Quarta-Feira, 21 de Agosto de 2019

Diário de Sorocaba





Leia a edição impressa na íntegra


Clique aqui para acessar a edição do dia
buscar

<< DIA DO MÉDICO Atendimento humanizado é foco da medicina atual

Publicada em 17/10/2012 às 23:41
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR

Atendimento humanizado tem se tornado uma prática comum nas instituições (Foto: Divulgação)
Hoje, dia 18 de outubro, é comemorado o Dia do Médico em muitos países, como Brasil, Portugal, França, Espanha, Itália, Bélgica, Polônia, Inglaterra, Argentina, Canadá e Estados Unidos. Esta data foi escolhida por ser o dia consagrado ao discípulo Lucas, o "amado médico", segundo o apóstolo Paulo. Lucas estudou medicina em Antioquia; também era pintor, músico, historiador e um dos mais intelectuais discípulos de Cristo. A tradição de ter Lucas como o patrono dos médicos se iniciou por volta do século XV. De lá para cá, em todo ano uma homenagem é feita a esses profissionais tão dedicados a melhorar e salvar milhões de vidas.

Para o presidente da Unimed Sorocaba, doutor José Francisco Moron Morad, o Dia do Médico é uma homenagem ao profissional da Saúde que dedica de seis a oito anos para poder ajudar a melhorar e salvar milhares de vidas. “Esse profissional não é um profissional da atualidade. Ele é transcendental e até hoje sua relevância é ímpar. Uma homenagem dessa para ele é o mínimo perante sua importância.”

Algo que se tem tornado uma tendência no setor, de acordo com Moron, é o atendimento humanizado. Trata-se de uma tendência irreversível, não só na área médica, mas também em todos os segmentos da sociedade que envolvem atendimento e prestação de serviços às pessoas. Gestores, médicos, equipes de enfermagem, precisam estar preparados para cada vez mais tornar os processos de atendimento mais humanos, mais próximos. 

Dentro do ambiente hospitalar, mais que uma tendência, é um diferencial saber tratar o cliente não somente como um número, e aquelas instituições que insistirem neste padrão de contato e serviço certamente não sobreviverão. Trabalhar pela melhora do atendimento passa pela humanização, ao saber informar, orientar, acompanhar, acolher. Nesse sentido, ganha força a prestação de atendimento psicológico nos diversos setores dos hospitais, contribuindo para o controle da ansiedade e dos temores das pessoas adoentadas e seus cuidadores.

“O atendimento humanizado é não se restringir somente à doença, e sim, atender ao paciente de uma forma mais humana, em todos os aspectos. Não adianta você tratar só o aspecto da doença, pois assim não terá bons resultados. Inúmeros fatores influenciam no estado do paciente, então é preciso ter uma visão global da pessoa e analisar todos os problemas que estão interferindo na saúde dela.” 

Segundo dr. Moron, diversas instituições fazem programas, simpósios e fóruns sobre o tema, ensinando como lidar com o paciente de forma mais próxima. “Atualmente, todos os projetos dos hospitais estão voltados e focados para a humanização dos atendimentos, ou seja, criar áreas em que o paciente possa se identificar, como se estivesse em sua casa, não somente em uma estrutura grandiosa, cheia de equipamentos, um lugar frio”, explica.

A Unimed está sempre preocupada em atender da melhor maneira e, assim, promove sempre fóruns focados na especialização dos profissionais no atendimento humanizado, de qualidade.


CAMINHADA DA UNIMED

O atual Sistema Nacional Unimed começou na cidade de Santos, em 1967. Nessa cidade, os dirigentes da Associação e do Sindicato dos Médicos, inconformados com o desempenho insatisfatório da medicina estatal e preocupados, ainda, com o surgimento e o crescimento do nefasto mercantilismo médico, resolvem trocar o protesto romântico pela ação prática. 

Fazia-se necessário oferecer à população, de particular modo à população obreira, um sistema de assistência médica eficiente que fosse economicamente viável sem ser desprezível, e que preservasse a dignidade do médico e os postulados éticos da profissão. Encontraram no cooperativismo o ideário inspirador dos propósitos almejados. 

Passando da teoria à prática, fundaram a Unimed de Santos, gerada, assim, no generoso ventre das entidades de classe que a ampararam também em seus primeiros passos.

O País dispõe, atualmente, de 370 unidades espalhadas pelos quatro cantos do território brasileiro, com mais de 100 mil médicos atuando em mais de três mil hospitais, atendendo à cerca de 18 milhões de clientes. 

EM SOROCABA - A Unimed de Sorocaba surgiu no seio da Sociedade Médica de Sorocaba, em 1971, pela iniciativa feliz do seu então presidente, profº Newton de Oliveira.

Foi convocada Assembléia Geral Extraordinária da Sociedade Médica, para a qual foram convidados os colegas da Unimed de Santos para que fizessem uma exposição sobre a organização e funcionamento desse sistema.

A 4 de junho de 1971, foi realizada essa assembléia, cujo presidente, o profº Newton de Oliveira, recebeu o dr. Edmundo Castilho, então presidente da Unimed de Santos, e mais os doutores Manoel Gomes Troia e Oswaldo Akamine, os dois últimos ex-alunos da Faculdade de Medicina de Sorocaba e então presidentes respectivamente da Unimed de Piracicaba (3ª Unimed do Brasil) e da Unimed de Rio Claro (12ª Unimed do Brasil). 

Edmundo Castilho proferiu palestra brilhante e muito didática expondo a organização e funcionamento da Unimed de Santos, relatando as experiências já vividas por ele. Completaram a palestra de Castilho, os testemunhos de Manoel Gomes Troia e Oswaldo Akamine sobre a fundação, desempenho e estado atual das Unimed's de Piracicaba e Rio Claro, respectivamente.

Hoje, a instituição na cidade conta com 980 médicos e mais de 1.300 funcionários, todos prontos para fornecer o melhor atendimento a seus clientes.

A Unimed conta com estes dois pontos de atendimento: a sede central, na Av. Juscelino K. de Oliveira, 736, e o Hospital Unimed, na rua Antônia Dias Petri, 135.

 

Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar