Segunda-Feira, 13 de Julho de 2020

Diário de Sorocaba





Leia a edição impressa na íntegra


Clique aqui para acessar a edição do dia
buscar

<< Depois de quase 30 anos, Sorocaba assiste a nova sagração episcopal Ex-pároco do bairro do Vergueiro, escolhido por Bento XVI para auxiliar na Arquidiocese de Vitória, será ordenado Bispo no Santuário de São Judas Tadeu, no dia 25 de junho

Publicada em 09/05/2011 às 20:46
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR

DOM JOSÉ APARECIDO HERGESSE, sagração episcopal será no Santuário de São Judas Tadeu (Foto: Arquivo/DS)
Depois de quase 30 anos, Sorocaba assistirá a uma nova sagração episcopal no dia 25 de junho, o sábado após a Solenidade de Corpus Christi (este ano celebrada na quinta-feira 23 do próximo mês), quando será, então, ordenado Bispo da Igreja o estimado padre teatino José Aparecido Hergesse, eleito para o Episcopado na semana passada pelo papa Bento XVI, que o designou como bispo-auxiliar para a Arquidiocese de Vitória. A cerimônia religiosa, cujo rito é considerado um dos mais belos e significativos da liturgia católica, está marcado para as 10 horas, na Paróquia-Santuário Arquidiocesano de São Judas Tadeu, no bairro do Central Parque.

A informação foi confirmada ao DIÁRIO pelo arcebispo metropolitano de Sorocaba, dom Eduardo Benes de Sales Rodrigues, que continua em Aparecida, no Vale do Paraíba, participando da 49ª Assembléia Geral Anual da CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil), aberta na semana passada e que prossegue até esta sexta-feira (13), junto à Basílica Nacional de Nossa Senhora Aparecida. Inclusive, no final de semana, dom Eduardo retornou a Sorocaba por algumas horas, justamente para acertar com assessores e com padre Hergesse, que no sábado à tarde retornava a Roma onde vinha residindo desde outubro de 2009 para cuidar de sua nova transferência, os detalhes da sagração.

Padre Hergesse e a Ordem dos Clérigos Regulares, os Padres Teatinos, optaram por Sorocaba para a realização desta ordenação episcopal, entre outras razões pastorais e práticas, pelo fato de estar aqui situada a última paróquia – a Paróquia de São Lucas, do bairro do Vergueiro – que ele dirigiu antes de ser eleito em capítulo geral realizado na Espanha, em julho de 2009, como um dos três consultores gerais e também procurador-geral junto à Cúria Romana da Ordem dos Padres Teatinos, passando, assim, a residir em Roma. Como sagrante, o padre Hergesse escolheu o arcebispo metropolitano de Vitória (ES), dom Luiz Mancilha Vilela, de quem será bispo-auxiliar. Atuarão como consagrantes, conforme determina o Código de Direito Canônico, o próprio arcebispo metropolitano local, dom Eduardo Benes de Sales Rodrigues, e o bispo diocesano de Itapeva, diocese na qual o novo bispo trabalhou um bom período e da qual, inclusive, foi seu vigário-geral no final dos anos 90, dom José Moreira de Melo.

QUASE TRÊS DÉCADAS - Faz quase três décadas que a cidade de Sorocaba não assiste a uma ordenação episcopal, embora as ordenações sacerdotais tenham se tornado habituais de tempos a esta parte, com o reflorescimento das vocações, principalmente entre os jovens, para a vida ministerial como padres. A última ocorreu no ano de 1982, no Ginásio Municipal de Esportes, no bairro do Além-Ponte, quando no dia 2 de maio daquele ano foi sagrado pelo cardeal dom Paulo Evaristo Arns o então pároco da Catedral de Nossa Senhora da Ponte, dom José Carlos Castanho de Almeida, eleito pelo papa João Paulo II, primeiramente, como bispo-auxiliar da Diocese de Santos. Depois foi titular das dioceses de Itumbiara, no interior do Estado de Goiás, e de Araçatuba, o primeiro por sinal da nova circunscrição eclesiástica, ali permanecendo até tornar-se bispo emérito, ao atingir a idade-limite de 75 anos – hoje reside novamente em Sorocaba.

Na década de 70, por outro lado, foram duas as sagrações episcopais que aconteceram na Catedral de Sorocaba. Em dezembro de 1976, foi ali ordenado bispo para a Diocese de Bragança Paulista dom Antônio Pedro Misiara (já falecido), sacerdote de destaque do clero secular local. Em 15 de agosto do ano seguinte (1977), ocorreria a sagração do também então seu pároco, monsenhor Antônio Maria Mucciolo, eleito pelo papa Paulo VI para bispo diocesano de Barretos. Doze anos depois, veio para Botucatu, como arcebispo metropolitano, hoje emérito e também fundador da Rede Vida de Televisão e presidente do Inbrac (Instituto Brasileiro de Comunicação Cristã), mantenedor da emissora.

Na realidade, porém, a primeira ordenação episcopal realizada em Sorocaba ocorreu a 22 de maio de 1948, também na igreja da Catedral, com a sagração de dom Paulo Rolim Loureiro, filho da terra, eleito pelo papa Pio XII para bispo-auxiliar de Aparecida. Transferido depois como primeiro bispo diocesano de Mogi das Cruzes em 1962, faleceria em grave acidente automobilístico a 2 de agosto de 1975. 

Depois de dom Paulo, também na catedral de Sorocaba em 1967, do clero local, foi sagrado solenemente dom Benjamim de Souza Gomes, escolhido pelo papa Paulo VI para bispo da Diocese de Paranavaí, no interior do Paraná.   

Dom José Aparecido Hergesse, CR, por outro lado, eleito agora bispo-auxiliar de Vitória, será o segundo bispo oferecido à Igreja pela Província Paulo VI do Brasil da Ordem dos Padres Teatinos. O primeiro é dom Gorgônio Alves da Encarnação Neto, bispo da Diocese de Itapetininga desde que ela teve seu território eclesiástico desmembrado da Arquidiocese de Sorocaba em julho de 1998.  (Texto de José Benedito de Almeida Gomes)

Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar