Domingo, 16 de Junho de 2019

Diário de Sorocaba

buscar

<< Audiência para discutir orçamento do Estado é marcada por críticas

Publicada em 29/05/2013 às 21:09
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR

Uma audiência pública foi realizada ontem em Sorocaba para discutir a elaboração da Lei Orçamentária Anual (LOA) de 2014 do governo do Estado. Com a presença de autoridades de mais de 30 municípios da região, o evento ocorreu no auditório da Fundação Ubaldino do Amaral (FUA) e foi mediada pelo assessor técnico do governo, Maurício Hoffmann, da Secretaria de Estado do Planejamento e Desenvolvimento Regional. 

Aberta ao público, a audiência também foi acompanhada por líderes e representantes de associações de bairros. Após a apresentação da peça orçamentária, o espaço ficou aberto a manifestações e opiniões, mas o que se viu foram críticas ao governo e cobranças por melhorias na saúde, educação e malhas rodoviárias.  

Um dos assuntos mais abordados foi a construção de um novo Hospital Regional em Sorocaba e falta de vagas em creches. Representantes das associações dos bairros Caputera, Vila Sabiá e João Romão, pediram a construção de viadutos sob a rodovia Raposo Tavares. O Estado tem o segundo maior orçamento do País, de aproximadamente R$ 173.448 bilhões, ficando atrás apenas da receita da União. Hoffmann salientou que a participação da região no Produto Interno Bruto (PIB) do Estado é maior que o da baixada Santista, sendo 4,8% e 3,9%, respectivamente. O interior também concentra a maior parte do mercado consumidor com 50,2% da receita, enquanto a grande São Paulo é de 49,8%.

Participaram prefeitos das cidades de Capela do Alto, Pilar do Sul, Cerquilho, Piedade, Apiaí, Salto de Pirapora, Itaí e Itapirapuã Paulista. A professora Fernanda Mattos Duarte (PSD), vereadora da cidade de Torre de Pedra, defendeu o investimento na educação e relatou a superlotação de salas de aula e falta de profissionais. “Falo como mãe e professora, é preciso valorizar os profissionais. Tem professor de inglês dando aula de biologia e matemática, não tem gente pra trabalhar.” O mediador Maurício Hoffmann reforçou que educação e tecnologia são áreas que precisam de investimento e citou que no Estado há 19 Parques Tecnológicos. A vereadora finalizou dizendo que a educação não acompanhou esse desenvolvimento tecnológico. 

REGIÃO – A vice-prefeita da cidade, Edith DI Giorgi (PDSB), acredita que a Saúde deve ser priorizada, não só em Sorocaba, mas também em toda a região. “Além de melhorar o atendimento nas cidades, não sobrecarrega outras como no caso o Hospital Regional. Muitas vezes, as necessidades poderiam ser resolvidas no município de origem, mas esse não tem estrutura.” Ela ainda lembra das mudanças que serão feitas no tratamento da saúde mental e da manutenção de estradas, que acabam interferindo na saúde caso resultem em mais acidentes. “Se toda a região tiver uma capacidade produtiva melhor, o orçamento para investir também será favorável.” Já o prefeito de Votorantim, Erinaldo Alves (PSDB), acredita na integração dos municípios para que todos os setores possam ser beneficiados. Salientou que junto com o crescimento, os problemas também tendem a aumentar e o apoio do Estado é fundamental.

A expectativa do deputado estadual Hamilton Pereira (PT) era de que as promessas do governo estivessem no orçamento, como a duplicação da rodovia João Leme dos Santos (SP 264) e o Hospital Regional. Destacou ainda que é autor de um projeto que prevê a criação de uma região metropolitana na cidade. 

Para o diretor do escritório regional da Secretaria de Estado do Planejamento e Desenvolvimento, José Carlos Barbosa Junior, a participação da sociedade civil é de extrema contribuição, pois levam problemas do dia a dia a partir do olhar de quem vive nas cidades. 

Líder do Parque das Laranjeiras e atuante em discussões de orçamento, Marieta Almeida de Aragão Faria, que também integra o Núcleo Comunitário de Defesa Civil (Nudec), levantou a discussão do desperdício de alimentos e a criação de um banco que possa atender à população e cidades da região. “Só quem já passou fome sabe como é. Já existe o Banco de Alimentos na Ceagesp, mas precisamos de um com menos burocracia e que seja distribuído aos líderes de bairro para que repassem aos necessitados”, declara. Outro participante criticou o não comparecimento de autoridades do governo na audiência. “Os que vieram foram embora”, frisou. 

A reunião foi gravada e quem quiser participar pode enviar suas sugestões pelos sites www.planejamento.sp.gov.br e www.saopaulo.sp.gov.br.


 
Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar