Domingo, 15 de Setembro de 2019

Diário de Sorocaba





Leia a edição impressa na íntegra


Clique aqui para acessar a edição do dia
buscar

<< Vacinação contra a paralisia infantil visa erradicar a doença no Mundo

Publicada em 16/06/2012 às 23:36
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR

Crianças menores de cinco anos tomaram as duas gotinhas; a segunda fase, em agosto, será injetável (Foto: Fernando Rezende)
Ontem foi o dia de vacinação contra a paralisia infantil. Crianças de zero a cinco anos tiveram que tomar a primeira dose da vacina para combater a moléstia que desde 1984 não é registrada no Brasil. “Fazemos a campanha para que a doença não seja re-introduzida no País”, explicou Consuelo Matiello, coordenadora da Vigilância Sanitária, durante o lançamento da Campanha no posto de saúde da Vila Jardini, que contou com a presença do secretário de saúde, Ademir Hiromu Watanabe. Balas e bexigas foram entregues às crianças pelo personagem “Zé Gotinha” após receberem a dose.

A Prefeitura de Sorocaba, por meio da Secretaria da Saúde manteve 120 postos de vacinação, 75 fixos e 45 volantes, entre shoppings, hipermercados, terminais de ônibus e outros para atingir a meta de vacinar 38.128 crianças, sendo o alvo do Ministério da Saúde imunizar 36.222 crianças, ou seja, 95% do total da população infantil de Sorocaba. Para Consuelo, o trabalho é muito gratificante. “No ano passado conseguimos vacinar 99% das crianças na primeira fase. Para nós, que somos profissionais da saúde, é uma vitória”, contou. 

A avó do pequeno Luan Henrique Alves Pereira, de um ano e seis meses, levou o garotinho para ser vacinado logo cedo. “Ele já está acostumado a acordar cedo, por causa da creche, aí aproveitei e trouxe cedinho”, disse Aparecida Fátima Alves. 

Nicole Rodrigues Agostinho também recebeu a dose logo pela manhã. A mãe, Kelly Rodrigues Agostinho contou que o horário da filha de dois anos é este. “Ela acorda cedinho, depois das 10 horas ela volta a dormir. Vindo neste horário não pegamos fila, nem tumulto e conseguimos aproveitar mais o dia”, falou a tradutora. 

Este também é o pensamento de Marcio Barbosa Silva, pai de Caio Costa Barbosa da Silva de um ano e um mês. “Minha esposa está trabalhando então trouxe meu filho para depois ele aproveitar o dia na casa da avó”. 

INJETÁVEL - A próxima fase da campanha está marcada para agosto com um diferencial. As crianças que estão começando a programação vacinal, ou seja, nunca foram imunizadas contra a pólio, irão tomar a primeira dose aos dois meses e a segunda aos quatro meses, com a vacina poliomielite inativada, de forma injetável. Já a terceira dose (aos seis meses), a quarta dose (aos 15 meses) e os reforços continuam com a vacina oral, ou seja, com as duas gotinhas.

 

Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar