Sexta-Feira, 5 de Junho de 2020

Diário de Sorocaba





Leia a edição impressa na íntegra


Clique aqui para acessar a edição do dia
buscar

<< Igreja defende dom da vida e saúde para todos com `Grito dos Excluídos´ Católicos oram no Dia da Pátria defronte ao CHS para que corrupção e quadrilhas não mais comprometam atendimento junto aos nossos hospitais públicos

Publicada em 09/09/2012 às 05:14
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR

Caminhada clamando por Saúde para todos também orou pelo fim dos desmandos, quadrilhas e corrupção no CHS (Foto: Antônio Gavioli/Paróquia de São Lucas)
Um grito em defesa da vida e de dignidade no atendimento da saúde para todos marcou este ano a realização neste feriado de 7 de Setembro, em Sorocaba, do `Grito dos Excluídos´, enfatizando a corrupção no Conjunto Hospitalar de Sorocaba (CHS). O “Grito dos Excluídos” foi introduzido há pouco mais de duas décadas no calendário pastoral da Igreja do Brasil, com o apoio do Episcopado, por intermédio da CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil). Organizado pelas Pastorais Sociais da Arquidiocese, sua coordenação, em sintonia com os apelos da Campanha da Fraternidade´2012 em favor da humanização da Saúde Pública no País, optou, assim, por clamar por melhor atendimento em nossa rede pública de saúde a todos, como preconizado pelos direitos constitucionais brasileiros, e em especial aos excluídos.

A missa que abriu o evento foi celebrada logo pela manhã na igreja matriz de São Lucas, no bairro do Vergueiro, escolhida pelos organizadores do `Grito dos Excluídos´ justamente por estar sediado em meio ao Conjunto Hospitalar de Sorocaba (CHS). Acometido de forte estado gripal, o arcebispo metropolitano dom Eduardo Benes de Sales Rodrigues não pôde estar presente, delegando a presidência da Celebração Eucarística ao reitor do Santuário de São Judas Tadeu, do bairro do Central Parque, padre Flávio Jorge Miguel Júnior, que tendo a seu lado o padre Manoel César de Camargo Júnior, novo titular da Paróquia de Santa Rita de Cássia, de Vila Santana, e coordenador arquidiocesano de Pastoral, dedicou toda a liturgia ao clamor do povo excluído por um melhor e mais humanizado atendimento de saúde na rede pública. Disse não haver ocasião mais propicia à realização anual do `Grito dos Excluídos´ que a data que remete à proclamação da independência política do Brasil em relação ao julgo português em 1822 e enfatizou a necessidade de se exigir um basta à onda de corrupção e à atuação de verdadeiras quadrilhas que se instalam no sistema de Saúde Pública no Brasil. “E não é somente em Sorocaba, onde nossos doentes abarrotam sem muita dignidade inclusive os corredores do Conjunto Hospitalar aqui ao lado, em macas improvisadas, mas em todo o País, como a televisão vive a mostrar”, desabafou o padre Flávio Júnior em sua homilia, ressalvando, contudo, ser uma minoria de maus médicos, maus enfermeiros, maus administradores hospitalares, maus prefeitos, enfim, maus políticos que “levam o dinheiro destinado à Saúde Pública, tornando-a cada vez mais desumana e caótica”.

Outro lamento fez padre Flávio Júnior lembrando-se da copeira de sua casa que, necessitando de consulta com médico neurologista por causa de fortes dores de cabeça, só conseguiu agendá-la num Centro de Saúde da região onde mora aqui na cidade para 2015. “Atualmente, o médico dessa especialidade ali lotado está dando atendimento às consultas previamente agendadas em 2009, 2010...”.

CAMINHADA PELA HUMANIZAÇÃO DA SAÚDE – Representações das Pastorais Sociais da Arquidiocese (Pastoral da Sobriedade, Pastoral da Saúde, Pastoral Carcerária, Pastoral da Promoção Humana, Campanha da Fraternidade, Movimento “Fé e Política”, Comunidades Eclesiais de Base/CEBs, etc.) tomaram parte deste `Grito dos Excluídos´2012´, que teve ainda expressiva participação, com seus vistosos estandartes, de grupos paroquiais do “Apostolado da Oração”, que foram à frente na caminhada pela Saúde que se seguiu à missa, percorrendo a rua Cláudio Manoel da Costa, onde está situado o Conjunto Hospitalar, ao lado da Igreja Matriz.

A caminhada foi marcada pela recitação do terço do Rosário de Nossa Senhora e, em parada defronte à entrada principal do Hospital Regional, padre Flávio Júnior voltou a clamar a Deus, apelando novamente para que por sua intercessão cessem os desmandos, a corrupção, as injustiças e as quadrilhas e o Evangelho, pelo Sagrado Coração de Jesus (anteontem era também a primeira sexta-feira de setembro, quando a liturgia devocional católica d´Ele se lembra de modo muito particular todos os meses) reine soberano pela Saúde e pela dignidade de atendimento, sobretudo aos excluídos, em Sorocaba. O sacerdote lembrou ainda uma expressiva meditação de São Padre Pio, que dizia que, se Cristo está presente nos enfermos, está Ele duas vezes presentes nos doentes excluídos e marginalizados de nossa sociedade! 

O coordenador das Pastorais Sociais na Arquidiocese, o diácono Arari dos Santos Amorim, o `Kojak´, durante a caminhada lembrou-se ainda de outro aspecto importante para a sociedade de hoje abraçado pela Igreja ao lado da defesa dos excluídos, dos pobres e dos que não têm vez, nem voz: a defesa da Vida, desde sua concepção no ventre materno até seu declínio natural.
(Texto de José Benedito de Almeida Gomes)

 

Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar