Segunda-Feira, 11 de Novembro de 2019

Diário de Sorocaba





Leia a edição impressa na íntegra


Clique aqui para acessar a edição do dia
buscar

<< Peça ‘Os que chegam com a noite’ volta a ser apresentada nesta terça Espetáculo da Cia. Clássica de Repertório, sob direção de Mário Pérsico, mostra a realidade da prostituição masculina a partir de um olhar sensível e cuidadoso

Publicada em 19/03/2012 às 22:31
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR

Documentários e entrevistas foram os conteúdos usados para a elaboração da peça (Foto: Divulgação)
A Cia. Clássica de Repertório volta a encenar nesta terça-feira a montagem “Os que chegam com a noite”, a partir das 20 horas, no Auditório “Pedro Salomão José”, da Escola Municipal Getúlio Vargas (Av. Eugênio Salerno). Depois da encenação, os membros da peça vão expor o processo criativo do espetáculo e esclarecer dúvidas e curiosidades do público. A entrada custa R$ 10 (R$ 5 meia).

“Os que chegam com a noite” lança um olhar para a prostituição masculina, costurando cenas que procuram mostrar com sensibilidade o cotidiano destes personagens marginais, em seus momentos variados. Drogas, relação familiar e sofrimento são alguns dos temas abordados na peça, com todo o cuidado que o assunto merece. 

Para a produção, Mário Pérsico e sua equipe, com cerca de 16 atores, prepararam-se assistindo a documentários e entrevistando garotos de programa que falaram sobre a realidade das ruas e como se dá a relação “cliente x produto”, entre outras coisas. “A peça fala principalmente sobre a inversão de valores que existe em nossa sociedade, onde reina um sistema econômico que faz tudo virar moeda de troca, até mesmo o que teoricamente seria impossível de se comercializar, como o amor e o próprio corpo. Os personagens são desenhados sem moralismos. Não são bons nem maus, são o que são, e estão na próxima esquina, na praça central, na mesa ao lado do boteco... Frutos de um sistema selvagem onde sobreviver é a regra. Podemos olhar para eles ou não. Licenças à parte, nossa única meta foi não idealizar, mas também não atenuar nada”, disse Mário.

  

Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar