indicar representantes para acompanhar o procedimento administrativo.


 
Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar