Quarta-Feira, 13 de Novembro de 2019

Diário de Sorocaba





Leia a edição impressa na íntegra


Clique aqui para acessar a edição do dia
buscar

<< Royalties do petróleo: assunto será definido na semana que vem

Publicada em 15/09/2011 às 20:09
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR

A garantia foi dada pelo ministro de Minas e Energia, Edison Lobão (Foto: José Cruz/ABr)
O ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, disse ontem que a questão da partilha dos royalties provenientes da exploração do petróleo na camada pré-sal precisa ser definida até a semana que vem. Segundo ele, o Congresso Nacional vai votar no dia 5 de outubro o veto do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva à emenda Ibsen, que propõe uma distribuição igualitária dos royalties do petróleo entre todos os Estados.

“Essa questão deverá ser decidida até a semana que vem, haja o que houver. Vamos bater o martelo”, disse, após participar no Rio de Janeiro de um encontro sobre energia.

Lobão afirmou que o governo apresentou uma proposta durante reunião na quarta-feira, entre representantes do Ministério da Fazenda e lideranças partidárias, em que abre mão de parte dos recursos. De acordo com o ministro, essa estratégia, que ele considerou a mais “factível”, prevê, por um lado, uma redução de 30% para 20% da arrecadação federal, enquanto os Estados que disputam os royalties teriam diminuição de 1,5%.

“Fizemos uma proposta concreta com a preocupação de não retirar recursos substanciais dos Estados confrontantes. Abrimos mão de um terço e os Estados confrontantes abririam mão de 1,5%. A rigor, em números absolutos, eles não perderiam nada, apenas deixariam de ganhar uma pequena parcela porque, como a produção é crescente, os royalties também são crescentes”, explicou.

Ele acrescentou, no entanto, que todas as propostas apresentadas estão sendo analisadas. Lobão também comentou a possibilidade de os municípios entrarem na Justiça, como vêm sinalizando, para questionar a perda de recursos.

“O risco de uma demanda judicial sempre existe, seja por parte dos prefeitos ou por parte da própria União Federal. Se o veto for derrubado e não chegarmos a nenhuma conclusão, o governo federal irá seguramente à Justiça”, avaliou.

Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar