Domingo, 16 de Junho de 2019

Diário de Sorocaba

buscar

<< Sala Fundec recebe alunos de piano do IMMS às 20h

Publicada em 16/10/2012 às 22:49
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR

Frederic Chopin e Ludwig van Beethoven são alguns dos nomes que estarão presentes na apresentação (Foto: Divulgação)
Frederic Chopin, Ludwig van Beethoven, Heitor Villa-Lobos e Claude Debussy são alguns dos grandes nomes da música erudita que estão no repertório da Audição de Piano dos Alunos do IMMS (Instituto Municipal de Música de Sorocaba), que acontece nesta quarta-feira, dia 17, às 20 horas, na Sala Fundec (Rua Brigadeiro Tobias, 73, Centro). Os ingressos custam R$ 2. 

A apresentação é coordenada pelas musicistas Lúcia Helena Bismara, Thaís Helena Valim e Maria Regina Rabello, professoras do IMMS. O objetivo da audição é levar ao público músicas de qualidade que demonstram o avanço técnico de cada aluno durante o ano.

O curso de piano do IMMS tem duração de nove anos. O aluno recebe a formação técnica no instrumento, evoluindo desde os primeiros passos até o domínio técnico para interpretar obras de grandes compositores.

Além dos alunos do IMMS, a audição contará com a participação do estudante Artur Andrade, 15 anos, de São Paulo. Ele apresentará as músicas “Le Tambourin” (Jean Philippe Rameau), “O Polichinelo” (Heitor Villa-Lobos) e “Polonaise Op. 53” (Frederic Chopin). “Essa troca é interessante para os nossos alunos porque o Artur traz um repertório muito bom. Isso representa um ganho para os alunos do IMMS”, diz a professora Lúcia Helena.


PASSEIO PELA MPB

Cantora Luzia Dvorek mostra seu disco de estreia nesta sexta

A cantora Luzia Dvorek apresenta nesta sexta-feira (19) no Sesc Sorocaba, às 20 horas, as músicas de seu disco de estreia, “Luzia”, lançado neste ano. Com entrada franca, o show vai ocorrer na Área de Convivência da unidade.

Acompanhada pelos músicos Paulo Dáfilin (violões), Zeca Loureiro (violão e guitarra), Marcelo Ribeiro (contrabaixo), Chrys Galante (percussão), Daniel de Paula (bateria) e João Cristal (teclado e acordeon), a artista mostra ao público composições que passeiam pela MPB. Com doze canções no repertório, “Luzia” traz releituras de músicas de Carlinhos Brown e Ivan Lins. Marcelo Jeneci e Zeca Baleiro assinam alguns dos novos arranjos. 

Filha do artista plástico Silvio Dvorek e da diretora teatral Eugênia Thereza de Andrade, Luzia Dvorek iniciou sua carreira no mercado musical em 2007. “Não queria fazer qualquer CD, com um trabalho apressado, que saísse abaixo das minhas expectativas. Fui construindo com maturidade”, comenta.

Seu trabalho carrega diversas influências, como de Consuela de Paula e de Vitor Ramil. Uma das marcas de seu trabalho é a originalidade das releituras. Luzia acredita que a busca pela autenticidade é o melhor caminho. “Tenho de seguir meu caminho sem pensar que há muitas cantoras. Como disse Simone em uma entrevista: cada um tem seu caminho único. Então, temos de procurá-lo para alimentar a concretização do nosso desejo”, conclui.


‘Grande Otelo’ e Macs promovem série de workshops para discutir arte

A Oficina Cultural “Grande Otelo” em parceria com o Museu de Arte Contemporânea de Sorocaba (Macs) promove a partir do dia 22 deste mês uma série de workshops que visa produzir e debater arte. Além dos grupos de conversas, os participantes também farão parte do processo de criação das obras de dois renomados artistas brasileiros: Jaime Prades e Claudia Bakker. Os inscritos ainda terão a oportunidade de debater com o curador Paulo Klein, que falará sobre a arte contemporânea do ponto de vista de quem tem atuado nesse cenário, nas últimas quatro décadas.

Os dois primeiros workshops acontecem nos dias 22, 23 e 24 deste mês. O encontro, intitulado “Por uma sensibilização do espaço: o espelho e o vento”, ainda tem vagas e possui coordenação de Claudia Bakker. A artista realizará uma instalação e uma palestra sobre sua poética que, em geral, trata da divisão entre arte passageira e permanente. A instalação será criada especialmente para a sala de dança Oficina Cultural Grande Otelo e faz parte de um desdobramento de uma obra recente da artista, que passará a compor o acervo permanente do Macs. Cláudia também irá passar três filmes que mostram questões ligadas à sua obra.

Já o segundo workshop será realizado por Jaime Prades. O artista levará os participantes para um passeio pelas ruas da cidade, para coletar resíduos descartáveis que servirão para serem olhados e tornados objetos de reflexão. Com eles, Prades pretende montar uma paisagem poética com as ruínas do futuro. “A ideia do artista é mostrar a cultura do desperdício e a voracidade em nossa sociedade”, explica a mediadora do workshop e presidente do Macs, Cristina Delanhesi.

Por fim, a Oficina Grande Otelo e o Macs promovem a palestra “Arte neocontemporânea: questões de gênero?”, comandada por Paulo Klein, no dia 26. O curador tratará de diversos temas relacionados à arte e à cultura.

Segundo a organização do evento, todos os workshops são voltados para artistas plásticos, que devem ser selecionados para participar dos encontros por meio de seus portfólios. A entrega dos currículos deve ser realizada até o dia 21 para as duas primeiras oficinas, e até o dia 24 para a última, pelo e-mail: oficina.grandeotelo@gmail.com ou na sede da Grande Otelo, que fica na Praça Frei Baraúna, s/nº, Centro, em Sorocaba.


Quadros de Picasso e Monet são roubados de museu na Holanda

Obras de Pablo Picasso, Henri Matisse e Claude Monet figuram entre os sete quadros roubados na madrugada desta terça-feira do Museu Kunsthal, na cidade holandesa de Roterdã, informou a polícia local pela manhã. Trata-se de um dos maiores roubos de obras de arte ocorridos nos últimos anos na Holanda. O alvo principal dos ladrões pode ter sido o quadro de Matisse, "A Leitora de Branco e Amarelo", de 1919, que é considerado pelos negociantes de arte como uma obra mais rara. 

O roubo ocorre durante a primeira exposição pública coletiva do acervo da Fundação Triton, cedida como parte dos festejos do 20º aniversário do Museu Kunsthal. Não foi divulgada estimativa do valor dos quadros, mas especialistas avaliam por cima que eles levaram obras avaliadas em centenas de milhões de dólares.

A polícia holandesa analisa os vídeos gravados pelo sistema de segurança do museu em busca de pistas sobre o roubo e pede a possíveis testemunhas do crime que a ajudem a esclarecê-lo.

De acordo com a polícia foram roubados dois quadros de Monet, um de Picasso, um de Matisse, um de Paul Gauguin, um de Lucian Freud e outro de Meyer de Haan. Só os quadros de Picasso, Matisse e Monet eram avaliados em pelo menos US$ 25 milhões cada

Uma das obras roubadas de Monet era "Ponte do Waterloo", uma das mais famosas do artista. De Picasso, foi levado o quadro "Cabeça de um Arlequim"; de Freud, "Mulher com os olhos fechados". 

As obras não eram do Museu Kunsthal, que é uma sala grande de exibições que não tem acervo permanente e costuma emprestar as obras que exibe. Os quadros furtados nesta terça-feira faziam parte da mostra "Avant-garde: a Coleção da Fundação Triton", uma mostra de 150 telas de muitos artistas modernistas, reunida pelo magnata holandês da navegação, Willem Cordia (falecido em 2011), e sua esposa Marijke Cordia-Van der Laan. O casal Cordia mantinha um perfil discreto no mercado das artes e por isso vários dos quadros não foram vistos pelo público durante décadas. As informações são da Associated Press e da Dow Jones. (Agência Estado)

  

Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar